Cadastre-se grátis

Os melhores investimentos para 2024, segundo os experts da Toro

Descobrir quais são os melhores investimentos para 2024 pode ser uma tarefa desafiadora, já que a resposta depende de vários fatores que muitas vezes os investidores desconhecem.

No entanto, com a orientação de especialistas, é possível encontrar a melhor forma de alocar o seu portfólio a partir deste ano e saber onde investir em 2024.

É importante ressaltar que encontrar o investimento ideal e construir uma carteira vencedora depende do seu perfil de investidor. Portanto, é fundamental entender quais alternativas são mais compatíveis com os seus objetivos, prazos e tolerância ao risco.

Neste conteúdo, iremos abordar o cenário para investir em 2024, especialmente após as eleições brasileiras, revelando quais são as expectativas para o mercado e destacando os ativos mais promissores do ano.

A Renda Variável se apresenta como uma modalidade com excelentes chances de entregar bons resultados, seja por meio ações, Fundos de Ações, ETFs, BDRs, FIIs, Mercado Futuro etc.

Além disso, a Renda Fixa e os Fundos desta categoria também seguem interessantes, dado o atual patamar da taxa Selic. Por fim, também é importantíssimo ter uma parte da sua carteira exposta a ativos internacionais.

Para saber onde investir em 2024, veja a seguir a lista que o nosso time de especialistas da Toro Investimentos criou com a projeção dos melhores investimentos para este ano. Nos tópicos seguintes, confira o diferencial de cada ativo.

Navegação Rápida

Os melhores investimentos para 2024: como e onde investir hoje?

Para explicar quais os melhores investimentos para 2024, preparamos uma tabela onde você poderá ver o tipo de investimento e os ativos relacionados.

Confira agora os melhores investimentos para esse ano:

Os melhores investimentos para 2024
selecionados pelos especialistas da Toro
Tipo de investimentoAtivo
Ações para o longo prazoEquatorial (EQTL3)
Suzano (SUZB3)
WEG (WEGE3)
BTG Pactual (BPAC11)
Itaú Unibanco (ITUB4)
Multiplan (MULT3)
Cyrela (CYRE3)
Assaí (ASAI3)
Telefônica Brasil (VIVT3)
PRIO (PRIO3)
Vale (VALE3)
Sabesp (SBSP3)
Hapvida (HAPV3)
Small Caps para o longo prazo3R Petroleum (RRRP3)
Alupar (ALUP11)
Kepler Weber (KEPL3)
Vivara (VIVA3)
Arezzo & Co (ARZZ3)
Iguatemi (IGTI11)
ABC Brasil (ABCB4)
Lavvi (LAVV3)
Sanepar (SAPR11)
Ações de dividendosCarteira de dividendos da Toro
Fundos Imobiliários (FIIs)Brasil Plural Absoluto FoF (BPFF11)
TG Ativo Real (TGAR11)
Kinea Renda Imobiliária (KNRI11)
Mall Brasil Plural (MALL11)
Kinea Securities (KNSC11) Mais recomendações: 
Carteira de Fundos Imobiliários da Toro
ETFs nacionaisBOVA11
DIVO11
SMAL11
Fundos de AçõesMonetus FIA BDR Nível I
Ibiuna Long Biased FIC FIM
Sharp Equity Value Institucional FIA
Tork Long Only Institucional FIC FIA
Fundos MultimercadosACE Capital FIC FIM
Clave Alpha Macro II FIC FIM
Giant Zarathustra FIC FIM
JGP Max Plataformas
Toro One FoF Multimercados FIC FIM CP
Fundos de Renda FixaWestern Asset Soberano II FI RF Referenciado SELIC
Mapfre Renda Fixa FI
V8 Cash Platinum FIC FIRF CP
ARX Elbrus Pro FIC Incentivados Investimento Infra RF
Capitânia Infra 90 FIC FI Infra RF CP
Sparta Debêntures Incentivadas 45 FC FI IN Infra RF
Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDCs)Everest Cash FIC FIM CP
Galapagos Dragon FIC FIM CP
Root Capital High Yield FIC FIM CP
Produtos de Renda FixaInvestimentos pós-fixados atrelados à taxa DI ou à Selic
Títulos atrelados ao IPCA com prazo de no mínimo 2 anos
Títulos prefixados com vencimentos mais longos Mais recomendações:
Carteira de Renda Fixa da Toro
Crédito Privado: carteira de Renda Fixa Corporativa da Toro
Investimentos internacionaisBV Dólar Cambial FIC FI
Toro Global FIC FIM
Melhores BDRs para 2024JP Morgan (JPMC34)
Microsoft (MSFT34)
Amazon (AMZO34)
Mercado Libre (MELI34)
Berkshire Hathaway (BERK34)
iShares Gold Trust (BIAU39) Mais recomendações:
Carteira de BDRs indicados pela Toro
Previdência PrivadaARX Denali Zurich Previdência FIC FI RF CP
SulAmérica ARX K2 Inflação Curta
JGP SulAmérica FIC FIM CP
Tork Icatu Prev FIC FI de Ações FIE I

Como será o ano de 2024 na economia?

Para 2024, muitos são os temas e pautas que rondam o noticiário econômico, sobretudo no que diz respeito às questões sobre a inflação e política monetária no Brasil, EUA, Europa e resto do mundo. 

Além disso, os conflitos internacionais (Rússia x Ucrânia e Israel x Hamas) tendem a provocar novos choques nas commodities, especialmente o petróleo, intensificando a atuação e decisões da Opep+.

A situação atual da economia global é marcada por uma queda na inflação, embora ainda esteja em um nível elevado. Um desaquecimento gradual da atividade econômica, uma taxa de desemprego baixa e um aumento nas taxas de juros básicas, indicam que o ciclo de alta está se aproximando do fim.

A grande maioria dos principais Bancos Centrais aparenta ter atingido o limite máximo de aumento de suas taxas de juros básicas, e suas declarações, de modo geral, indicam que elas devem permanecer em níveis mais altos por um período prolongado.

Para este ano, esteja atento aos seguintes assuntos que podem afetar os seus investimentos:

Inflação, PIB e taxa Selic no Brasil

  • Há a perspectiva que a redução da taxa Selic continue em 2024, baixando da casa de 2 dígitos, mas ainda em patamar elevado.
  • A inflação deve seguir pressionada e o Banco Central terá trabalho para aproximá-la da meta.
  • As questões políticas sobre a meta fiscal e as reformas estruturais seguirão em pauta. 
  • A expectativa é que o PIB brasileiro cresça de modo baixo em 2024, em ritmo menor que 2023.

Inflação, atividade econômica e juros nos EUA

  • O Fed segue acompanhando os índices inflacionários – ainda elevados, embora estejam em queda – para tomar decisões sobre a taxa de juros.
  • O BC americano, no início do ano, considera que cortar os juros ainda é prematuro e novos aumentos são possíveis.
  • Dados do mercado de trabalho, consumo e atividade econômica devem seguir aquecidos, a princípio.

Conflitos internacionais, petróleo e commodities

  • Os conflitos internacionais, sobretudo Rússia x Ucrânia e Israel x Hamas, adicionam mais volatilidade ao mercado de commodities.
  • Apesar do crescimento da procura pelo petróleo em 2024 apresentar uma desaceleração, os países membros exportadores da Opep+ devem reduzir ainda mais a produção, uma vez que a questão geopolítica representa um risco em crescimento.
  • Enquanto as taxas de juros em queda impulsionam o valor do ouro, a reposição de estoques impulsiona o preço dos metais básicos utilizados na indústria.

Sinais e risco de recessão nos EUA e Europa

  • Os investidores seguem monitorando dados de atividade econômica que podem indicar uma possível recessão nos EUA e na Europa.
  • A inflação irá reduzir gradualmente em escala global, enquanto o crescimento econômico deve sofrer apenas uma desaceleração modesta.
  • O BCE também mantém sua política contracionista no começo do ano para controlar a inflação e os conflitos não dão clareza sobre as próximas decisões.

Menor crescimento chinês

  • A crise no mercado imobiliário da China segue em pauta, assim como a tentativa do governo de estimular a economia interna do país, uma vez que a inflação por lá não é um problema.
  • A situação crítica enfrentada pelo mercado imobiliário chinês tem o potencial de se aprofundar, gerando consequências globais, sobretudo para os exportadores de commodities.
  • O mercado projeta menor crescimento para o gigante asiático no próximo ano e o desempenho recente preocupa os economistas sobre os impactos na atividade global. 

O cenário econômico e financeiro para 2024 é desafiador, mas também apresenta oportunidades. É importante estar atento aos principais fatores que podem impactar a economia e o mercado financeiro para tomar decisões acertadas.

As melhores ações para o longo prazo em 2024

Entre as principais modalidades para quem busca os melhores investimentos do ano estão as ações, interessantes para compor uma carteira de longo prazo. Investir desta forma significa encontrar empresas com bom potencial de crescimento nos próximos anos ou investir em empresas já consolidadas e com alta distribuição de dividendos.

Dentro dessa perspectiva, selecionamos algumas empresas que podem ter bons resultados em 2024 e, possivelmente, nos anos seguintes. Contudo, é sempre bom lembrar que prever com toda certeza qual será a melhor ação de 2024 é impossível, especialmente quando o assunto é Renda Variável.

O ideal na hora de investir é sempre diversificar: escolher diferentes ativos em setores variados, aumentando suas chances de sucesso e suavizando os riscos.

Veja a seguir quais são as melhores ações para comprar em 2024 estudadas e selecionadas pelo time de Analistas da Toro Investimentos: 

Ações de bancos

Os bancos já se mostraram bastante lucrativos em vários cenários econômicos, incluindo grandes crises. Para 2024, os nossos Analistas vêem um bom cenário para:

Itaú Unibanco (ITUB4)

O Itaú Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil. Atua em diversas modalidades e possui atuação internacional em mais de 15 países. A companhia apresenta um diversificado portfólio de serviços e produtos financeiros aos seus clientes. O Itaú também possui a maior gestora privada de recursos da América Latina.

O banco é referência na linha de financiamento imobiliário, detendo um market share de quase 20%, segmento que apresenta uma alta oportunidade de crescimento devido ao déficit habitacional no Brasil.

Ademais, a Rede, companhia do grupo focada em adquirência, se tornou o maior player do segmento em que está inserida com cerca de 24% da participação de mercado. 

Atualmente, foca-se no seu processo de transformação digital, realizando investimentos em tecnologia e promovendo o encerramento de agências físicas. Para suportar o avanço digital, o Itaú realiza investimentos importantes na linha de Inteligência Artificial.

Diante de um cenário desafiador que se desenhou ao longo dos últimos anos, o banco agiu de forma ativa na gestão de riscos da sua carteira de crédito, que soma mais de R$1,1 trilhão, mostrando eficiência na concessão de crédito.

Dessa forma, mesmo com o acirramento da competitividade com os bancos digitais e com as fintechs, os Analistas da Toro consideram o Itaú Unibanco como uma boa empresa para manter posição defensiva em uma carteira de investimentos no longo prazo. 

Essa consideração se deve aos fundamentos apresentados, além da política consistente de distribuição de proventos.

BTG Pactual (BPAC11)

O BTG Pactual se destaca como o maior banco de investimentos da América Latina, reportando resultados consistentes nas suas principais unidades de negócios. Recentemente, o banco alcançou R$1,5 trilhão na administração e gestão de ativos de terceiros.

Atualmente, suas áreas mais relevantes são: Sales and Trading, Corporate & SME Lending, Wealth Management, Interest & Others e Investment Banking.

Com estas linhas de negócios e a entrada no segmento de varejo, o BTG consegue mostrar rentabilidade semelhante à dos grandes bancos, mas com o potencial de crescimento dos bancos digitais.

Nossos Analistas ressaltam que o BTG se mostra como um bom candidato para se beneficiar da tendência de financial deepening (aprofundamento financeiro) no Brasil, ou seja, o aumento da inserção dos investidores em serviços financeiros mais sofisticados. 

Como exemplo, é possível citar o segmento de Asset Management e Wealth Management, que abre espaço para o crescimento de áreas em que o BTG possui expertise.

Além disso, o segmento de varejo pode destravar valor para o BTG, pois a sua entrada no portfólio do banco cria um grande potencial de aumento no mix de produtos oferecidos aos clientes. 

O segmento de Investment Banking, que sofreu com os juros elevados ao longo de 2023, deve voltar a se beneficiar de um ambiente melhor no decorrer de 2024.

Por fim, as diferentes linhas de receitas podem beneficiar o banco e mantê-lo como forte competidor no mercado. As recentes aquisições e os resultados crescentes colocam as units do BTG Pactual (BPAC11) como recomendação de compra para o longo prazo, na visão dos Analistas da Toro. 

Ações de commodities

As ações do setor de commodities, como petróleo, mineração, celulose, entre outros, também se destacam para 2024. Veja a seguir:

Vale (VALE3)

Considerada uma das maiores mineradoras do mundo, a Vale tem uma ampla operação nacional e internacional. 

Atualmente, suas principais linhas de negócios são as de Soluções de Minério de Ferro, com foco em finos de minério e pelotas; e Metais para Transição Energética, com atuação em níquel e cobre, principalmente.

Um ponto que merece atenção é a volatilidade dos preços internacionais do minério de ferro, levando em conta que a China é o principal país importador da commodity e o cenário incerto por lá se mostra um catalisador para as oscilações de preços do metal.

Ao longo de 2023, a economia do gigante asiático apresentou dificuldades em tracionar, sobretudo no segmento imobiliário, que ainda dá sinais de saturação.

Ainda assim, a Vale possui vantagens competitivas no seu produto, que tem maior pureza frente aos demais concorrentes. Isso permite que a empresa negocie finos e pelotas com certo prêmio, impactando positivamente a sua receita.

O time de Análise da Toro entende que a Vale apresenta estrutura operacional, gestão de custos e poder de negociação que a colocam em uma posição privilegiada para usufruir do atual cenário mundial. 

A volta do crescimento chinês, respondendo aos estímulos que vêm sendo colocados em prática pelo governo, a exemplo da redução dos juros de curto e médio prazos, podem trazer maior demanda ao minério de ferro. 

Ademais, as siderúrgicas chinesas continuam operando em patamares substancialmente próximos às suas capacidades, o que corrobora para um ambiente de maior demanda de minério e, consequentemente, elevação dos preços.

Em conjunto, os preços atuais da empresa seguem atrativos, dado o seu histórico, o seu potencial de entrega de resultados e o valuation de seus pares internacionais. 

Em julho de 2023, foi anunciada a venda de 13% do segmento de Metais para Transição Energética, que foi avaliado em US$26 bilhões. Apesar de se encontrar, atualmente, em ascensão, o segmento tem capacidade de gerar valor no médio e no longo prazo, sobretudo se a transição energética ganhar fôlego nos próximos anos.

PRIO (PRIO3)

A PRIO, antiga PetroRio, figura entre as empresas da Bolsa de Valores brasileira que realizaram o processo de turnaround (reestruturação). 

Após a reestruturação estratégica, observaram-se avanços nos resultados. Em especial, a exploração de poços maduros, ao invés da busca por novos campos, permitiu a redução do risco de atuação e corte de investimentos não lucrativos.

Após o turnaround, a PRIO apresentou um desempenho econômico crescente, com melhoria nas margens. As operações no cluster Polvo + Tubarão Martelo e, mais recentemente, nos campos de Frade e Albacora Leste, trouxeram ganhos significativos e marcas históricas de produção diária.

A companhia vem apresentando lifting cost (custo de extração) em patamares cada vez mais baixos, denotando a sua qualidade operacional e a diluição de custos fixos à medida que a produção avança. 

Outro ponto de destaque é o avanço dos investimentos no campo de Wahoo, que tem o primeiro óleo previsto para o primeiro semestre de 2024. Do ponto de vista das receitas, o petróleo em patamares historicamente mais elevados contribuiu para o aumento das receitas, favorecendo melhores margens.

A PRIO vem entregando bom desempenho operacional e possui um endividamento sob controle, que vem diminuindo à medida que as dívidas são quitadas e a empresa consegue gerar caixa. 

Além disso, há espaço para a expansão da produção e das vendas através dos ativos que a PRIO já detém no seu portfólio, à medida que os investimentos realizados geram os devidos retornos. 

Suzano (SUZB3)

A Suzano, maior produtora global de celulose de eucalipto, permanece em posição de destaque entre as maiores produtoras de celulose e integradas de papel do mundo. 

