Cadastre-se grátis

Taxa de juros real: o que é, como calcular e investir com ela?

A taxa de juros real nada mais é do que a rentabilidade de uma aplicação ou produto financeiro após descontado o efeito da inflação do período. Ela é importante para saber se o investimento gera ganhos acima da perda do poder de compra e direciona decisões de composição de uma carteira de acordo com cenário econômico, tornando os portfólios menos ou mais inclinados à Renda Fixa ou à Bolsa de Valores. 


Bem-vindo(a) a mais um passo da sua educação financeira rumo ao enriquecimento. Hoje, conheceremos a taxa de juros real. Se você já se perguntou como calcular esse valor ou como investir de acordo com ele, está no lugar certo.

A taxa de juros real é um conceito fundamental no campo das finanças, sendo vital para o seu enriquecimento acima da inflação.

Neste conteúdo, vamos explorar o significado da taxa de juros real, entender sua importância para a tomada de decisões financeiras inteligentes e descobrir como calculá-la. Além disso, mergulharemos no universo dos investimentos, desvendando estratégias para aproveitar ao máximo os diferentes cenários econômicos e tomar melhores decisões.

O que é a taxa de juros real?

Inicialmente, sobretudo para quem nunca se deparou com esse termo, vamos contextualizá-lo. A partir disso, o entendimento do restante do conteúdo será muito mais fácil e prático. 

A taxa de juros real é um conceito fundamental no mercado financeiro e no universo dos investimentos.

Ela é a taxa de retorno ajustada pela inflação, ou seja, o rendimento, de fato, real do dinheiro. Isto é, quanta riqueza foi gerada além do que o patrimônio foi impactado pela inflação.

Em outras palavras, representa o quanto um investimento ou aplicação financeira rendeu acima da inflação. Então, compreender a taxa de juros real ao tomar decisões assertivas, pois ela permite avaliar o verdadeiro ganho ou perda de valor em um investimento.

Afinal, caso nenhum ativo conseguisse gerar ganhos reais, bastaria alocar seu patrimônio em uma aplicação atrelada à inflação, como o Tesouro IPCA ou o Tesouro RendA+, por exemplo. 

Essa diferença é ainda mais relevante no longo prazo, uma vez que em períodos mais estendidos, você poderia ganhar muito mais com o poder dos juros compostos se a taxa real não fosse deteriorada pela inflação.

Portanto, investir de acordo com a taxa de juros real protege o poder de compra do dinheiro e maximiza seu enriquecimento.


Juros reais x nominais: qual é a diferença?

Para não criar mais confusão, também esteja atento às diferenças entre as terminologias “real” e “nominal”, quando nos referimos às rentabilidades das taxas de juros.

Em resumo: 

  • Juros nominais: são taxas divulgadas pelos bancos e instituições financeiras sem considerar a inflação. Ou seja, é o que está escrito no contrato ou na descrição do investimento sobre sua rentabilidade, uma vez que a inflação do período da aplicação só será conhecida no futuro.
  • Juros reais: são os juros reais ajustados após o efeito da inflação do período. Então, é o valor da rentabilidade, menos a taxa de algum índice de preços (como o IPCA) durante o prazo em que o seu dinheiro esteve aplicado. 
 

Assim sendo, os juros nominais podem iludir investidores sobre a rentabilidade, pois não levam em conta a perda de poder de compra ao longo do tempo, enquanto os juros reais fornecem uma visão mais precisa dos ganhos ou perdas reais de um investimento, considerando o impacto inflacionário.

Qual é a taxa de juros real histórica do Brasil?

Frequentemente, os juros reais brasileiros são pauta dos principais noticiários econômicos. Em 2023, dado o atual patamar da Selic, o Brasil voltou a ter a maior taxa real do mundo

Historicamente, qual é o valor da taxa de juros real do Brasil? É isso que podemos constatar no gráfico abaixo.

Por ele, podemos estudar os momentos históricos em que o rendimento real foi positivo ou negativo. Observe: 


Taxa Selic x juros reais: elas são a mesma coisa?

A taxa Selic e a taxa de juros real não são a mesma coisa, e é crucial compreender essa diferenciação ao escolher os melhores investimentos do mercado. A taxa Selic é a taxa básica de juros definida pelo Banco Central.

Ela influencia as demais taxas de juros praticadas na economia e serve como referência para diversos investimentos, além de ser o principal mecanismo de combate à inflação.

Já a taxa de juros real é a taxa de retorno de qualquer investimento (atrelado à Selic ou não) ajustada pela inflação, representando o rendimento real do investimento.

Estar atento a essa diferenciação é fundamental porque a taxa Selic não considera o impacto da inflação, o que pode distorcer a percepção dos investidores sobre o verdadeiro ganho de seus investimentos.