Com operacional robusto, consegue ditar parte dos preços praticados no mercado, a exemplo dos recentes reajustes praticados a clientes asiáticos e europeus.

O 1º semestre de 2023 foi marcado por uma forte desvalorização da celulose no mercado internacional, consequência do cenário macroeconômico mais desafiador a nível global e, principalmente, dúvidas sobre o crescimento chinês. 

Contudo, ao fim do 3º trimestre, o preço deu início a um movimento altista, sinalizando uma possível recuperação, que deve perdurar nos próximos trimestres.

Os experts da Toro avaliam que os preços mais elevados da celulose no mercado internacional, somado a uma mudança nos hábitos de consumo, do avanço do e-commerce e dos investimentos em materiais substitutos do plástico, podem favorecer a Suzano.

A empresa segue se destacando em relação aos investimentos realizados. Um dos mais importantes é o Projeto Cerrado, que deverá entrar em operação até junho de 2024, trazendo uma redução do custo caixa praticado atualmente. 

Os investimentos para a fábrica de tissue e conversão de papel higiênico e papel toalha, em Aracruz (ES), e para a conversão da máquina de secagem de celulose, em Limeira (SP), também já foram aprovados, devendo ser concluídos no 1T26 e no 4T25, respectivamente. Além disso, destaca-se a aquisição do negócio de tissue da Kimberly Clark no Brasil.

Desta forma, a companhia tende a continuar entregando bons resultados ao longo dos próximos anos, pautados na disciplina financeira e na expansão de suas operações. 

A Suzano possui uma alavancagem (dívida líquida/EBITDA) sob controle, além de forte geração de caixa operacional. Por fim, na visão fundamentalista, as ações estão “descontadas” e possuem grande potencial de crescimento no longo prazo.

Ações de construção civil

Entenda qual será o cenário do setor de construção civil para 2024 e quais ações são as mais recomendadas pelos nossos Analistas:

Cyrela (CYRE3)

A Cyrela é uma companhia que atua no segmento de incorporação imobiliária, construção civil, compra e venda de imóveis residenciais e comerciais, bem como na prestação de serviços relacionados ao mercado imobiliário. 

A empresa adquire terrenos, elabora projetos e constrói empreendimentos de médio e alto padrão, com foco em São Paulo. Apesar de focar no mercado de alto padrão, a Cyrela também atua em outras categorias, inclusive nas faixas 2 e 3 do programa Minha Casa Minha Vida.

A Cyrela possui participação em diversas joint ventures e associadas, que permitem maior acesso a outros mercados. Entre elas, se destacam a Lavvi (LAVV3), com imóveis de médio e alto padrão, Cury (CURY3), do segmento de baixa renda, e Plano & Plano (PLPL3), também voltada para o padrão de menor poder aquisitivo.

A empresa maximiza o retorno dos empreendimentos por meio de técnicas construtivas padronizadas, em especial nos segmentos de baixa renda, que transformam o processo construtivo em uma espécie de linha de montagem.

Os mecanismos adotados são capazes de reduzir desperdícios e custos, aumentar a produtividade, melhorar a qualidade da construção e flexibilizar o cronograma para aumentar a satisfação do cliente.

Além disso, a Cyrela inicia a construção somente após a venda de pelo menos 30% das unidades de um empreendimento, o que diminui os riscos associados ao sucesso do empreendimento.

O setor de construção civil foi impactado pelo aumento das taxas de juros e cenário econômico desafiador. Agora, com melhores perspectivas, a Cyrela está bem posicionada para capturar a recuperação do segmento. Além disso, a empresa negocia a múltiplos abaixo da média histórica, o que a torna mais atrativa.

Ações de transmissão de energia elétrica

Já pensou em investir no setor elétrico? Pois saiba que as ações das empresas de energia da Bolsa de Valores do Brasil estão entre as queridinhas do mercado.

Equatorial (EQTL3)

A Equatorial Energia é uma holding brasileira que atua nos setores de energia elétrica, saneamento, telecomunicações e serviços. Além disso, a empresa possui 80% do capital acionário da companhia de Saneamento do Amapá e oferece serviços através da Equatorial Serviços e Equatorial Telecom.

A Equatorial Energia tem como modelo de negócio a compra e a gestão de empresas do setor de utilidade pública. Hoje, a empresa possui o controle da Equatorial Maranhão e da Equatorial Pará, além de participação na Equatorial Piauí e Alagoas. 

Ademais, possui nove ativos operacionais de linhas de transmissão e tem o controle da Echoenergia, Equatorial Serviços e Equatorial Telecom. 

A empresa opera sete concessionárias e tem capacidade instalada de 1,2 GW em geração de energia renovável e quase 3,2 mil km de linhas de transmissão no Brasil.

No segmento de distribuição de energia elétrica, cobre 31% do território nacional e abrange mais de 4,5 mil km de rede no setor de telecomunicações.

A Equatorial atua em setores estáveis, com fluxos de recebimento previsíveis. Além disso, ainda possui uma alta diversificação de atuação dentro desses setores. Com isso, pode-se considerá-la uma empresa estável financeiramente, apresentando poucos riscos em suas receitas.

Apesar disso, a empresa enfrenta riscos devido ao seu modelo de negócio baseado na compra e gestão de ativos e empresas, o que pode resultar em investimentos insatisfatórios e impacto da alta regulação governamental com retiradas de estímulos e reajustes tarifários baixos.

Ainda assim, dado seus bons resultados históricos, os Analistas da Toro acreditam que a companhia apresenta um forte diferencial de resultado no setor de energia. 

Ações do setor industrial

A indústria é um dos segmentos mais importantes para o crescimento do PIB e o Brasil possui empresas bem posicionadas nesse setor e que você pode se tornar sócio. Confira:

Weg (WEGE3)

A Weg apresenta uma gestão operacional robusta, com ganhos de eficiência e de lucros consistentes ao longo dos últimos anos.

Sua boa diversificação, com plantas em outros continentes, também é um diferencial, uma vez que possibilita absorver ganhos de produtividade e logística decorrentes da integração às cadeias globais de produção.

As vendas no exterior correspondem à grande parte da receita da Weg, permitindo que ela se beneficie da cotação do dólar em patamares elevados.

Os Analistas da Toro chamam a atenção também para a inserção da empresa no segmento de energias renováveis, com destaque para a produção de equipamentos que atendem à geração de energia solar e eólica.

A sólida posição de caixa líquido também abre espaço para novas aquisições em setores estratégicos, permitindo crescimento mesmo em um eventual caso de estagnação da receita

O principal risco para a empresa atualmente está na possibilidade de uma desaceleração econômica global, motivada pelas altas taxas de juros. 

A diversificação das receitas em diversas geografias é capaz de mitigar os efeitos negativos de determinados países. Entretanto, uma conjuntura mais fraca de crescimento global teria impactos diretos sobre o faturamento da companhia.

Ainda assim, os projetos entregues pela WEG são muito rentáveis e, mesmo diante de uma desaceleração global, as margens da empresa tendem a permanecer relativamente resilientes. 

Ações de locação

Por meio de Bolsa de Valores, você pode se tornar sócio de empresas de locação de veículos. Veja o possível cenário para esse setor em 2024: 

Localiza (RENT3)

A Localiza foi fundada em 1973, e, atualmente, é considerada a maior rede de mobilidade na América do Sul, estando presente em 6 países, detendo mais de 580 mil carros em sua frota e 900 pontos de atendimento físico.

Em 2022, foi concluída a combinação de negócios com a Locamerica possibilitando a consolidação da Localiza como líder de mercado e abrindo espaço para a captura de sinergias. Com isso, a posição de liderança de mercado e de maior escala são ainda maiores e, com a comprovada execução operacional e presença nacional, podem refletir em resultados operacionais e financeiros maiores nos próximos anos.

Apesar de ser líder no seu segmento de atuação, a Localiza está posicionada em um setor cíclico da economia.

O ciclo de corte de juros somado ao rejuvenescimento da frota e os ganhos de sinergia já citados, podem impulsionar e trazer o ROIC, retorno sobre o capital investido, aos níveis históricos em 2024, fato que maximiza a geração de valor aos acionistas.

A expansão da Localiza para outros mercados também é tida como uma opcionalidade positiva para a tese. A companhia é referência em criar novas avenidas de crescimento, sendo uma delas a internacionalização. Neste quesito, a entrada da empresa no México marca um novo processo de crescimento em um mercado com similaridades com o Brasil. Por lá, não há players que dominem o setor, fazendo com que haja espaço para consolidação por parte da Localiza.

Com múltiplos atrativos para 2024, como o P/L (Preço sobre o Lucro por Ação) a 15x e EV/Ebitda a 7x, o time de Análise da Toro acredita que a relação risco e retorno justifica a entrada na ação. Dessa forma, e com a expectativa de resultados maiores nos próximos trimestres, nossos Analistas recomendam o ativo RENT3 como compra para o longo prazo.

Ações de saneamento

Nossos Analistas selecionaram empresas do setor de saneamento que trazem boas perspectivas para 2024. Acompanhe:

Sabesp (SBSP3)

Fundada em 1973, a Sabesp é uma sociedade de economia mista responsável pelo fornecimento de água, coleta e tratamento de esgotos em 375 municípios do estado de São Paulo, sendo uma das maiores empresas de saneamento do mundo. 

Atualmente, atende 28,4 milhões de pessoas por meio do abastecimento de água e 24,8 milhões de pessoas com coleta de esgoto, o que corresponde a 57% e 64%, respectivamente, da população assistida pelos serviços em São Paulo. 

Além disso, em parceria com empresas do setor privado, a Sabesp presta serviços de água e esgoto em outros quatro municípios.

Com as metas estipuladas no Marco do Saneamento de assegurar os serviços de coleta e tratamento de esgoto para 90% da população e garantir o acesso à água potável até 2033, a empresa pode apresentar avanço considerável no percentual atendido dos serviços no futuro.

A equipe de Análise da Toro conclui que a privatização da companhia, já sinalizada pelo governo de São Paulo, pode melhorar sua eficiência operacional e trazer ganhos de rentabilidade, tornando as ações uma opção interessante para investimentos de longo prazo.

Ações de saúde

A área da saúde também pode apresentar um cenário favorável em 2024. Veja qual é a opinião dos Analistas da Toro:

Hapvida (HAPV3)

O Grupo Hapvida NotreDame Intermédica é a maior operadora de saúde do Brasil e da América Latina, com mais de 16 milhões de beneficiários. 

Com a fusão entre a Hapvida e a NotreDame Intermédica, o Grupo oferece saúde e odontologia para clientes em todo o Brasil, com atendimento médico completo, agendamento prático de consultas, atendimento humanizado e medicina preventiva.

Trata-se de uma das maiores empresas verticalizadas do mundo, que vem atuando com ímpeto para se consolidar em seu segmento por meio de uma combinação de crescimento orgânico e aquisições.

O Hapvida continua executando estratégias de médio e longo prazo e integrando as empresas recém adquiridas. A fusão com a NotreDame Intermédica está em processo de integralização dos negócios. O Grupo vem avançando em diversas iniciativas e planos de ação, resultando em sinergias de receita, custos e despesas gerais.

Ao longo de 2023, as ações da Hapvida sofreram com receios que envolviam a solvência da empresa. Entretanto, algumas operações realizadas proporcionaram melhoria do perfil da dívida da companhia. Em conjunto, estes movimentos demonstraram o compromisso do Grupo com o alívio da sua estrutura de capital e o gerenciamento da liquidez.

Dessa forma, os Analistas da Toro acreditam que a tendência de longo prazo do Hapvida é positiva e entendem haver espaço para acelerar o seu ritmo de crescimento em função da fragmentação do mercado de atuação, o que viabiliza a continuidade do processo de integração de novas operações, além da perspectiva de envelhecimento da população brasileira, que favorece os seus negócios. 

Ações de shoppings

Com a retomada econômica, as ações das administradoras de shoppings centers voltam a ficar em plena evidência.

Multiplan (MULT3)

A Multiplan possui um portfólio premium de shopping centers, em localizações privilegiadas no Brasil.

Por se tratarem de empreendimentos voltados para classes A e B, conta com um público de alto poder aquisitivo, com renda e consumo menos sensíveis aos períodos de crises e inflação.

Além disso, a maior parte da sua receita advém da locação de lojas. Os contratos de locação são determinados com base em um aluguel mínimo e um aluguel calculado pela aplicação de um percentual que incide sobre o total do faturamento de cada loja. 

Dessa forma, a maior parte dos resultados está ligada a dois principais fatores: taxa de ocupação e faturamento das lojas. Assim, os Analistas da Toro entendem que a característica do portfólio da Multiplan, seu mix de produtos, público-alvo e localizações de qualidade superiores a favorecem.

A companhia já apresenta resultados superiores ao pré-pandemia, mostrando a resiliência do setor e das suas operações. Além disso, o desenvolvimento do seu banco de terrenos abre espaço para futuras aquisições e desenvolvimento de novos empreendimentos. 

Ações de telecomunicações

O setor de telecomunicações na Bolsa é uma área em constante crescimento. Confira o que nossos Analistas consideram como relevante para 2024:

Telefônica Brasil (VIVT3)

A Telefônica Brasil (Vivo) é a maior empresa de telecomunicações do país, oferecendo serviços fixos e móveis em todo o território nacional, incluindo voz, dados móveis, banda larga, TV por assinatura, tecnologia da informação e serviços digitais. O Grupo Telefónica, da Espanha, é o acionista controlador, sendo um dos maiores conglomerados de comunicação do mundo.

A Vivo tem mostrado resiliência em seus resultados, com expansão de sua base de clientes e ganho de market share no segmento de telefonia móvel, que já soma quase 100 milhões de acessos e mais de 40% do mercado. 

Neste setor, grande parte das contas está atrelada aos planos pós-pagos, que possuem baixo churn, garantindo maior estabilidade das receitas. No segmento fixo, a receita core tem avançado, com destaque para o avanço da fibra FTTH.

Além dos produtos B2C, ou seja, para o cliente final, a Vivo também consegue atuar de maneira relevante no B2B, voltado para outras empresas, o que proporciona maior diversificação das receitas. 

Nesta vertente, segue com crescimento expressivo, com um ecossistema que abrange serviços de cloud, cibersegurança, IoT, big data, entre outros.

Nossos Analistas de Investimentos acreditam que a Vivo possui estabilidade no setor e consegue se destacar frente aos pares. Além disso, a companhia segue desenvolvendo novas soluções, que podem contribuir para o aumento das receitas no longo prazo.

Ações do setor de varejo

Com a crescente demanda dos consumidores por produtos e serviços, empresas varejistas têm se destacado na Bolsa de Valores. Confira o cenário projetado para 2024:

Assaí (ASAI3)

O Assaí é uma empresa de atacado de autosserviço em expansão, que atende pequenos e médios comerciantes, assim como o cliente final. 

A marca se concentra em localizações centrais e privilegiadas, fortalecendo sua presença no mercado. 

Além disso, aprimora a experiência de compra com novas seções nas lojas, como açougue, frios, adega e produtos automotivos. No aplicativo Meu Assaí, os clientes têm acesso a campanhas exclusivas e ofertas personalizadas.

O plano de conversão dos Hipermercados Extra está em fase final de execução e já somou mais de 30% na área de vendas. As lojas convertidas vêm apresentando boa performance operacional, com maior faturamento mensal do que a média e margem EBITDA saudável.

O Assaí está inserido em um segmento econômico bastante resiliente ao oferecer itens como alimentos e bebidas.

Ao longo de 2023, a companhia foi impactada pela deflação de alimentos, que não foi acompanhada da recomposição do volume de vendas no canal B2B. 

Em outras palavras, a queda de preços dos alimentos proporcionou menor receita por produto e os volumes de vendas foram menores no período.

Além disso, a alavancagem da empresa impactou diretamente o lucro líquido nos últimos trimestres, dado o elevado custo da dívida.
 Para 2024, é esperada uma desalavancagem da companhia, que somada à queda da taxa de juros, pode contribuir positivamente para o resultado líquido.

Os experts da Toro consideram que, atualmente, a empresa negocia a múltiplos interessantes e a conversão do hipermercado Extra para o formato atacarejo pode contribuir ainda mais para os resultados.

As melhores ações Small Caps para 2024

Na Bolsa de Valores, algumas ações têm potencial de crescer mais que a média geral das empresas. São as chamadas Small Caps, nome em inglês que se refere às empresas de menor valor de mercado.

Com uma boa carteira de Small Caps aliadas às empresas já consolidadas no mercado, você monta um portfólio completo e diversificado, se expondo à Renda Variável da forma mais recomendada. 

Contudo, encontrar tais empresas com grande potencial de valorização não é tarefa fácil. A maioria das pequenas empresas nunca conseguirá se consolidar da mesma forma e podem, até mesmo, fechar as portas, especialmente em cenários econômicos desfavoráveis.

Por isso, nosso time de Analistas selecionou as Small Caps mais promissoras da Bolsa, já considerando as perspectivas do mercado em 2024. São elas:

Ações de bancos

Com o crescimento e a estabilidade do setor, as ações de bancos se tornaram uma oportunidade promissora para quem busca rentabilidade a longo prazo. Confira as melhores oportunidades nesse segmento em 2024, segundo nossos Analistas:

ABC Brasil (ABCB4)

O Banco ABC iniciou suas atividades em 1989, através de uma junção entre o Arab Banking Corporation e o Grupo Roberto Marinho, atuando principalmente em crédito corporativo e tesouraria. No ano de 2007, o Banco ABC realizou oferta pública de ações na B3.

O Banco ABC está presente em diversos estados brasileiros, além de contar também com uma unidade nas Ilhas Cayman. A carteira de clientes do ABC conta com aproximadamente 4.500 clientes, sendo distribuídos nos segmentos de empresas que faturam anualmente entre R$ 300 milhões e R$ 4 bilhões.

Diante de um cenário de política monetária restritiva e uma maior escassez de crédito no mercado, principalmente para o público pessoa física, o Banco ABC apresentou uma estrutura de maior resiliência ao longo de 2023, visto o foco de atuação ser direcionado para empresas de médio e grande porte.

Constituído em uma estrutura de banco múltiplo, o ABC é especializado na concessão de crédito e serviços, operando nas carteiras de investimentos, comercial, financeira, crédito imobiliário e câmbio.

No momento atual, o Banco ABC se destaca por ser controlado pelo Banco Central da Líbia e pelo Fundo Soberano do Kuwait, o que o coloca em uma posição única entre os bancos nacionais. 

Além disso, a estrutura de partnership relevante do Banco ABC promove um maior engajamento de seus colaboradores, refletindo em resultados positivos.

Pelo foco de atuação direcionado para médias e grandes empresas, o Banco ABC consegue operar com um índice de inadimplência abaixo dos seus pares de mercado, trazendo uma menor despesa com PDD (Provisão para devedores duvidosos) e uma carteira de crédito com uma melhor qualidade e menores riscos.

Logo, o Banco ABC possui um modelo de negócio resiliente em momentos de incertezas econômicas e que pode se beneficiar do afrouxamento da política monetária. Isso pode impulsionar as operações e os negócios do banco, à medida que as empresas buscam crédito para financiar suas operações.

Ações de commodities

Ações de commodities na bolsa são uma forma popular de investimento para aqueles que desejam diversificar sua carteira e aproveitar as flutuações de preços de matérias-primas essenciais, como petróleo, ouro, prata e grãos. Veja quais são as Small Caps promissoras para 2024:

3R Petroleum (RRRP3)

A 3R Petroleum é uma empresa que atua na operação e produção de petróleo e gás em campos maduros, minimizando o risco exploratório. A empresa visa crescer de forma inorgânica e desenvolvendo os ativos do seu portfólio, contribuindo para a geração de valor aos acionistas.

Neste sentido, observamos a entrada do Polo Papa Terra no portfólio da companhia em dezembro de 2022, ao passo que o Polo Potiguar ingressou em junho de 2023, quando a negociação com a Petrobras foi concluída. 

Naturalmente, a criação de sinergias e domínio do operacional dos ativos leva tempo, o que justifica o ainda elevado lifting cost (custo de exploração) da 3R Petroleum, que deve diminuir à medida que a produção cresça.

A equipe de gestão experiente e especializada na operação de campos onshore e offshore, aliado aos elevados níveis de governança corporativa, são vantagens competitivas relevantes nesta indústria.

A dívida da empresa aumentou recentemente, uma vez que foi necessária a captação de recursos junto a terceiros para a aquisição do Polo Potiguar. Isso também fez com que a alavancagem (dívida líquida/EBITDA) crescesse.

Contudo, esses valores devem retornar a patamares mais confortáveis à medida que a 3R Petroleum explore as recentes aquisições, o que gerará resultados mais fortes e, consequentemente, mais caixa operacional.

Contando com margens interessantes e múltiplos atrativos para o padrão da indústria, a 3R Petroleum possui vantagens competitivas relevantes que, conectadas às recentes aquisições de campos, tendem a gerar valor aos acionistas no longo prazo.

Kepler Weber (KEPL3)

A Kepler Weber foi fundada em 1925 na cidade de Panambi, RS. Ela possui capital aberto desde 1980, sendo negociada sob o ticker KEPL3. 

Atualmente, ela é referência e líder em pós-colheita, fornecendo aos seus clientes soluções completas em beneficiamento, movimentação e conservação de grãos. 

Além de duas fábricas, a Kepler ainda conta com sete centros de distribuição. Dessa forma, ela possibilita o aumento de produtividade e da competitividade do agronegócio.

Atuando nos segmentos de Fazendas, Agroindústrias, Negócios Internacionais, Portos e Terminais e Reposição e Serviços, a Kepler segue se destacando. 

A empresa vem conseguindo expandir seus resultados e a entrega de produtos e serviços de qualidade aos seus clientes. Neste sentido, a companhia segue crescendo seu Capex, realizando investimentos, sobretudo, no aumento da capacidade fabril.

Em 2023, a Kepler adquiriu o controle da Procer por meio da compra da maioria das ações. Isso possibilitará importantes evoluções em vários segmentos, como IoT e assistência remota aos clientes, acelerando o processo de digitalização do pós-colheita para toda a cadeia produtiva.

É importante salientar que a empresa vem conseguindo entregar ROIC elevado, denotando que os investimentos realizados seguem gerando retorno tanto aos credores quanto aos acionistas.

A Kepler também vem se destacando quanto à remuneração aos acionistas por meio do pagamento de proventos. Esta deve ser uma tendência caso a empresa continue entregando resultados crescentes com o passar do tempo.

Nossa equipe de Análise enxerga que a Kepler vem se desenvolvendo e crescendo de forma exponencial. Além disso, ela segue atuando em setores em que detém posicionamento estratégico de mercado. No longo prazo, o movimento de crescimento deve continuar, o que sustenta a recomendação de compra para o longo prazo.

Ações de construção civil, energia elétrica e saneamento

Lavvi (LAVV3)

A Lavvi é uma organização distintiva do setor de construção civil, operando sob o guarda-chuva do grupo Cyrela. Fundada em 2016, a Lavvi já consolidou sua presença na indústria, trazendo uma equipe executiva experiente e conhecedora do mercado imobiliário.

Concentrando suas operações em São Paulo, destaca-se pela competência em incorporação e pelo compromisso de entregar empreendimentos de destaque na região.

A incorporadora é conhecida por seus empreendimentos imobiliários diferenciados, com ênfase marcante nos segmentos de médio, médio-alto e alto padrão. 

A empresa planeja expandir a sua presença no segmento de luxo, acreditando firmemente no potencial deste mercado, e também na entrada no MCMV (Minha Casa Minha Vida), buscando atuar nos dois extremos de público alvo do segmento, que possuem demanda menos elástica.

A diretoria da empresa se mostra comprometida a entrar no MCMV de maneira ordenada e planejada, monitorando de perto e mitigando os riscos de execução da nova empreitada, buscando manter elevados os critérios para seleção de terrenos e projetos a serem direcionados ao programa.

Os últimos anos foram difíceis para o setor de construção civil. Observamos altas expressivas na inflação da construção civil, que pressionou de forma importante às margens das incorporadoras, e o cenário macroeconômico desafiador com alta inflação e, consequentemente, um ciclo rápido e forte de alta de juros. 

Entretanto, as expectativas para 2024 são melhores, o que favorece o setor.

Nesse contexto, nossos Analistas entendem que a Lavvi é uma das incorporadoras listadas que se destacam. A empresa vem apresentando bons números e margens resilientes, mesmo durante a fase desafiadora que o setor passou recentemente. 

Com capacidade de geração de caixa, bom nível de diluição das despesas e um balanço sólido, está muito bem posicionada para crescer em um momento de virada no setor.

Alupar (ALUP11)

A Alupar é uma holding de controle nacional privado, com atuação no setor de energia, com foco nos segmentos de transmissão e geração. 

O objetivo da empresa é desenvolver e investir em projetos de infraestrutura relacionados ao setor de energia no Brasil e nos demais países da América Latina.

A Alupar é uma das maiores companhias em termos de Receita Anual Permitida (RAP), sendo a maior de controle estritamente privado. Tal situação permite uma vantagem comparativa relevante, levando a uma previsibilidade no fluxo de caixa no que tange ao setor de transmissão energética.

No que tange à geração de energia, a matriz energética da Alupar é diversificada entre ativos de pequeno e médio porte situados no Brasil, Colômbia e Peru. 

As usinas hidrelétricas situadas em território nacional integram o Mecanismo de Realocação de Energia (MRE), que contribui para a atenuação do risco hidrológico e para a previsibilidade de caixa.

Nossos Analistas consideram que a companhia apresenta um portfólio interessante e eficiência operacional, com seus ativos distribuídos em várias regiões do país. 

Embora seja uma das maiores atuantes no setor, a firma também continua expandindo, participando ativamente de leilões de transmissão e buscando novas oportunidades de aquisições. 

Conjuntamente, a empresa segue com uma boa governança corporativa e vem melhorando sua distribuição de dividendos.

O time de Análise da Toro afirma que a Alupar continua em processo de expansão, seja ela via novas empreitadas ou adquirindo novos contratos em leilões de energia, o que tende a gerar novas oportunidades e contratos rentáveis, favorecendo o seu desempenho.

Sanepar (SAPR11)

A companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) é considerada uma das maiores empresas em operação dentro do setor. Sediada em Curitiba/PR, a firma é uma sociedade de economia mista e de capital aberto, controlada pelo estado do Paraná.

A Sanepar tem grande foco de atuação em seu estado, onde disponibiliza tubulações para distribuição de água potável e coleta de esgoto. Na área de resíduos sólidos, a empresa opera aterros sanitários e atende 7 municípios no total.

O setor de saneamento básico possui as características de um monopólio, o que gera vantagens competitivas, como o alto poder de barganha das empresas com seus fornecedores, o baixo poder de negociação dos clientes e barreiras para novos entrantes.

Por estes motivos, a Sanepar consegue apresentar fluxo de caixa com maior previsibilidade e níveis elevados de margens, em especial para a margem líquida (lucro líquido/receita líquida), que se mantém próxima de 20% nos últimos anos.

A Sanepar é um caso clássico de value investing, estratégia de investimentos preferida de Warren Buffett, considerado um dos maiores investidores do mundo. 

Essa estratégia consiste em investir na compra de boas empresas e que estejam “descontadas”. E para encontrar ações “baratas” por essa estratégia, o estudo de P/L e P/VPA são fundamentais, e a Sanepar se destaca na avaliação desses múltiplos.

Atualmente, a SAPR11 negocia a menos de 1x valor patrimonial, menor que sua média histórica, e a 5x lucro, da mesma maneira, menor que a média histórica de P/L nos últimos anos. 

Ou seja, os Analistas da Toro entendem que a Sanepar ainda é uma empresa “barata” e que tem bom potencial de valorização para o longo prazo.

Ações de shopping centers e varejo

Iguatemi (IGTI11)

A Iguatemi é considerada uma das principais empresas full-service para shopping centers do Brasil, sendo atuante nas regiões de maior poder aquisitivo. 

Além da administração de centros comerciais, a Iguatemi atua no desenvolvimento de projetos multiuso no entorno dos shopping centers, buscando capturar as sinergias entre os centros comerciais e estes empreendimentos imobiliários.

Em conjunto, a firma mantém forte relacionamento com marcas premium há vários anos, o que gera oportunidades na exploração do negócio de outlets e resiliência em momentos adversos do mercado devido ao foco no público-alvo de alta renda. 

Com as vendas em um bom ritmo de crescimento, os shoppings já deixaram para trás os efeitos da pandemia e o receio que existia de que o setor não se recuperaria. A Iguatemi não só sobreviveu, mas continua exibindo um crescimento saudável.

O time de Análise da Toro avalia que o portfólio da Iguatemi tem uma considerável vantagem competitiva em relação aos seus pares, tendo em vista que seus empreendimentos são focados no segmento de alta renda, o que atribui maior resiliência para a companhia.

A empresa avança no meio digital, impulsionada pela pandemia. O Iguatemi 365 e o i-Retail são operações de e-commerce eficientes, com qualidade e volume de vendas, permitindo alcançar novos mercados. Apesar dos resultados negativos, há espaço para crescimento e potencial de lucratividade com a escala.

Sendo assim, nossa equipe de Análise acredita que a Iguatemi seguirá apresentando bons resultados. A empresa demonstra solidez, boa gestão e seu público-alvo é resiliente. 

Vivara (VIVA3)

A Vivara é líder no mercado brasileiro de joias há mais de 60 anos, com 99% de suas lojas situadas em shopping centers. 

Com mais de 18% de participação no mercado, a empresa se destaca por atender a clientes de diferentes perfis socioeconômicos e oferecer produtos para todas as fases da vida. 

Atualmente, a base de clientes da Vivara conta com mais de 1,7 milhão de pessoas ativas, sendo a maioria na faixa etária de 31 a 45 anos (~45%), seguida pelas faixas de até 30 anos (~25%), de 46 a 60 anos (~23%) e acima de 60 anos (~7%).

A firma detém um portfólio diversificado de marcas líderes nas regiões em que atua, destacando-se ainda a sua posição consolidada dentro do comércio digital. Nesse contexto, a Vivara mantém iniciativas assertivas de integração dos canais de vendas, com ampliação da oferta de produtos.

Ademais, a Vivara segue o processo de expansão da sua marca Life, com produtos mais acessíveis feitos majoritariamente em prata. O apelo pela marca tem sido crescente, adicionando receita relevante para a companhia. 

Nos últimos anos, houve sucessivas aberturas de lojas Life e a empresa possui planos para continuar o processo de expansão, com oportunidades de entrada em shopping centers que não possuem perfil de público das lojas Vivara.

Nossos Analistas enxergam melhorias no mix de produtos e eficiência na alocação de capital para os projetos desenvolvidos pela Vivara. 

Por consequência, a abertura de novas lojas, aliada aos elevados níveis das margens (operacional e líquida), devem fazer com que as estratégias traçadas pela companhia sejam positivas e sustentáveis para os próximos anos.

Arezzo & Co (ARZZ3)

A Arezzo&Co é líder no setor de calçados, bolsas e acessórios femininos no Brasil. A companhia possui diversas marcas desse setor, entre elas a Arezzo, Schutz, Anacapri, Alexandre Birman, Fiever, Vans, Alme, Reserva e BAW.

Com mais de 1.000 lojas no Brasil e no exterior, a Arezzo&Co possui alta capilaridade através de seus diversos canais de distribuição, que abrangem lojas próprias, outlets, franquias e e-commerce, além do canal multimarcas.

Além de deter know-how na gestão multicanal, a cadeia de valor de ponta-a-ponta da Arezzo&Co congrega as atividades de pesquisa e desenvolvimento, merchandising, planejamento, sourcing, produção e logística, e conta com corpo executivo com excelente histórico de entregas.

Somado a isso, a companhia apresenta resultados consistentes trimestre após trimestre, mesmo diante dos desafios macro, que impactam o setor de varejo.

A atuação no mercado varejista de roupas, com foco nos públicos de alta renda, permite o desempenho sustentável da Arezzo&Co em períodos adversos de baixo crescimento da atividade e de depreciação dos indicadores macroeconômicos. 

Além disso, a empresa vem alcançando importantes avanços dentro da divisão de web commerce, atingindo parte relevante da receita bruta total nesses canais. 

Dentro deste aspecto, os especialistas da Toro ressaltam as melhorias na eficiência logística e a otimização do mix de produtos. Por isso, as estratégias traçadas pela Arezzo devem ser positivas e sustentáveis no longo prazo.

Ações de dividendos

Receba renda passiva investindo com a carteira de dividendos da Toro. Essa é uma estratégia de alocação sólida, que vai te gerar rendimentos de forma consistente.

Ao acessar este conteúdo, você terá acesso gratuitamente às melhores ações de dividendos para você comprar este ano. Se você quer receber um “salário extra” da Bolsa, essas empresas não podem faltar nos seus investimentos.