Observe a movimentação da Selic e do IPCA, o nosso índice de inflação brasileiro nos últimos anos:

Como calcular os juros reais?

Portanto, como dissemos anteriormente, para descobrir o valor dos juros reais, precisamos conhecer a inflação do período e descontá-la da taxa nominal.

Tenha atenção que não é apenas subtrair o valor do IPCA, mas usamos um pequeno truque e uma fórmula simples.

Matematicamente, o cálculo é assim:

r = [(1+i) ÷ (1+ )] – 1

Em que:

  • r: valor da taxa de juros real
  • i: valor da taxa de juros nominal
  • : inflação (IPCA) do período

Lembre-se de sempre colocar as taxas na mesma base, isto é, diária, mensal ou anual. 

Por exemplo: considere uma taxa de juros nominal (i) de 10% ao ano e que o IPCA ( ) desse mesmo ano foi de 5%. Logo:

r = [(1+0,1) ÷ (1+0,05)] -1

Taxa de juros real = 0,04762

Em termos percentuais, obtemos uma taxa real de 4,762% no ano em questão.

 
Agora, podemos conhecer o ganho real de qualquer aplicação, como a Poupança, uma das mais populares no Brasil. Note, no gráfico abaixo, como os juros reais da caderneta se mostraram um péssimo investimento, especialmente nos últimos anos:

Como a taxa de juros real impacta seus investimentos?

A esse ponto da leitura, você já deve ter imaginado quais são os impactos nos seus investimentos e alguns deles até mencionamos no decorrer do artigo. 

Em resumo, os principais impactos da taxa real de juros na sua carteira são: 

  • Poder de compra: afeta o poder de compra dos investimentos, pois leva em conta a inflação, preservando ou diminuindo o valor real ao longo do tempo.
  • Perda de valor no longo prazo: investimentos com taxas de juros reais negativas podem resultar em perda de poder de compra ao longo do tempo, já que o rendimento não acompanha a inflação.
  • Investimentos mais conservadores: uma taxa de juros real alta pode incentivar investimentos em ativos de Renda Fixa, como títulos do governo, que oferecem retornos mais atrativos.
  • Investimentos mais arriscados: também influencia os investimentos em renda variável, como ações. Quando a taxa real está baixa, os investidores tendem a buscar opções com retornos potencialmente mais elevados.
  • Padrão de vida na aposentadoria: ao analisar investimentos de longo prazo, como previdência privada ou planos de aposentadoria, é essencial considerar a taxa de juros real para garantir que o dinheiro investido preserve seu poder de compra até o resgate.

Logo, a taxa de juros real é um indicador importante para tomar decisões de investimento informadas, levando em consideração a expectativa de inflação e buscando maximizar os retornos reais.

Para descobrir qual será o seu patrimônio no futuro, apresentamos a você a calculadora de juros compostos da Mobills, uma ferramenta poderosa que permite visualizar o crescimento do seu investimento ao longo do tempo.

No simulador, insira o valor inicial do investimento, a taxa de juros e o período desejado, e deixe que a calculadora faça o restante. Descubra como pequenas quantias podem se transformar em grandes fortunas ao longo dos anos:

 

Como investir de acordo com os juros reais?

Agora que você sabe o que é esse conceito e como analisá-lo, como tomar decisões de investimentos mais assertivas em cada cenário. Via de regra, o mercado tende a se comportar da seguinte maneira:

Juros reais altos Juros reais baixos
Quando os juros reais estão altos, investidores tendem a buscar produtos de Renda Fixa, como títulos públicos ou CDBs, que oferecem retornos mais atrativos e maior estabilidade. Além disso, investimentos em Fundos Imobiliários ou nas ações podem ser menos atrativo, pois o custo de oportunidade da Renda Fixa é maior. Quando os juros reais estão baixos, investidores podem direcionar seus recursos para investimentos de maior risco e potencial retorno, como ações, FIIs, ETFs, BDRs ou até mesmo empreendimentos próprios. Esses investimentos têm a possibilidade de gerar retornos mais elevados, considerando que o custo de oportunidade de investir em Renda Fixa é menor.


É importante ressaltar que essas são apenas tendências gerais, e cada investidor deve avaliar seu perfil de risco, objetivos financeiros e horizonte de investimento antes de tomar decisões.

A diversificação da carteira também é fundamental para mitigar riscos e aproveitar oportunidades em diferentes cenários econômicos. Lembre-se sempre de contar com as recomendações selecionadas por Analistas da Toro para investir melhor. Até a próxima!

Deixe um comentário

Gostou do artigo? Deixe um comentário sobre o que achou do conteúdo!