Além disso, neste relatório, você encontrará a visão sobre o cenário econômico com as razões para ser sócio desse tipo de empresa, a análise individual de cada empresa e o cálculo do dividend yield médio. Tudo isso feito pelos nossos experts dedicados ao estudo das melhores oportunidades do mercado.

Acesse o link abaixo e confira a carteira de dividendos recomendada

Os melhores investimentos de curto prazo em 2024

Os últimos anos foram marcados por grande volatilidade na Bolsa de Valores, especialmente devido às implicações econômicas da pandemia e a recuperação após o início da vacinação. 

Essa volatilidade pode abrir caminho para ótimos negócios no curto prazo, sejam por ativos que ficam mais baratos ou por oportunidades detectadas por uma boa Análise Técnica baseada em gerenciamento de risco.

Para os investidores de longo prazo, tivemos diversas empresas operando em regiões de preço extremamente atrativas, algumas delas chegando a ter o preço de mercado abaixo do seu valor patrimonial.

Além disso, os investimentos de curto prazo possibilitam que os investidores explorem todos os movimentos do mercado, tanto de alta como de queda, já que umas das estratégias de Swing Trade é operar vendido, ou seja, realizar operações de venda a descoberto (ou short selling).

Se você gosta de oportunidades no curto prazo (dias, semanas e meses) ou até mesmo operações dentro do mesmo dia, aqui na Toro há uma excelente solução para guiar os seus negócios: a sala de Day Trade ao vivo.

Nela, você fica por dentro de quais setores estão em alta e dos fatores internos e externos que afetam cada empresa recomendada, além do desempenho esperado dado o cenário atual.

Day Trade e mercado ao vivo

Para ficar por dentro de toda a movimentação dos índices, câmbio e ações, a dica é participar da nossa live de Day Trade no Youtube.

Nos dias úteis, das 9h às 17h, os Analistas da Toro acompanham o mercado, comentam cenário econômico, fazem análises, destacam as possibilidades de trades e ainda tiram suas dúvidas sobre investimentos e análise técnica.

Para quem opera Day Trade e Swing Trade, é a oportunidade de participar de uma sala com outros traders, fazer networking e saber mais sobre estratégias, setups e Análise Gráfica. Por outro lado, para quem deseja ficar por dentro de todas as novidades do mundo dos investimentos, é a chance de ter uma fonte confiável de informações de qualidade.

Acesse página no link abaixo e participe grátis da nossa live gratuita de Day Trade e mercado ao vivo com experts e outros traders e não perca os principais negócios do dia:

Os melhores Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs) de 2024

Uma das melhores formas de ganhar dinheiro com imóveis está na Bolsa de Valores: ser cotista dos Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs).

Os FIIs possibilitam que o investidor tenha uma renda mensal, isenta de Imposto de Renda, vinda da distribuição do lucro líquido do Fundo na forma de rendimentos, que chegam a superar o rendimento da Poupança e até mesmo do investimento direto em imóveis.

Após um 2023 que aparenta ter marcado um início de recuperação no mercado de Fundos Imobiliários (FIIs), muitos deles seguem com preços bastante interessantes, após não terem se recuperado totalmente da pandemia de 2020. 

Além de serem ótimos ativos em termos de imóveis, ocupação e dividend yield, nossos Analistas avaliam que boa parte dos FIIs está sendo negociada com desconto na Bolsa de Valores.

Com o cenário de taxa Selic elevada por um período maior do que o previsto anteriormente, alguns Fundos Imobiliários de papel devem se beneficiar do nível atual de taxa de juros, pois têm produtos atrelados ao CDI nas suas carteiras.

Os FIIs de recebíveis também podem ser uma proteção contra a inflação, caso esta continue pressionada, pois alguns títulos possuem indexadores como o IPCA ou o IGP-M.

Além disso, apesar do ciclo de corte de taxas de juros, que já está em andamento, entendemos que a taxa ainda deve continuar em um patamar favorável para os FIIs de CRI ao longo de 2024.

Por fim, nos FIIs de tijolo (imóveis físicos), ainda que muitos não tenham se recuperado integralmente da pandemia, há boas oportunidades para o médio e longo prazo, como os Fundos que atuam nos ramos de logística, shopping centers e industrial.

Eles são favorecidos pelo crescimento do comércio eletrônico, pela volta da circulação de pessoas e pela retomada da indústria, além de alguns Fundos de lajes corporativas com ativos estratégicos e em regiões privilegiadas.

Além disso, investir em FIIs é mais vantajoso que em imóveis diretamente, confira no infográfico a seguir.

Então, entre os melhores Fundos Imobiliários para 2024, nossos Analistas destacam:

Brasil Plural Absoluto FoF (BPFF11)

O Fundo de Fundos (FoF) da Brasil Plural tem como objetivo obter e distribuir rendimentos através do investimento em cotas de outros FIIs. O Fundo obtém rendimento tanto através dos dividendos, que os FIIs da carteira pagam, quanto com ganhos de capital, realizados no mercado secundário.

Este é um Fundo que se destaca por:

  • Carteira bem diversificada.
  • Ativos de qualidade geridos profissionalmente.
  • Desconto em relação ao valor patrimonial.
  • Oportunidade de comprar uma carteira de qualidade, que também já opera com desconto.
  • Um dos FoFs mais antigos do mercado.
  • Possui acesso a operações restritas a investidores profissionais.

TG Ativo Real (TGAR11)

O Fundo é híbrido e gerido pela TG, mesclando operações de desenvolvimento com alocação em recebíveis. Com a divisão entre dívida e equity, o FII consegue buscar um alto retorno e manter relativamente estabilizadas as distribuições de dividendos.

As operações são realizadas após as fases de obtenção de licenças, reduzindo parte do risco dos projetos, além de instalarem práticas de governança corporativa e contarem com boas estruturas de garantia.

A gestão é ativa e possui grande expertise na área focal de atuação, sendo principalmente regiões ligadas ao agronegócio e a carteira é bem pulverizada, diluindo o risco de projetos específicos. Com a maturação do portfólio de equity, o FII tem potencial para continuar entregando dividendos acima da média do mercado.

Kinea Renda Imobiliária (KNRI11)

O KNRI11 é um FII híbrido de tijolos da Kinea, sendo um dos pioneiros do mercado de Fundos Imobiliários. O Kinea Renda Imobiliária é um dos maiores e mais líquidos do IFIX e possui um portfólio misto entre lajes corporativas e galpões logísticos, tendo 20 imóveis, diversos inquilinos e contratos de aluguel espalhados em várias regiões do território nacional. 

O Fundo se destaca por: 

  • Gestão ativa e experiente.
  • Potencial para aproveitar a recuperação dos FIIs de tijolos, tendo em vista a queda da Selic.
  • Distribuição linearizada de dividendos.
  • Diversificação geográfica e entre segmentos (lajes e logística).
  • Exposição em projetos de  desenvolvimentos pontuais que  podem gerar valor no longo prazo.
  • Escolha de exposição em um fundo de tijolo com perfil mais seguro.

Malls Brasil Plural (MALL11)

O Fundo de Shoppings da Brasil Plural conta com a consultoria especializada da Onebridge Capital. Com participação em 9 ativos, o objetivo do Fundo é obter rendimentos mensais em Shopping Centers performados, resilientes e com dominância regional.

O segmento de Shopping Centers já demonstrou que a pandemia ficou para trás e os Analistas da Toro avaliam que os resultados positivos têm potencial para continuar. Com um portfólio de shoppings de qualidade, o MALL11 foi um dos fundos que melhor navegou durante os tempos difíceis acarretados pela pandemia. Entendemos que o Fundo deve continuar apresentando resiliência e seguir a tendência positiva observada ao longo dos últimos meses.

O MALL11 se destaca por:

  • Portfólio composto por ativos de qualidade. 
  • Diversificação geográfica. 
  • Bons resultados operacionais dos ativos investidos. 
  • Os shoppings têm apresentado movimento consistente nos últimos meses.

Kinea Securities (KNSC11)

Fundo de recebíveis com gestão ativa da Kinea, uma das gestoras mais renomadas do mercado de FIIs. O objetivo do Fundo é auferir rendimentos e ganhos de capital através do investimento  majoritariamente em CRIs. É o veículo que possui exposição balanceada entre IPCA e CDI, gerido pela equipe que faz gestão de dois FIIs “puros” (KNIP11, focado em IPCA e KNCR11, focado no CDI) com um excelente histórico.

Com uma carteira diversificada entre CRIs atrelados à inflação e ao CDI, o Fundo possui potencial para distribuir bons rendimentos e se apresentar como uma boa proteção para o caso de uma elevação na inflação. O FII se destaca por:

  • Carteira de recebíveis pulverizada com mais de 70 ativos.
  • Capacidade de originação própria.
  • Boas taxas médias nos ativos em carteira.
  • Gestão experiente e equipe qualificada da Kinea em um veículo que equilibra a exposição em diferentes indexadores.

Os melhores ETFs para investir em 2024

Os ETFs, ou Exchange Traded Funds, são Fundos de Investimentos fechados, com suas cotas negociadas na Bolsa de Valores. Eles se comportam como fundos passivos, ou seja, que buscam acompanhar de perto um índice ou portfólio de referência.

Dentre eles, os mais tradicionais são os que seguem o Ibovespa, o índice de dividendos (IDIV) ou o índice de Small Caps (SMLL). 

Ainda existem ETFs que replicam carteiras internacionais, a exemplo do S&P500, Nasdaq, índices de mercados europeus ou mesmo de empresas localizadas em países emergentes. Por fim, outros ETFs acompanham o movimento de criptomoedas, empresas que possuem boas práticas ESG (ambiental, social e governança corporativa, da sigla em inglês) ou variações de ativos de Renda Fixa.

Percebe-se, portanto, que existem vários tipos de ETFs disponíveis ao investidor, cada qual com a sua respectiva proposta. Além disso, esta classe é uma boa alternativa para a construção de um portfólio diversificado de forma simples. 

É possível investir, de forma bastante simples, em diversas empresas, sejam elas nacionais ou internacionais. Além disso, o investidor não precisa se preocupar em analisar e comprar, individualmente, cada uma das ações, agregando em praticidade e redução dos custos de execução das ordens.

Os ETFs vêm, cada vez mais, ganhando popularidade entre os investidores. Isso pode ser constatado pelo aumento do volume transacionado diariamente, com reflexo direto na liquidez. 

Atualmente, as cotas dos ETFs podem ser negociadas de forma unitária na Bolsa. Isso faz com que esta classe seja acessível aos investidores em geral, sem demandar valores elevados. 

Além disso, os proventos que, porventura, as empresas paguem, costumam ser reinvestidos no próprio Fundo, contribuindo para o crescimento do patrimônio do investidor.

Por se tratar de um Fundo, a administração e a gestão são desempenhadas por equipes profissionais. Dessa forma, os ETFs costumam apresentar taxas de administração que, quando existem, geralmente são pequenas. Este custo costuma ser mais do que compensado pelos ganhos em termos de praticidade e facilidade por parte do investidor. 

Além disso, quem investe em ETF não precisa ter uma série de preocupações, a exemplo do rebalanceamento da carteira, ou a compra e a venda de ativos de forma corriqueira. O objetivo é, de fato, seguir o movimento de um índice de referência.

Na opinião dos nossos Analistas, os melhores ETFs para 2024 são:

BOVA11

O iShares Ibovespa Fundo de Índice (BOVA11) é um ETF que tem como principal objetivo acompanhar as movimentações do Ibovespa, o principal índice de ações da Bolsa brasileira. Lançado em 2008, ele é gerido atualmente pela BlackRock, a maior gestora global de ativos. Dentre os fundos que replicam o Ibovespa, o BOVA11 é o mais líquido.

O Fundo apresenta taxa de administração de 0,1% a.a., adequada para os investimentos com gestão passiva e uma das menores do mercado. 

O investimento em cotas do BOVA11 é indicado para os investidores que desejam expor uma parcela do seu patrimônio às oscilações do Ibovespa, replicando o seu movimento e diversificando seus investimentos por meio de um ativo. 

Apesar da recente valorização, o índice permanece sendo negociado com múltiplos descontados, próximo às suas mínimas. 

Portanto, com foco no longo prazo, a tendência é de que o Ibovespa venha a se valorizar à medida que a aversão ao risco se dissolva. Além disso, a trajetória descendente dos juros, que já teve início em 2023, tende a favorecer os investimentos na Bolsa.

DIVO11

O It Now IDIV Fundo de Índice (DIVO11) é um ETF que busca replicar o Índice Dividendos (IDIV), calculado pela B3. 

Ele busca representar as empresas com o melhor histórico de pagamento de proventos aos acionistas, tomando como base o dividend yield (razão entre os proventos pagos e o preço de negociação) dos últimos 36 meses. 

O DIVO11 foi lançado em 2012, sendo gerido pela Itaú Unibanco Asset Management, uma das maiores instituições financeiras do Brasil. A taxa de administração do DIVO11 é de 0,5% ao ano.

As empresas que pagam bons proventos aos seus acionistas são, em geral, mais sólidas, já em um estágio mais avançado de maturidade. Como exemplo, é possível citar companhias do setor financeiro, seguradoras e utilities (saneamento e eletricidade). 

As empresas que compõem o IDIV costumam ser, portanto, mais resilientes, sendo menos impactadas em momentos de estresse do mercado e apresentando menor volatilidade. Dessa forma, a compra de cotas do DIVO11 pode agregar valor ao portfólio do investidor que deseja uma maior exposição a ações defensivas. 

Ressalta-se que os proventos recebidos pelo Fundo são reinvestidos, ou seja, não são repassados aos cotistas.

A busca por proteção é recomendada, sobretudo, em cenários mais difíceis para o mercado acionário. Assim, caso a economia dos Estados Unidos apresente dificuldades em continuar crescendo, haja o agravamento de algum conflito bélico mundial ou a situação monetária ou fiscal brasileira se deteriore, por exemplo, o DIVO11 pode se mostrar bastante interessante.

SMAL11

O iShares BM&FBOVESPA Small Cap Fundo de Índice (SMAL11) é um ETF que busca replicar o BM&FBOVESPA Small Cap Index (SMLL), o índice das empresas Small Caps elaborado pela B3. 

Este índice mensura o desempenho médio dos ativos de uma carteira composta por empresas de menor capitalização, sendo rebalanceado ao fim de cada quadrimestre. 

Gerido pela BlackRock, a maior gestora de recursos a nível mundial, e tendo sido lançado em 2008, o Fundo possui uma taxa de administração de 0,5% ao ano.

As empresas de menor capitalização, em geral, apresentam maiores potenciais de crescimento. Por serem menores atualmente, elas podem expandir o seu operacional através de captação e reinvestimento do lucro, gerando crescimento de forma exponencial, até chegarem ao nível dos seus principais concorrentes. 

Contudo, por ainda estarem em fase de crescimento, essas empresas estão sujeitas a certos riscos. Dentre eles, é possível citar as mudanças no comportamento e nas preferências do mercado, as taxas de juros mais elevadas para os passivos onerosos e as dificuldades de ganho de participação de mercado, que podem dificultar o referido crescimento.

Além disso, por apresentarem fluxos de caixa importantes em períodos mais longínquos, as Small Caps costumam ser mais sensíveis às flutuações das curvas de juros, trazendo maior volatilidade.

Dessa forma, o investimento no ETF SMAL11 se mostra interessante em momentos de menor aversão ao risco, que tendem a ser bastante favoráveis para as ações e trazer um movimento ainda mais acentuado para as empresas de menor capitalização.

Os melhores Fundos de Investimentos em 2024

Os Fundos de Investimentos consistem na forma mais simples para acessar o mercado e, por isso, acabam sendo uma das principais portas de entrada de muitas pessoas para este universo.

Esse tipo de investimento é mais acessível, pois os cotistas não precisam se preocupar com o acompanhamento do mercado e com a escolha de cada ativo para compor a carteira. Tais funções são realizadas pelo gestor de cada fundo, que está 100% dedicado ao estudo do mercado.

Dessa forma, o investidor conta uma gestão profissional do seu capital, o que pode contribuir muito na busca de boa rentabilidade, além de viabilizar a diversificação, mesmo com pouco capital investido, além de tributação mais simples.

Entretanto, é importante ter atenção na hora de fazer boas escolhas sobre os Fundos nos quais pretende aportar os seus recursos. Para te ajudar nessa importante decisão, vamos apresentar os tipos de Fundos de Investimentos mais procurados.

Fundos de Investimento em Ações (FIA)

Os Fundos de Investimento em Ações (FIA) tem como objetivo investir no mercado acionário, com o intuito de aplicar, no mínimo, 67% do seu patrimônio em ações negociadas no mercado organizado ou em ativos relacionados a esses mercados.

Alguns exemplos de ativos que os FIA também podem alocar recursos:

  • Bônus ou recibos de subscrição.
  • Certificados de depósito de ações.
  • Brazilian Depositary Receipts (BDR).
  • Cotas de outros Fundos de Ações.
  • E cotas de Fundos de índice de ações (ETFs).

É importante destacar que essas aplicações são focadas em objetivos de longo prazo e aconselhadas para investidores com maior disposição a riscos.

Entre as boas alternativas para investidores que buscam Fundos de Ações, destacam-se:

Monetus FIA BDR Nível I

O Monetus FIA é um Fundo de Investimentos em Ações que busca superar o Índice Bovespa no longo prazo. Para isso, a gestão do Monetus FIA se baseia na aquisição de ativos com elevado potencial de valorização, por meio da identificação de empresas excelentes a bons preços, ou seja, com uma distorção entre o valor justo e o preço de negociação, pautado em uma sólida Análise Fundamentalista.

A gestão do Monetus FIA também carrega um diferencial: manter uma filosofia independente de investir, ao invés de seguir o mercado nas suas decisões. Dessa forma, o foco primário é na avaliação das companhias, por meio de uma análise bottom up minuciosa, em busca das melhores oportunidades de investimentos.

Nas palavras de Daniel Calonge, gestor do Monetus FIA, “investir em ações é se tornar sócio da empresa investida” e, portanto, ele busca por bons negócios a bons preços. Na visão do gestor, as melhores oportunidades estão escondidas nos detalhes, por isso, ele e sua equipe dedicam muito tempo e esforço procurando-as, sempre indo além.

Curioso e questionador: duas características que contribuíram bastante para que Daniel levasse o Monetus FIA aos top 10 Fundos de ações no Brasil.

Calonge é CEO da Toro Asset Management, além de ser um gestor de investimentos certificado pela Anbima e um profissional aprovado no Level II do CFA (Chartered Financial Analyst), certificação globalmente reconhecida no mercado financeiro.

Calonge criou o Monetus FIA em 2012, quando era antes um clube de investimentos, após ter sido gestor de investimentos na GRP Investimentos de 2010 a 2012. Atualmente, a Toro Asset tem mais de R$100 milhões sob a sua gestão.

Aporte inicial mínimo: R$30,00

  • CNPJ: 13.033.721/0001-40

Ibiuna Long Biased FIC FIM

Ibiuna Long Biased é um Fundo dedicado ao mercado de ações, que busca oportunidades na Bolsa local através de abordagem fundamentalista bottom-up, com exposição direcional flexível (pode estar mais comprado ou vendido). Isto lhe permite buscar ganhos com a Bolsa subindo ou caindo, por isto, é esperado que gere menos volatilidade do que um Fundo long only.

Uma das maiores gestoras independentes no país, a Ibiuna Investimentos foi fundada em 2010 e conta com mais de R$31 bilhões em ativos sob gestão, distribuídos em três famílias de Fundos: macro, ações e crédito.

André Lion é sócio, CIO e gestor da estratégia de ações da Ibiuna desde 2011. Lion tem vasta experiência em gestão de Fundos de Renda Variável e off-shore (Renda Fixa e Renda Variável focados em Brasil e money market US), com cerca de 20 anos acumulados em posições de destaque em instituições financeiras renomadas, como a BRZ Investimentos e o Banco Itaú, tendo gerido um dos primeiros Fundos de estratégia Long & Short neutro no Brasil.

Aporte inicial mínimo: R$30,00
CNPJ: 13.033.721/0001-40

Sharp Equity Value Institucional FIA

O Sharp Equity Value Institucional FIA é um Fundo de Investimentos em ações que busca gerar ganhos de capital no longo prazo. Para isso, é realizada uma gestão ativa de investimentos focada no mercado acionário, investindo entre 80% e 100% do seu patrimônio em ações.

O time de sócios da Sharp é composto por profissionais que trabalham juntos há muitos anos e que possuem ampla experiência na gestão de Renda Variável nacional.

Eles buscam entender a fundo as empresas e avaliar constantemente as melhores alternativas ajustadas a risco.

Uma das marcas da equipe de gestão da Sharp é a busca constante por romper com a lógica convencional de que para atingir um maior retorno é preciso incorrer em um maior risco.

  • Aporte inicial mínimo: R$20.000,00
  • CNPJ: 17.898.650/0001-07

Tork Long Only Institucional FIC FIA

O Tork Long Only Institucional FIC FIA é um Fundo de Ações que costuma manter uma exposição líquida comprada entre 90% e 100% do seu patrimônio.

O Fundo busca obter retornos reais superiores ao custo de oportunidade local, no longo prazo, através do investimento em ações selecionadas com base em análises fundamentalistas, com um estudo profundo e abrangente de empresas e setores alvo.

Isso viabiliza a identificação de ações cujo valor de mercado possa apresentar distorção em relação ao seu valor intrínseco, com o objetivo de obter retornos reais superiores ao custo de oportunidade local no longo prazo.

A seleção dos ativos investidos baseia-se em uma análise criteriosa de 4 grandes pilares:

  • Qualidade do negócio.
  • Histórico de execução e de alocação de capital do time de executivos.
  • Possíveis riscos inerentes ao investimento.
  • Perspectivas de retorno do investimento em diferentes cenários.

Os gestores da Tork têm preferência por compounders, empresas com grandes vantagens competitivas, modelo de negócios rentável, significativas oportunidades de crescimento e geridas por executivos alinhados e com histórico de execução comprovado.

Eles também buscam empresas que, a despeito de possuírem um histórico inconsistente de execução e de alocação de capital, estejam vivenciando momentos transformacionais, com grande potencial de melhoria na lucratividade do negócio, lideradas por executivos com histórico de sucesso e alinhados corretamente.

  • Aporte inicial mínimo: R$500,00
  • CNPJ: 31.533.145/0001-81

Fundos de Investimento Multimercados (FIM)

Os Fundos de Investimento Multimercados (FIM) são aqueles que apresentam uma política de investimento voltada para diversos fatores de risco, podendo aplicar em vários mercados, como ações, câmbio, Renda Fixa e outros.

Dessa forma, esses fundos contam com flexibilidade, já que não são limitados a realizar alocações mais concentradas em uma única classe de ativos. Com isso, os multimercados costumam ser ótimos para viabilizar a diversificação da sua carteira de investimentos.

As estratégias dos Fundos Multimercado também podem incluir a utilização de derivativos para alavancagem.

Tendo em vista as perspectivas de investimentos para 2024, alguns Fundos Multimercados podem ser destacados, tais como:

ACE Capital FIC FIM

O ACE Capital FIC FIM é um fundo multimercado que possui diversas ferramentas para operar qualquer cenário, sendo dividido em mesas de: Renda Fixa, Renda Variável, Moedas e Cupom Cambial, Internacional e Valor Relativo.

O processo decisório de um investimento depende de 3 pontos: fundamento, preço e posicionamento técnico do mercado. O comitê avalia as oportunidades que mostram maior assimetria risco-retorno e estipula o peso para cada posição.

Na sua estratégia macro, a ACE Capital conta com 10 profissionais de gestão, que têm no seu histórico passagem pela Tesouraria do Santander sendo liderados pelo CIO Fabrício Taschetto, que acumulou quase 20 anos de carreira no Banco. O Comitê Executivo conta com Ricardo Denadai, economista-chefe e estrategista, além de Luiz Missagia e Daniel Tatsumi, que comandam os books de Renda Variável e de moedas, respectivamente.

Os gestores buscaram replicar a estrutura de mesas que tinham no banco espanhol para constituir um Fundo gerador de alfa com forte gerenciamento de risco, que zela pela preservação de capital ao longo do tempo.

  • Aporte inicial mínimo: R$ 500,00
  • CNPJ: 34.774.662/0001-30

Clave Alpha Macro II FIC FIM

Clave Alpha Macro II é um Fundo Multimercado macro, que executa uma alocação dinâmica entre estratégias direcionais e de valor relativo, com agilidade e flexibilidade, nos mercados de juros, moedas, commodities e renda variável, no Brasil (maior foco) e no exterior.

A gestão se embasa em análise macroeconômica, com foco em diversificação, boa gestão de risco, amplitude de instrumentos e fontes de alfa.

A estratégia macro busca retorno de CDI+6% a.a. com volatilidade de 6% a 8% a.a. e oferece historicamente baixa correlação em relação à indústria de multimercados. Sua diversificação e hedges garantiram drawdowns controlados em momentos difíceis, com recuperação em apenas 19 pregões da sua queda máxima.

A Clave Capital é uma gestora independente, fundada em 2021 por profissionais experientes em gestão de recursos, com longa carreira em instituições de primeira linha. Atualmente, a Casa conta com mais de R$8 bilhões sob gestão.

Rubens Henriques é CEO da Clave, foi membro do Programa de Sócios do Itaú Unibanco, CEO da Itaú Asset, responsável por implementar o modelo multimesas, e liderou a área de Fundo de Fundos do Itaú Unibanco no Brasil e no exterior.

Aporte inicial mínimo: R$ 500,00
CNPJ: 41.610.584/0001-02

Giant Zarathustra FIC FIM

Um dos Multimercados com gestão sistemática com mais sucesso desde a estreia (2012), o Giant Zarathustra, ou apenas Zara, opera com agilidade em períodos difíceis, com posições compradas e vendidas e livre das emoções humanas que poderiam afetar as escolhas de investimentos.

Os modelos sistemáticos que o Zara utiliza têm uma tendência a mostrar um desempenho melhor em períodos de irracionalidade, isto é, quando as relações entre as classes de ativos parecem deixar de seguir as teorias de finanças, tal como a crise de Covid-19, com trocas de posições mais frequentes do que a estratégia Sigma da Giant (que tende a performar melhor em períodos de racionalidade). 

Em 2020, o Zara não fechou nenhum dia com retorno acumulado negativo no ano.

Dessa forma, o seu perfil de atuação lhe confere uma combinação de altos retornos (acima de 15% anualizados ou CDI+6,7%), consistência nos resultados a longo prazo e baixa correlação com a indústria de multimercados.

  • Aporte inicial mínimo: R$ 10.000,00
  • CNPJ: 11.052.478/0001-81

JGP Max Plataformas

O JGP Max é um Fundo multiestratégia de perfil moderado, que investe em estratégias diversificadas nos mercados domésticos de Renda Fixa, Variável, Cambial e, em menor proporção, no exterior.

A gestão busca explorar as melhores oportunidades em termos de relação risco-retorno disponíveis nos mercados organizados, utilizando para isso, preferencialmente, ativos de alta liquidez.

A consistência de retornos e a ênfase na preservação de capital são seus principais diferenciais. O Fundo busca superar o CDI no longo prazo, com rentabilidade-alvo de CDI + 2% ao ano e volatilidade anualizada esperada menor do que 3%.

A equipe de gestão adota o estilo multigestor, onde os gestores, de estilos diferentes e complementares, dividem o risco total do Fundo entre si e têm autonomia operacional.

  • Aporte inicial mínimo: R$ 20.000,00
  • CNPJ: 30.005.655/0001-13

Toro One FoF Multimercados FIC FIM CP

O Toro One FoF Multimercados FIC FIM CP baseia-se nas recomendações de Fundos da Carteira Toro One Multimercados.

Com foco em oferecer um portfólio diversificado em um único produto, reunimos uma seleção de Fundos Multimercados, que são investimentos que atribuem mais liberdade para que os gestores desenvolvam suas estratégias a partir da combinação de ativos, principalmente, nos mercados de juros, moedas, ações e commodities e/ou por meio de derivativos, com o intuito de acessar oportunidades em diferentes geografias e cenários macroeconômicos.

A avaliação busca identificar Fundos com equipe de gestão de boa qualidade, processo de investimento bem definido, controle de riscos e consistência de resultados a longo prazo. O objetivo do fundo é buscar obter rentabilidade acima do CDI no longo prazo.

Aporte inicial mínimo: não há. 
CNPJ: 32.998.646/0001-04

Fundos de Investimentos em Renda Fixa

Os Fundos de Investimento em Renda Fixa são aqueles que precisam investir, no mínimo, 80% do seu patrimônio em aplicações de Renda Fixa, como, por exemplo, títulos de emissão bancária, debêntures, títulos públicos federais, entre outros.

Esses Fundos são divididos de acordo com os ativos presentes na sua carteira e a política de investimentos adotada, sendo eles:

A diversificação alcançada através do volume financeiro que o Fundo dispõe e a rentabilidade, normalmente superior à taxa do CDI, são as principais vantagens desse tipo de aplicação.

Além disso, alguns Fundos de Renda Fixa apresentam a liquidez e segurança necessária para compor uma parte da reserva de emergência do investidor, sendo uma boa opção para a diversificação desses recursos.

Entre os melhores Fundos de Renda Fixa para investir, destacamos:

Western Asset Soberano II FI RF Referenciado Selic

Um Fundo ideal para alocar a sua reserva de emergência ou para guardar o caixa que você pode precisar a qualquer momento, num prazo mais curto. Isso porque o objetivo do Western Asset Soberano II é buscar retornos que acompanhem a variação das taxas de juros de um dia (CDI ou Selic) com a possibilidade de resgatar os seus recursos dentro de um mesmo dia útil.

A estratégia do Fundo é aplicar seus recursos em ativos financeiros que buscam acompanhar a variação do Certificado de Depósito Bancário (CDI) ou da taxa Selic, de forma que, no mínimo, 95% (noventa e cinco por cento) dos ativos financeiros componentes de sua carteira estejam atrelados, direta ou indiretamente, a este parâmetro.

O Fundo deverá observar o percentual de 100% (cem por cento) do seu patrimônio em Títulos de emissão do Tesouro Nacional ou do Banco Central do Brasil.

Nossos Analistas recomendam a entrada neste Fundo para investidores de todos os perfis, especialmente aqueles de perfil mais Conservador.

Deve-se observar que a rentabilidade do Fundo será impactada em virtude dos custos e despesas, inclusive taxa de administração.

  • Classificação Anbima: Renda Fixa Duração Baixa Grau de Investimento
  • Aporte inicial mínimo: R$ 100,00
  • Prazo de resgate: D+0
  • CNPJ: 22.773.421/0001-98

Mapfre FIRF

Para aquela parte do capital que você deseja alta liquidez aliada à possibilidade de lucrar acima do CDI, a nossa recomendação é alocar no Fundo Mapfre Renda Fixa. O Fundo conta com uma estratégia que ganhou bastante espaço na carteira dos investidores nos últimos tempos, que busca rentabilizar o seu caixa com maior segurança.

Isso é possível porque a gestão do Mapfre Renda Fixa investe em papéis de grandes bancos e de instituições financeiras de excelente qualidade, mantendo a sua carteira numa esfera de baixo risco de crédito. Dessa forma, com elevado nível de segurança, o Fundo pode trazer ganhos um tanto acima do CDI.

Nossos Analistas recomendam a entrada neste Fundo preferencialmente para investidores com perfil Moderado, Balanceado ou Arrojado.

  • Classificação Anbima: Renda Fixa Duração Livre Crédito Livre
  • Aporte inicial mínimo: R$ 100,00
  • Prazo de resgate: D+0
  • CNPJ: 08.610.270/0001-26

V8 Cash Platinum FIC FIRF CP

Se você tem recursos para os quais gostaria de ter ganhos acima da taxa básica de juros e dispõe de um prazo relativamente baixo para resgatá-los, a nossa recomendação é investir no V8 Cash Platinum.

O Fundo conta com prazo de resgate de 12 dias e busca rentabilizar o capital investido com retornos acima do CDI. Um produto ideal para alocar o caixa de curto a médio prazo.

O objetivo da gestão é buscar retornos consistentes acima do CDI, com rentabilidade-alvo de 108% a 110% do CDI ao ano. Para tanto, a gestão do V8 Cash Platinum mescla investimentos que envolvem o financiamento de operações a termo e crédito bancário de alta qualidade.

Nossos Analistas recomendam a entrada neste Fundo preferencialmente para investidores com perfil Moderado, Balanceado ou Arrojado.

  • Classificação Anbima: Renda Fixa Duração Livre Crédito Livre
  • Aporte inicial mínimo: R$ 100,00
  • Prazo de resgate: D+0
  • CNPJ: 42.774.627/0001-40

ARX Elbrus Pro FIC Incentivados Investimento Infra RF

O Brasil tem um cenário de inflação persistentemente mais elevada, o que torna essencial a busca de proteção do portfólio dos investidores com aplicações financeiras que possam trazer ganhos reais, ou seja, acima da inflação. Se você deseja obter ganhos desse tipo, a nossa equipe de Análise recomenda que você invista no Fundo ARX Elbrus Pro FIC Incentivados Investimento Infra RF.

Este investimento pode ser muito interessante porque os prêmios de risco seguem mais favoráveis no mercado de juros reais, podendo proporcionar retornos relativamente satisfatórios acima da inflação ao longo do tempo.

Mais do que isso, trata-se de investimentos de Renda Fixa que podem trazer ganhos mais arrojados, similares à Renda Variável. Isso tende a acontecer à medida que a taxa básica de juros brasileira for sendo reduzida, o que pode propiciar a valorização de determinados ativos cuja rentabilidade seja atrelada à inflação, por um processo conhecido como marcação a mercado.

A boa notícia é que você não precisa se preocupar nem com os termos técnicos e tampouco em gastar o seu tempo buscando os ativos certos para ganhar com a inflação: basta você investir neste fundo que os nossos Analistas recomendam.

Dessa forma, você contará com a dedicação integral de um gestor profissional de recursos e sua equipe, que irão buscar, avaliar e escolher as melhores oportunidades no mercado de crédito privado para aplicar o seu dinheiro.

O objetivo do ARX Elbrus Pro FIC Incentivados Investimento Infra RF consiste em buscar retornos superiores ao IMA-B, formado por títulos públicos indexados à inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

O Fundo investe, sobretudo, por meio de uma gestão ativa, através de uma carteira de títulos de crédito privados, constituída primordialmente de debêntures de empresas de alta qualidade ligadas ao setor de infraestrutura.

Este Fundo também conta com o benefício tributário de isenção de Imposto de Renda para pessoas físicas. Isso ocorre porque este Fundo destina a maior parte do seu patrimônio líquido para ativos financeiros provenientes da captação de recursos para a implementação de projetos no setor de infraestrutura, permitindo a não incidência do IR, conforme a Lei 12.431/2011.

A ARX é uma das maiores gestoras brasileiras. Tendo sido fundada em 2001, ela faz parte do grupo internacional BNY Mellon desde 2008. Dessa forma, a ARX possui visão sobre o mercado global, com um diferencial de compreender bem o cenário brasileiro.

A Gestora possui uma ampla experiência. Inclusive, em decorrência da sua data de fundação, a ARX já vivenciou a gestão de recursos em diferentes cenários de mercado.

  • Classificação Anbima: Renda Fixa Duração Livre Grau de Investimento
  • Aporte inicial mínimo: R$ 500,00
  • Prazo de resgate: D+31
  • CNPJ: 37.368.116/0001-98

Capitânia Infra 90 FIC FI Infra RF CP

O Capitânia Infra 90 FIC FI Infra RF CP é um Fundo de Renda Fixa que busca superar o CDI através do investimento em ativos de Renda Fixa no mercado de crédito privado.

Outra vantagem deste Fundo é o benefício tributário que você irá desfrutar: como pessoa física, você terá a isenção do Imposto de Renda. Isso ocorre porque este Fundo destina a maior parte do seu patrimônio líquido para o investimento em ativos financeiros provenientes da captação de recursos para a implementação de projetos no setor de infraestrutura, permitindo a não incidência do IR, conforme a Lei 12.431/2011.

A Capitânia é uma gestora independente especializada em crédito, fundada em 2003 por executivos que foram responsáveis pela tesouraria do Bank of America no Brasil.

Arturo Profili, sócio e gestor de Fundos na Capitânia, faz uma seleção rigorosa de ativos financeiros através da avaliação da solvência das companhias e as garantias ofertadas em caso de inadimplência.

  • Classificação Anbima: Renda Fixa Duração Alta Crédito Livre
  • Aporte inicial mínimo: R$ 1.000,00
  • Prazo de resgate: D+90
  • CNPJ: 26.605.199/0001-75

Sparta Debêntures Incentivadas 45 FC FI IN Infra RF

O Sparta Debêntures Incentivadas 45 FC FI IN Infra RF é um Fundo de Renda Fixa com perfil pós-fixado, que investe em aplicações ligadas a grandes projetos de infraestrutura. O Fundo tem como meta render CDI + 0,5% ao ano.

A Sparta é uma gestora de recursos independente cujas estratégias de Renda Fixa e crédito privado são lideradas por Leonardo Horta (CIO), Felipe Vidal e Artur Nehmi, enquanto Ulisses Nehmi (que fundou a casa em 1993) é o atual CEO e diretor de risco e compliance – todos são formados em engenharia pelo ITA ou pela USP e contam com renomadas certificações do mercado financeiro.

Outra vantagem deste Fundo é o benefício tributário que você irá desfrutar: como pessoa física, você terá a isenção do Imposto de Renda. Isso ocorre porque este Fundo destina a maior parte do seu patrimônio líquido para o investimento em ativos financeiros provenientes da captação de recursos para a implementação de projetos no setor de infraestrutura, permitindo a não incidência do IR, conforme a Lei 12.431/2011.

  • Classificação Anbima: Renda Fixa Duração Livre Crédito Livre
  • Aporte inicial mínimo: R$ 1.000,00
  • Prazo de resgate: D+46
  • CNPJ: 36.352.361/0001-44

Everest Cash FIC FIM CP

Everest Cash é um Fundo de Renda Fixa focado em alocação de recursos em FIDCs (Fundos de Direitos Creditórios). Dessa forma, o Fundo investe em cotas sênior e mezanino de FIDCs de gestão e originação própria, multicedente e multi-sacado, com operações de fomento mercantil, crédito consignado privado, agro, indústria, comércio, entre outros recebíveis. O Fundo costuma manter índice de subordinação superior a 40%.

A Everest Asset é especializada na gestão de ativos de crédito privado líquido e estruturado. Sua equipe realiza uma rigorosa análise de crédito para os seus FIDCs, considerando a capacidade de pagamento do devedor, histórico de inadimplência e outros fatores, com o intuito de manter a qualidade e preservar a segurança da carteira. 

Todas as decisões de investimento e desinvestimento dependem da aprovação consensual dos gestores. Além de produtos estruturados de crédito privado, a Gestora também atua em estratégias de Renda Fixa, Renda Variável, multimercados e derivativos.

A Asset foi criada por profissionais com reconhecida experiência no mercado financeiro. Entre os sócios-fundadores está Roberto Corrêa de Souza Filho, que é especialista no mercado de créditos ilíquidos, conta com mais de seis anos nas frentes de originação, estruturação e gestão de fundos de crédito.

Ao todo, Roberto tem mais de 15 anos de experiência na área de Asset Management, tendo percorrido instituições relevantes, tais como: MA1 Asset Management, HSBC, Delos Asset Management e Artesanal Investimentos, onde foi diretor de distribuição de fundos por 5 anos, além de ter participado da originação de outros produtos financeiros bastante capitalizados no mercado, como os FIDCs da Stone, Cielo e Sabemi, Hyundai, entre outros.

Enquanto Silvio Camargo (CFA), gestor e investidor com mais de trinta anos de mercado, atuando há mais de 24 anos na gestão de recursos, com passagem por instituições financeiras renomadas, como GP Investimentos, Fiducia Asset Management e Santander Asset Management. Camargo acumula vasta experiência em portfólios e estratégias de retorno diferenciados, com expertise em governança corporativa através da participação em conselhos de empresas de capital aberto.

  • Classificação Anbima: Multimercado
  • Público-alvo: Investidores Qualificados
  • Aporte inicial mínimo: R$ 5.000,00
  • Prazo de resgate: D+31
  • CNPJ: 45.026.487/0001-10

Galapagos Dragon FIC FIM CP

Galapagos Dragon é um Fundo voltado para investimentos em ativos de crédito estruturados com alto nível de rendimento e excelente colateralização e em ativos de crédito líquido. Oportunisticamente, a gestão do Fundo pode investir em créditos internacionais.

A Galapagos Asset Management é uma gestora independente de investimentos alternativos globais, com mais de R$20 bilhões de ativos sob gestão e mais de 50 mil clientes.

A Gestora tem expertise na originação, estruturação e alocação de operações de crédito inovadoras e com lastro, com destaque para a criação de FIDCs que financiam cadeias de suprimentos, home equity, car equity, agronegócios e venture debt. Sua equipe conta com cerca de 340 profissionais.

Fundada em 2019 por Carlos Fonseca, que liderou o setor de private equity do BTG Pactual, a Galapagos tem crescido, inclusive através de diversas aquisições.

Recentemente, incorporou a gestora de patrimônio Taler (focada em multi-family offices) e a gestora de ações Frontier Capital, além de ter contratado executivos da Mandatto, que administra ativos de famílias de alta renda, e comprou a boutique de consultoria de M&A (fusões e aquisições) Cypress, inaugurando a frente de banco de investimentos da Galapagos voltada para o middle market.

  • Classificação Anbima: Multimercado
  • Público-alvo: Investidores Qualificados
  • Aporte inicial mínimo: R$ 1.000,00
  • Prazo de resgate: D+91
  • CNPJ: 36.729.755/0001-79

Root Capital High Yield FIC FIM CP

Root Capital High Yield é um Fundo de crédito, que investe principalmente nos mercados High Grade (alta nota) e High Yield (baixa nota) no Brasil, criado para abranger três principais estratégias: operações com colateral elevado (cujo valor de mercado supera de modo robusto o valor da dívida), companhias com fluxo de caixa recorrente e baixa alavancagem, além de deals oportunísticos. 

Trata-se da estratégia de crédito mais arrojada e com o maior potencial de retorno, na qual a Root Capital é especialista. Com uma liquidez de D+180, o produto possui objetivo de retorno de CDI + 5% a.a. líquido para o cotista.

Obviamente, o retorno é proporcional ao risco, portanto, a equipe da Root Capital busca entender a saúde financeira, a estrutura de capital e o modelo de negócios de cada empresa, para poder rentabilizar o capital cedido em maior nível em comparação à emprestar dinheiro para uma empresa bastante saudável.

Para tanto, a Gestora conta com um time experiente na gestão de crédito e com longo track record nos mais diversos ciclos econômicos, sendo que seus gestores têm sólida experiência na gestão corporativa e de recursos, com mais de 20 anos de atuação no mercado de crédito local e internacional.

Desde 2010, Rafael Fritsch (CIO) e Guilherme Legatti (líder da gestão high yield, distressed e real estate) se especializaram na gestão de ativos de crédito distressed (inadimplente), isto é, de dívidas de empresas que passam por dificuldades financeiras, com mais alta probabilidade de inadimplência ou falência. 

Fritsch acumula mais de 23 anos de experiência, foi VP no Bank of America, portfólio manager sênior no Deutsche Bank/Arrowgrass, CIO da JGP Crédito e CIO de crédito na Canvas Capital, tendo trabalhado junto com Legatti nestas últimas duas casas, nas quais colocaram em prática o modelo de gestão de crédito que desenvolveram em parceria.

Um dos grandes diferenciais da Root Capital está na ampla capacidade de originação de operações de crédito embasada na rede de relacionamentos dos sócios, que conta com interações frequentes com diretores de companhias e experts em diferentes setores do mercado. 

Outro destaque fica com a experiência prática dos sócios na execução de garantias, refletindo a minimização de perdas e geração de valor além do esperado. Além disso, cabe chamar a atenção para a boa qualidade do seu passivo, que conta com investidores estrangeiros que financiam operações importantes, fornecendo liquidez, diversificando a fonte de recursos em relação ao mercado local.

  • Classificação Anbima: Multimercado
  • Público-alvo: Investidores Qualificados
  • Aporte inicial mínimo: R$ 5.000,00
  • Prazo de resgate: D+180
  • CNPJ: 34.431.415/0001-31

Um fator importante que todo mundo que quer aplicar em Fundos de Investimentos deve ter atenção são as taxas cobradas. Nem todas são cobradas em todos os fundos, mas é importante conhecê-las. As principais taxas são:

Cada Fundo possui um índice de referência, conhecido como benchmark, e metas para superá-lo. Quando o Fundo de Investimento consegue cumprir essa meta pré-estabelecida, pode haver a cobrança da taxa de performance, que é uma porcentagem sobre o rendimento acima da meta.

A taxa de saída é a menos comum dentre as três, mas pode ser cobrada quando o investidor resgata parte do capital aplicado no Fundo. Normalmente, a cobrança só incide em caso de saída antes de um prazo mínimo, mas isso pode variar de Fundo para Fundo.

A taxa de administração é paga sobre o valor total investido e serve para remunerar os gestores do fundo pelo serviço prestado.

Uma boa notícia é que ao investir em qualquer fundo através da Toro Investimentos, você recebe parte da taxa de administração de volta, em dinheiro.

Esse é o cashback em Fundos da Toro. Nós abrimos mão de uma parte que iria para nosso bolso e devolvemos para você, direto na sua conta Toro e em dinheiro.

Quer saber como? É só realizar suas aplicações pela sua conta na Toro. Se você ainda não tem uma conta na Toro Investimentos, faça seu cadastro mesmo pois o processo é rápido, fácil e totalmente grátis.

Os melhores investimentos em Renda Fixa para 2024

No ano de 2023, tivemos o início do ciclo de corte de juros no Brasil, levando a Selic de 13,75% para 11,75% ao final do ano. Para 2024, a tendência é que tenhamos a continuidade dos cortes, podendo levar a Selic para níveis abaixo dos dois dígitos. 

Em 2024, podemos ter um cenário de redução do protagonismo da Renda Fixa, principalmente, no segundo semestre, quando possivelmente poderemos ter uma Selic em patamares ainda mais baixos.

Apesar do momento de corte de juros e inflação em trajetória de arrefecimento, o ano de 2024 apresenta elevado grau de incertezas. 

No cenário interno, as pautas fiscais ganham destaque, à medida que a meta de déficit primário zero para o ano de 2024 se torna um objetivo mais desafiador para o atual Governo. 

Já no cenário externo, as incertezas com relação à trajetória dos juros nos EUA e uma possível recessão ainda seguem como destaque. A expectativa é de que tenhamos um ciclo de redução de juros por lá iniciando no segundo trimestre de 2024, além de uma possibilidade de soft landing (pouso suave) da economia, evitando assim, uma possível recessão.

Onde investir em Renda Fixa em 2024?

Os investimentos de Renda Fixa têm a sua rentabilidade guiada pela taxa DI – ou “taxa do CDI” –, que, por sua vez, acompanha de perto a Selic, principal referência de juros na economia.

Dado o atual cenário inflacionário no Brasil, que se apresenta em trajetória de redução, a tendência é de que a taxa Selic continue sendo reduzida, tendo em vista que inflação em menores níveis possibilita juros em patamares mais reduzidos. 

Sendo assim, os Analistas de Investimentos da Toro recomendam buscar uma carteira de títulos de Renda Fixa bem diversificada em 2024.

Neste ano, a recomendação é que o investidor escolha, principalmente, investimentos prefixados, com vencimento até 5 anos e híbridos atrelados ao IPCA com vencimento mais longo. 

Lembrando que, apesar de ser mais segura, na Renda Fixa, também podem existir riscos, especialmente de rentabilidade real (descontando-se a inflação). 

Então, no caso dos títulos atrelados ao IPCA, o cenário ideal é procurar aplicações com prazos superiores a 2 anos para aproveitar o cenário histórico de inflação elevada no Brasil e aproveitar os juros reais ofertados que se encontram em patamares atrativos

Já para os títulos prefixados, a recomendação é buscar papéis com vencimentos em até 5 anos, no qual o objetivo é travar a rentabilidade em taxas elevadas por um maior período.

No caso dos ativos pós-fixados, a recomendação é que a alocação nesta classe seja focada principalmente em ativos de vencimento mais curto, até 2 anos. 

É também nesta classe de ativos, que o investidor vai alocar sua reserva de emergência, visto que, há um menor risco quando comparada aos prefixados e aos títulos atrelados ao IPCA.  

Além disso, em investimentos em Renda Fixa, o investidor também deve dominar as diferentes características de cada produto. Entenda a seguir:

Os títulos públicos são emitidos pelo Governo Federal. Já os títulos privados são emitidos por bancos (CDBs, LCIs e LCAs) e financeiras (Letras de Câmbio).

Os prefixados definem previamente quanto vão pagar até o vencimento do título. Os pós-fixados são geralmente atrelados a um percentual da Selic. Já os híbridos misturam os dois formatos: normalmente indexados ao IPCA mais uma taxa fixa.

Há opções com prazo de 1 a 30 anos. É importante se atentar para os prazos, especialmente no caso de títulos privados, já que não é possível sacar os valores antes do vencimento.

As principais taxas são de custódia e de administração. Mas na Toro você paga taxa Zero. Não cobramos nada para você investir com a gente.

Para a maioria dos títulos, o percentual varia de 15% a 22,5% e é menor para investimentos com prazos maiores. Já LCIs e LCAs são isentos de IR. Ainda pode incidir IOF, caso o dinheiro seja resgatado com menos de 30 dias.

O Fundo Garantidor de Crédito (FGC) é o mesmo fundo que garante os investimentos em poupança, assegurando a cobertura de R$250 mil por CPF ou CNPJ e conglomerado financeiro, limitado a R$1 milhão no prazo de 4 anos. 

Recomendamos sempre escolher produtos cobertos pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) para que o seu investimento esteja protegido.

O FGC é um órgão que assegura a todos os títulos cobertos por ele uma garantia de R$250 mil por CPF ou CNPJ e conglomerado financeiro, limitado a R$1 milhão no prazo de 4 anos. Isso quer dizer que se o banco que emitiu um título de Renda Fixa falir, mas houver a cobertura do FGC, o investidor pode ter seu dinheiro de volta conforme as condições definidas pelo Fundo Garantidor de Crédito.

No caso de títulos públicos, não há cobertura do FGC, então há o risco de calote por parte do governo.

É bom lembrar que a reserva de emergência, aquele dinheiro que você pode precisar em caso de alguma eventualidade, não deve ser utilizado para investimentos com baixa liquidez, isto é, que você não consegue resgatar imediatamente, pois eles não permitem saque antecipado.

Por fim, a melhor forma de saber exatamente qual é o melhor investimento hoje em Renda Fixa, é realizar uma simulação e descobrir qual o título está oferecendo a melhor rentabilidade neste momento. E, claro, você pode realizar essa pesquisa em poucos segundos e de graça aqui na Toro, basta clicar no link abaixo.

Onde investir em 2024 no exterior: melhores investimentos internacionais

Os investimentos no exterior ganham cada vez mais notoriedade, especialmente em um momento cujo cenário interno no Brasil embute grau de incertezas mais elevado pela esfera fiscal.

Os investidores buscam proteger e diversificar parte do seu patrimônio em relação ao risco-Brasil e conquistar maior rentabilidade.

Entre grandes assuntos que ainda rondam a economia mundial, podemos destacar:

  • A inflação ao redor do planeta (especialmente nos EUA e na Europa).
  • A guerra da Rússia contra a Ucrânia e seus desdobramentos para os mercados das principais commodities alimentícias, energéticas e metálicas.
  • As políticas monetárias e as decisões de juros nas maiores economias, como EUA, países europeus e China, com os efeitos da retirada de estímulos econômicos ao redor do mundo.
  • O risco de uma recessão global com potencial para ser um período mais prolongado e marcado por estagflação, cenário que mesclaria inflação alta com baixo crescimento econômico.
  • A escassez de semicondutores na indústria eletrônica.
  • O quanto as maiores economias conseguirão crescer no ano de 2024.

No cenário que se apresenta para 2024, especialmente com o cenário doméstico brasileiro apontando para risco fiscal mais elevado, aplicar em ativos no exterior é uma ótima escolha para quem quer proteger a carteira e diluir o risco diversificável.

Melhores Fundos para começar a investir no exterior

Os Fundos que os Analistas da Toro consideram oportunidades interessantes dadas as condições atuais de mercado são:

BV Dólar Cambial FIC FI

Na visão dos Analistas da Toro, a perspectiva de valorização do dólar no longo prazo supera quaisquer valorizações que o real possa apresentar em janelas temporais mais curtas. 

Embora o real possa se beneficiar em determinados períodos, em especial durante ciclos econômicos favoráveis a commodities, historicamente o dólar sempre sobe ao longo de anos e décadas. Isto ocorre por diversos motivos, entre os quais destacamos os seguintes:

  • Demanda global: o dólar é hoje a moeda mais negociada no mundo, um grande volume de bens e serviços são cotados em dólar, por exemplo, commodities como soja, milho, arroba do boi, ouro, prata, celulose, petróleo e minério de ferro.
  • Ambiente de negócios promissor: os EUA são destaque no ranking de países com maior grau de liberdade econômica. Portanto, a pujança da economia americana, aliada a um ecossistema mais livre e mais seguro para empreender, fomenta a atração de investimentos para os EUA e impulsiona o fortalecimento do dólar.
  • A inflação do real costuma ser maior do que a do dólar: isto significa que, na maior parte dos períodos, o real perde valor mais rápido do que o dólar no decorrer do tempo. Este descasamento de inflação entre o Brasil e os EUA já nos leva a concluir que o dólar irá subir no longo prazo.
  • O dólar inspira confiança: com mais de 200 anos de existência, a moeda americana é considerada como um “porto seguro” pelas pessoas ao redor do mundo. Logo, indivíduos, famílias e empresas preferem manter reservas em dólar do que em outras moedas mais fracas.
  • Hedge: é amplamente utilizado como hedge pelos investidores para proteger suas carteiras de investimentos em momentos de queda da Bolsa, impulsionando a valorização da moeda americana.

Dessa forma, com o objetivo de manter a diversificação e proteção do seu portfólio, recomendamos a exposição ao dólar através do investimento no BV Dólar Cambial. Este Fundo busca a valorização de modo a superar no longo prazo a variação do dólar oficial em relação ao real.

Historicamente, o desempenho das cotas do BV Dólar Cambial têm alta aderência ao movimento da PTAX (taxa referência para as operações de câmbio, real contra dólar). 

Isto significa que o Fundo consegue acompanhar de perto as variações do dólar, o que o torna um investimento bastante eficiente com o objetivo de proteção cambial na composição de um portfólio.

Além da diversificação obtida com o investimento neste Fundo cambial, destacamos também a facilidade de investir no mercado de câmbio sem precisar adquirir diretamente moedas.

  • Classificação Anbima: Cambial
  • Aporte inicial mínimo: R$ 100,00
  • Prazo de resgate: D+1
  • CNPJ: 03.319.016/0001-50

Toro Global FIC FIM

O Toro Global é a principal experiência internacional oferecida pela Toro Asset Management. Através deste único produto de investimentos, você poderá alocar parte do seu patrimônio no maior mercado financeiro do mundo e diversificar a sua carteira em dólares, aproveitando as recentes quedas da moeda norte-americana para compor o seu portfólio.

O Fundo foi pensado para te oferecer o acesso a uma estrutura de investimentos que antigamente era restrita apenas aos multimilionários, simplificando a gestão do seu patrimônio, a estrutura de taxas e de tributação. 

Além do mercado robusto, repleto de liquidez e possibilidades de investimentos, os retornos nas últimas décadas também despertam os olhares dos investidores. Para se ter uma ideia, somente na última década  o S&P 500 rendeu aproximadamente 170%, um retorno composto de 10,4% ao ano.

Ainda assim, não é somente de ações que se constrói uma carteira de investimentos ideal. Afinal, a volatilidade e os riscos de concentração podem afetar grande parte do desempenho dos investidores. 

Por isso, nas últimas décadas, diversos modelos de alocação de ativos foram testados em busca de construir a carteira de investimentos mais otimizada, equilibrando os riscos e retornos. Entre os portfólios vencedores, a teoria conhecida como “60/40” predominou nos EUA.

Em resumo, esta teoria aborda que uma alocação concentrada 60% em ativos de Renda Variável, como as ações, e 40% em títulos de Renda Fixa seriam ideais para a construção de uma carteira. Os resultados não deixam dúvidas: o portfólio 60/40 apresentou ótimos retornos históricos e reduziu os riscos das carteiras dos investidores.

Entre as vantagens de investir no mercado americano através do Toro Global FIC FIM, podemos destacar:

  1. Diversificação e proteção do portfólio com exposição a investimentos na maior economia do mundo.
  2. Alocação balanceada: carteira montada com base no portfólio que trouxe um dos melhores retornos nas últimas décadas, com 60% em Renda Variável e 40% em Renda Fixa.
  3. Inteligência de gestão ativa para aproveitar oportunidades no mercado.
  4. Praticidade: não há necessidade de envio de recursos ao exterior,  ficando o investidor isento de IOF e do custo de spread no câmbio de moedas.
  5. Facilidade com a declaração de Imposto de Renda feita tal como os demais investimentos realizados no Brasil.
  6. Acessibilidade: disponível para investidores em geral, com fácil acesso a uma estrutura de investimentos encontrada em Fundos exclusivos de pessoas de altíssima renda.
  7. Custo: baixo em relação às estratégias alternativas de investimentos nos EUA.
  • Classificação Anbima: Multimercados Livre
  • Aporte inicial mínimo: R$ 1.000,00
  • Prazo de resgate: D+17
  • CNPJ: 17.453.850/0001-48

Melhores BDRs para investir em 2024

Outra possibilidade de diversificar a carteira no exterior e escolher as melhores empresas de acordo com o seu perfil é o investimento por meio dos BDRs. Os BDRs são recibos de ações negociadas lá fora que podem ser comprados como qualquer ação da B3, usando sua corretora brasileira.

Ou seja, é possível investir em ações de grandes empresas estrangeiras, como Microsoft, Google e Netflix, sem precisar abrir uma conta no exterior.

Esse é um dos produtos que mais se popularizou entre os investidores locais. Após as mudanças das regras pela B3 que favoreceram a entrada de pessoas físicas com menor capital.

Entre os melhores BDRs para investir em 2024, nosso time de Análise destaca as seguintes empresas:

JPMorgan (JPMC34)

Com mais de 200 anos de história, o JPMorgan Chase é um banco múltiplo norte americano, com presença global. Através de suas marcas JP Morgan (atacado) e Chase (varejo), o Banco possui atuação em diversos segmentos, entre eles: banco comercial, investment banking, asset management, wealth management etc.

O JPMorgan Chase é uma das maiores instituições financeiras do planeta, possuindo trilhões de dólares em ativos.

Apesar do momento mais desafiador para o segmento de Investment Banking, o Banco vem apresentando capacidade de obter mais receitas com juros, aproveitando o ambiente de taxas elevadas.

A instituição possui um balanço sólido e uma ampla variedade de mercados de atuação, além de realizar alocação de capital eficiente em aquisições estratégicas para crescimento saudável de longo prazo.

Microsoft (MSFT34)

A Microsoft Corporation se destaca como um grande player no mercado, além de ser a maior produtora de softwares do mundo por faturamento e uma das empresas mais valiosas do planeta.

A companhia possui uma vasta gama de produtos, entre os quais estão os sistemas operacionais Windows, o pacote  Office, navegadores Internet Explorer/Edge, videogames Xbox, entre outros.

A Microsoft é emblemática. Líder no mercado de sistemas operacionais, a empresa ainda possui diversas outras linhas de receita. 

Sendo referência no setor, a gigante possui uma grande força de precificação e repasse de inflação em seus produtos como os sistemas operacionais e Office.

Apesar do seu tamanho, a Microsoft segue crescendo rapidamente e investindo em inovações e aquisições, como a da Activision, que dá à companhia mais representatividade dentro do setor de games e da OpenAI, o que posiciona a Microsoft na vanguarda da inteligência artificial.

Além disso, as soluções de computação em nuvem da empresa estão ganhando mercado e ficando cada vez mais relevantes para a receita total da companhia. Nossos Analistas entendem que este segmento de atuação possui potencial de crescimento para os próximos anos.

Berkshire Hathaway (BERK34)

Berkshire Hathaway, liderada pelo renomado investidor Warren Buffett, é uma holding com um diversificado portfólio de negócios e investimentos. 

Conhecida por sua filosofia de investimento de longuíssimo prazo e escolhas estratégicas, a empresa tem participações significativas em várias grandes corporações.

A Berkshire Hathaway é sinônimo de estabilidade e gestão prudente, características que lhe conferem posição de destaque no mercado financeiro. 

Sua abordagem de investimento, focada em empresas com vantagens competitivas sustentáveis e gestão de qualidade, tem sido um modelo para investidores em todo o mundo. Esta abordagem disciplinada contribui para a resiliência da companhia em diferentes ciclos econômicos.

O time de Análise da Toro entende que a Berkshire tem um histórico exemplar de alocação de capital e de retorno, com foco no longo prazo.

Amazon (AMZO34)

A Amazon.com, Inc. é uma multinacional de tecnologia estadunidense, focada no e-commerce, além de ter atuação em computação em nuvem, streaming e inteligência artificial.

Dentre seus produtos, além do marketplace,  há marcas como Prime Video, Amazon Music, Twitch, Audible, Kindle, Prime Gaming, AWS, entre outros.

Inserida em um ambiente de transformação digital, a Amazon cresceu como uma empresa de e-commerce. O crescimento no comércio eletrônico, beneficiado pela tendência secular que vemos nesse segmento, foi exemplar e muito bem executado, mas hoje a
empresa não é apenas e-commerce.

A gigante cresceu em diversos outros serviços ao longo dos últimos anos. Dentre os produtos da companhia, destacamos, por exemplo, a Amazon Prime (concorre com o Netflix, Disney+ etc.) que vem crescendo em um setor que está se transformando. Uma das grandes expectativas para o crescimento de longo prazo está no AWS (Amazon Web Services), que consiste nos serviços de computação em nuvem oferecidos pela Amazon.

A empresa continua a inovar em outras áreas tecnológicas, como a inteligência artificial com a Alexa, seus dispositivos Echo, e o desenvolvimento de tecnologia de condução autônoma. Estes investimentos em tecnologia e inovação sublinham o compromisso da Amazon em manter-se na vanguarda do setor.

Mercado Libre (MELI34)

O MercadoLibre é uma potência no mercado de comércio eletrônico da região latino-americana. A empresa não só facilita a compra e venda de uma grande variedade de produtos através de seu marketplace, mas também lidera iniciativas inovadoras em serviços de pagamento digital e soluções de logística.

O Mercado Pago, braço de pagamentos digitais da MercadoLibre, se estabeleceu como um dos principais serviços de fintech na América Latina. 

Além disso, a empresa tem investido significativamente em sua própria rede logística, o Mercado Envios, otimizando o processo de entrega e melhorando a experiência do cliente. 

Esta infraestrutura logística não só suporta o crescimento do e-commerce, mas também representa uma vantagem competitiva significativa na região.

O MercadoLibre também tem explorado o setor de publicidade e outras soluções de e-commerce, diversificando suas fontes de receita e fortalecendo sua posição no mercado. Com uma estratégia de crescimento focada e adaptada à realidade da América Latina, a companhia tem potencial para continuar ganhando market share na região.

iShares Gold Trust (BIAU39)

O ouro é considerado como um “porto seguro” na economia global: em períodos de grandes incertezas, durante crises, com alta volatilidade nos preços dos ativos e diante de inflação alta, a demanda por ouro costuma aumentar

Os agentes do mercado buscam utilizá-lo como reserva de valor e proteção patrimonial, principalmente, de forma a salvar os seus recursos das fortes quedas nos preços de ativos reais e da corrosão inflacionária. 

Dessa forma, a exposição a ouro costuma integrar as estratégias dos investidores como um componente de diversificação e proteção de portfólio.

Um dos exemplos mais recentes ocorreu em 2020, em que, diante dos choques causados pela pandemia de coronavírus nos diversos mercados, o ouro subiu 56%, atingindo o patamar recorde de US$2 mil a onça.

A recomendação da Toro para você investir em ouro de forma fácil, segura e acessível é através da alocação em um BDR de ETF negociado na Bolsa brasileira com o código BIAU39 – que nada mais é do que um BDR que representa o investimento no iShares Gold Trust (IAU), um ETF negociado nos EUA cujo objetivo é seguir o preço do ouro no mercado, ao acompanhar a variação do índice LBMA Gold Price. 

Trata-se de um dos ETFs de ouro mais negociados no mundo.

Por sua vez, o LBMA Gold Price é um índice global da ICE, utilizado como preço de referência do ouro à vista em dólares

Esse preço, divulgado duas vezes ao dia, é formado pela negociação feita através de leilão eletrônico de ouro custodiado em Londres. Os leilões acontecem de 10:30 até 15:00 (horário de Londres).

  • Investimento mínimo: preço de uma cota
  • Prazo de liquidação: D+2 dias úteis

Previdência Privada em 2024: como investir?

A Previdência Privada é a ponte para a realização de diversos sonhos, que podem ir muito além do complemento da sua aposentadoria.

Já sabemos que a previdência social não é suficiente para garantir bem-estar aos aposentados. Afinal, há cada vez mais aposentados vivendo por mais tempo, e cada vez menos trabalhadores ativos para sustentar o sistema de pagamentos do INSS.

Ao mesmo tempo, ao atingir essa fase da vida, as pessoas têm buscado viajar, aproveitar o tempo com a família e aprender novos hobbies, o que demanda mais recursos. Portanto, é preciso se preparar financeiramente para isso.

A Previdência Privada pode ajudar na realização de vários desejos dos aposentados e também contribuir para que você alcance diversos objetivos de curto e médio prazos, já que ela é uma alternativa interessante para acumular dinheiro e rentabilizar as suas economias.

Que tal se organizar para comprar aquele carro à vista, investir para adquirir uma casa sem contrair dívidas, planejar uma viagem com a família ou com amigos, ou ainda poupar para fazer um intercâmbio, se casar e até mesmo para a faculdade dos filhos?

Tudo isso é possível ao investir na Previdência Privada. Então, para ajudar você, nossos Analistas selecionaram os melhores Fundos para compor o seu Plano de Previdência. Veja cada um deles a seguir.

ARX Denali Zurich Prev FIC FIRF CP

O ARX Denali Zurich Previdência é a versão previdenciária do Fundo ARX Denali, cuja estratégia é focada em crédito privado. O seu objetivo é superar o CDI através de uma alocação diversificada em ativos de Renda Fixa.

A gestão busca alocar a maior parte da carteira em ativos de baixo risco de crédito, prioritariamente títulos com rating superior ou igual a AA-.

Entre os títulos corporativos, podem haver debêntures e notas promissórias, enquanto na parte de créditos bancários é comum ter Letras Financeiras, CDBs e Depósito a Prazo com Garantia Especial (DPGE), além de uma alocação em produtos estruturados (FIDCs) de risco relativamente baixo. O restante do patrimônio gerido costuma estar alocado em títulos públicos federais, com o intuito manter uma posição confortável de liquidez.

A ARX é uma das maiores gestoras brasileiras. Tendo sido fundada em 2001, ela faz parte do grupo internacional BNY Mellon desde 2008. Dessa forma, a ARX possui visão sobre o mercado global, com um diferencial de compreender bem o cenário brasileiro. 

A Gestora possui uma ampla experiência. Inclusive, em decorrência da sua data de fundação, a ARX já vivenciou a gestão de recursos em diferentes cenários de mercado.

  • Perfil: Conservador
  • Aporte inicial mínimo: R$ 1.000,00
  • Contribuição mensal mínima: R$ 200,00
  • CNPJ: 34.461.856/0001-86

SulAmérica ARX K2 Inflação Curta

O SulAmérica ARX K2 Zurich Inflação Curta combina a gestão ativa de Renda Fixa e de crédito privado, sem limitações, por meio de produtos atrelados ao IPCA, ao CDI ou via derivativos.

A grande vantagem deste produto é o fato de ter como objetivo superar o IMA-B 5 (índice composto por títulos públicos federais de curta duração, de até 5 anos). Portanto, isso faz com que o retorno esperado do Fundo seja superior à inflação, proporcionando a proteção do poder de compra do dinheiro do investidor e trazendo ganhos reais ao longo do tempo.

A estratégia do ARX K2 visa a alocação em títulos de Renda Fixa e em cotas de Fundos de Renda Fixa ou direitos creditórios com elevada qualidade de crédito, por meio de um portfólio diversificado tanto em termos dos emissores quanto na exposição aos setores econômicos. 

Desta forma, a gestão mantém a volatilidade em patamares saudáveis para um fundo com este perfil, além de entregar bom retorno a longo prazo.

  • Perfil: Moderado a Arrojado
  • Aporte inicial mínimo: R$ 5.000,00
  • Contribuição mensal mínima: R$ 500,00
  • CNPJ: 33.701.805/0001-11

JGP SulAmérica FIC FIM CP

JGP SulAmérica é um multimercado previdenciário de perfil agressivo. O Fundo é ideal para quem aceita se expor a um nível de risco mais elevado em busca de retornos maiores do que o CDI, contudo, mantendo-se ainda a cautela por meio de um bom gerenciamento de risco, com foco na preservação de capital ao longo do tempo.

Para isto, a gestão  investe o patrimônio do Fundo em estratégias diversificadas nos mercados domésticos de Renda Fixa, Renda Variável e cambial e, em menor proporção, no exterior. O portfólio é composto prioritariamente por investimentos de longa duração, mas pode ter operações táticas e mais oportunistas.

A JGP se inspirou no modelo de hedge funds dos EUA, onde todos os esforços de gestão são concentrados em uma única estratégia, com foco em retornos absolutos e com política de investimento abrangente o suficiente para permitir que sua equipe de gestão possa explorar oportunidades nos mercados de Renda Fixa, Renda Variável, moedas, commodities e derivativos.

JGP é uma gestora fundada em 1998 por ex-sócios do Banco Pactual, entre eles André Jakurski, que trabalham juntos há mais de 25 anos, já tendo enfrentado diversas crises financeiras e planos econômicos no Brasil e no exterior, sempre entregando resultados de forma adequada e consistente.

A gestora busca entregar retornos diferenciados e preservar o capital, através de rigorosas análises fundamentalistas macro e microeconômicas, combinadas a uma gestão ativa, que preza por gerir os seus próprios recursos bem como os de seus clientes da mesma maneira.

  • Perfil: Moderado a Arrojado
  • Aporte inicial mínimo: R$ 5.000,00
  • Contribuição mensal mínima: R$ 500,00
  • CNPJ: 22.759.978/0001-74

Tork Icatu Prev FICFI Ações FIE I

O Tork Icatu Prev FIC FI de Ações FIE I é a versão de previdência da estratégia Long Only da Tork Capital, que busca retornos reais (acima da inflação), superando o IPCA acrescido do yield do IMA-B 5+.

A carteira do Fundo costuma ser predominantemente comprada em ações, sendo que a equipe de gestão da Tork tem preferência por compounders, ou seja, aquelas empresas com grandes vantagens competitivas, modelo de negócios rentável, significativas oportunidades de crescimento, geridas por executivos alinhados e com histórico de execução comprovado.

Além disso, o time foca em encontrar empresas que, apesar de possuírem um histórico inconsistente, estejam passando por turning points (momentos transformacionais), com grande potencial de melhoria na lucratividade do negócio, lideradas por executivos com histórico de sucesso e altamente alinhados, evitando situações de alto risco com value traps (armadilhas).

Tork Capital é uma gestora independente de recursos focada em investimentos em ações, fundada em 2018, no Rio de Janeiro. Apesar do período de fundação relativamente curto, a equipe de profissionais da Tork tem vasta experiência na gestão de recursos de terceiros, com histórico de atuação em empresas de excelente reputação na indústria de Fundos de Investimentos e referência em value investing.

Marcelo Magalhães, fundador da Tork, acumula passagens pela IP Capital, M Square (atual Velt) e JGP, na qual, em seus sete anos de gestão, liderou o JGP Explorer, Fundo cujo desempenho é reconhecido como um dos melhores entre os pares.

  • Perfil: Arrojado
  • Aporte inicial mínimo: R$ 5.000,00
  • Contribuição mensal mínima: R$ 1.000,00
  • CNPJ: 36.352.410/0001-49

Investir no dólar: a moeda é o melhor investimento em 2024?

Uma das principais variáveis econômicas impactadas pela pandemia de Covid-19 foi a taxa de câmbio. O preço nominal do dólar saiu de R$4,00 no final de 2019 e chegou muito perto dos R$6,00 no pior momento da crise em 2020.

Desde então, a moeda mostra dificuldade de cair expressivamente, dado o cenário de incerteza global, o que reforça a moeda americana como um “porto seguro”.

A disparada foi uma combinação da queda da taxa de juros, do aumento da fragilidade fiscal, da crise econômica e do aumento do risco global, o que levou investidores a tirarem dinheiro do Brasil para aplicar em outros países considerados mais seguros e/ou estáveis.

Apesar de o mercado estar confiante de que os Fed Funds serão mantidos entre 5,25% e 5,50% na decisão de 1º de novembro, a expressão “mais altos por mais tempo” tem ganhado força ao longo do mês. 

Em outras palavras, acredita-se que as taxas de juros permanecerão em níveis elevados por um período maior do que o inicialmente projetado. Isso tem exercido pressão sobre os títulos de prazo mais longo, como os com vencimentos em 10 e 30 anos, que registraram taxas de negociação acima de 5,0%, algo que não era visto desde 2007.

No final de 2023, com base nos dados apresentados, podemos observar sinais de uma economia forte nos Estados Unidos, juntamente com um mercado de trabalho vibrante, enquanto a inflação continua alta, o que gera incertezas, demanda atenção e oferece espaço para o Fed manter sua postura firme na condução da política monetária.

Nesse contexto, a Toro mantém a previsão de que os juros americanos fiquem entre 5,25% e 5,50% até o final de 2023, um nível que deve ajudar a controlar a inflação, sem prejudicar a economia com uma queda brusca, desde que não se mantenha elevada por um longo período de tempo.

É importante ressaltar que taxas de juros mais altas nos Estados Unidos exercem pressão cambial sobre o real, pois atraem investimentos para o dólar.

No Brasil, pesará o duelo entre a entrada de recursos estrangeiros com o aumento da taxa de juros versus a elevação do risco-Brasil, em virtude da incerteza fiscal do país e o avanço das demais reformas (como a administrativa e a tributária, por exemplo).

Isso pode acontecer porque, nesse cenário, o Brasil se torna mais atrativo para o investimento externo frente aos juros zerados na maioria dos países ricos.

Para quem deseja ter uma exposição de parte dos investimentos em dólares acreditando que ele estará entre os melhores investimentos de 2024, há quatro maneiras principais para fazer isso:

A primeira possibilidade são os BDRs de que falamos anteriormente. Nelas, você investe em ações negociadas no exterior e cotadas em dólar, de forma que seu valor em reais sobe junto com a alta da moeda.

A segunda é através de ETFs , que são fundos negociados em Bolsa. Ao comprar o IVVB11, por exemplo, você investe em todas as empresas que compõem o S&P500, o principal índice de ações da Bolsa dos Estados Unidos.

Na prática, é como se você adquirisse dezenas de BDRs ao mesmo tempo, mas a um preço muito mais acessível.

Os Fundos Cambiais, como mostramos no capítulo sobre este tema, são produtos em que você delega a gestão do seu capital para um gestor profissional que buscará as melhores oportunidades no mercado de moedas. Além disso, na Toro Investimentos, você investe em Fundos e recebe de volta (e em dinheiro) parte da taxa de administração paga à gestora do Fundo.

Por fim, os contratos futuros de dólar são muito próximos de comprar diretamente a própria moeda, mas sem as taxas e burocracias de uma casa de câmbio. Com isso, é possível se aproveitar de movimentos de alta ou baixa da moeda e ganhar com eles de forma simples e rápida.

Retrospectiva de 2023: um ano para entrar na história

O ano de 2023 começou com a expectativa de uma desaceleração da economia global, devido ao aumento dos juros nos EUA e em outras economias desenvolvidas, como forma de combater a inflação.

No Brasil, o cenário também era de incerteza, após as eleições polarizadas em 2022 e um cenário igualmente restritivo na política monetária.

Os principais destaques foram:

Política monetária contracionista

A elevada taxa de juros ainda é um fator limitador no crescimento do PIB e dos investimentos das empresas. A taxa Selic iniciou 2023 em 13,75%, o maior patamar desde 2017, e terminou a 11,75% ao ano. Para 2024, os juros devem permanecer elevados, apesar dos cortes previstos para o decorrer do ano.

Nos EUA, os juros chegaram ao maior patamar em 22 anos, após o Fed decidir pela faixa entre 5,25% e 5,50% ao ano. Foram 11 elevações de juros em um ano e meio e, já no final de 2023, deixou a taxa inalterada por 2 reuniões seguidas, mas não descartou novos aumentos. 

O consenso entre economistas e banqueiros centrais é que as taxas de juro permanecerão  mais elevadas durante mais tempo , ou até que a inflação se aproxime da meta de 2% do Fed.

Para encerrar o assunto, na Europa, o Banco Central Europeu (BCE), após tirar os juros do patamar negativo em 2022, elevou sua principal taxa de referência para 4% em setembro do ano passado, valor sem precedentes neste século. 

Por lá, foram 10 aumentos de juros consecutivos desde julho de 2022. O objetivo também é perseguir a meta de inflação e, no caso do velho continente, há o agravante de ser uma região mais afetada pelos conflitos.

Conflitos

Os conflitos entre Rússia e Ucrânia, assim como Israel e Hamas, têm implicações significativas na economia global e nos preços das commodities em 2023. 

A tensão geopolítica entre Rússia e Ucrânia afeta especialmente o mercado de energia, uma vez que a Rússia é um grande exportador de gás natural e petróleo. A incerteza nessa região contribui para a volatilidade nos preços dessas commodities, impactando não apenas as economias locais, mas reverberando em escala mundial. 

No caso de Israel e Hamas, os conflitos na região do Oriente Médio têm potencial para influenciar os preços do petróleo, considerando a importância estratégica da região na produção e distribuição global de energia. 

O ambiente geopolítico tenso cria um cenário em que investidores monitoram de perto os desenvolvimentos, pois as mudanças nos mercados dessas commodities podem ter ramificações econômicas abrangentes.

Crise imobiliária e menor crescimento chinês

A crise imobiliária na China e o menor crescimento econômico continuam a suscitar preocupações nos mercados globais. 
A desaceleração do setor imobiliário chinês, que é um componente crucial da economia do país, levanta apreensões sobre potenciais impactos negativos no mercado financeiro mundial

A redução do crescimento econômico chinês também gera inquietação, pois a China desempenha um papel significativo na demanda global por commodities e na cadeia de abastecimento internacional. 

Os investidores estão atentos às medidas adotadas pelas autoridades chinesas para enfrentar esses desafios, buscando entender as implicações para os mercados financeiros, o comércio internacional e a estabilidade econômica global.

Demais fatos do ano

Além desses grandes assuntos, outros temas ficaram no radar do mercado internacional, tais como:

  • Crise bancária nos EUA com a falência de bancos como o Silicon Valley Bank e Signature Bank.
  • Novas variantes da Covid-19 ainda impactam sobretudo a China.
  • Disrupções nas cadeias de suprimentos e abastecimento mundial.
  • Conflitos e tensões geopolíticas envolvendo fábricas de semicondutores.
  • Possibilidade de recessão em grandes economias dada a política monetária restritiva.
  • Disrupção e oportunidades abertas pela Inteligência Artificial. 
  • Opep+ adota postura de restringir o preço do petróleo. 
  • Novos pacotes para evitar colapso nas contas públicas nos EUA.
  • Avanço de reformas e novo arcabouço fiscal no Brasil.

Perspectivas

As perspectivas para a economia brasileira e mundial em 2024 são incertas. O cenário ainda é de perspectiva de uma desaceleração da economia global e da continuidade da inflação elevada.

No Brasil, a expectativa é de que a economia continue a crescer no próximo ano, mas em um ritmo mais lento. A inflação também deve continuar em alta, mas em um ritmo mais moderado.

O mercado financeiro também deve continuar volátil no ano, refletindo as incertezas sobre a economia global.

Depois de ler tudo que apresentamos aqui sobre os melhores investimentos de 2024, chegou a hora começar a investir e acelerar seus resultados este ano. Conte com a Toro e todo o nosso time de experts do mercado para te ajudar nesta jornada rumo ao sucesso.

Bons investimentos para você!

Lucas Carvalho 

Chefe de Análise de Investimentos da Toro com certificações CNPI-Pleno, CFG, CGA e CGE. Tem experiência na área financeira e mercado de capitais, com foco em análises de longo prazo, valuation e cenário econômico. É formado em Economia pela PUC Minas, pós-graduado em Gestão de Negócios e possui MBA em Finanças pelo IBMEC.

Deixe um comentário

Gostou do artigo? Deixe um comentário sobre o que achou do conteúdo!