Considerada uma das principais aplicações em renda fixa do Brasil, o Tesouro Direto é conhecido por ser uma opção segura e que garante boas rentabilidades para quem investe.

Mas mesmo com essas garantias, quem tem interesse nessa modalidade precisa estar ciente de todos os detalhes sobre o investimento no Tesouro Direto.

Saber quais os custos, taxas e impostos  sobre cada investimento é um dos fatores a serem avaliados antes de adquirir um título.

Dependendo desses valores, uma aplicação pode perder parte de sua rentabilidade e deixar de ser interessante. Já imaginou todo o seu lucro sendo consumido por esses valores? 

Você sabe quais são as taxas do Tesouro Direto? Como é a tributação do investimento em títulos públicos? Existe alguma forma de evitar esses custos e não prejudicar os rendimentos do papel? Para saber isso e muito mais, continue a lendo.

Aprenda sobre as taxas do Tesouro Direto

Como todo investimento, o Tesouro Direto também tem uma série de custos — que podem ocorrer antes, durante e depois do investimento ser realizado.

São duas as taxas cobradas pelo investimento no Tesouro Direto — uma pela instituição financeira por onde o título foi adquirido, ou seja, o banco ou corretora de valores, e uma pela BM&FBovespa. Confira a seguir os detalhes de cada uma delas:


Taxa de administração da instituição financeira

Também conhecida como taxa do agente de custódia, a taxa de administração é um percentual cobrado pela corretora sobre o valor do título que foi comprado. Essa taxa é destinada para custear atividades ligadas à venda dos títulos públicos como: cadastro dos investidores, intermediação da negociação dos títulos e transferência de valores.

  • Como ocorre a cobrança da taxa de administração?
    A cobrança é anual. No primeiro ano, ela é feita antecipadamente no dia em que o título é comprado.Nos anos seguintes, o valor é dividido e cobrado em duas datas: metade no primeiro dia útil de janeiro e metade no primeiro dia útil de julho.
  • A taxa de administração é obrigatória?
    A taxa de agente de custódia possui caráter flexível, ou seja, varia de instituição para instituição. Esse valor pode chegar a até 2% ao ano. Porém, é importante lembrar que a taxa também não é obrigatória. Com isso, várias corretoras isentam seus clientes dessa cobrança.

Para facilitar a comparação, o próprio Tesouro Direto divulga em seu site um ranking com as taxas cobradas por cada instituição. Não deixe de conferí-lo.

Taxa zero de verdade: saiba como a Toro está mudando o mercado. Veja agora

Taxas de custódia da BM&FBovespa

A BM&FBovespa, agora chamada de B3, é o lugar onde são negociados os títulos do Tesouro Direto. Ela também cobra uma taxa para guardar, proteger e movimentar os papéis comprados por quem investe. Essa cobrança é conhecida como taxa de custódia.

Essa taxa é obrigatória para todos os títulos emitidos pelo Tesouro Direto. É cobrado 0,30% ao ano sobre o valor dos seus títulos.

Como ocorre a cobrança da taxa de custódia?
A taxa de custódia é calculada todos os dias, com base no saldo diário de títulos das pessoas que investem.Ou seja, a taxa de 0,30% ao ano é transformada em uma taxa diária muito pequena, equivalente ao valor da custódia de cada dia desde que os títulos foram comprados.

A cobrança também é semestral: metade do valor é pago no primeiro dia útil de janeiro e a outra metade do primeiro dia útil de julho.

Porém, a cobrança pode ser antecipada na ocorrência dos seguintes eventos:

  • Pagamento de juros em títulos com juros semestrais.
  • Vencimento do título.
  • Resgate antecipado do título.

Existe algum tipo de isenção da taxa de custódia?
A taxa de custódia só é cobrada até o saldo limite de R$1.500.000,00 em títulos públicos, por pessoa que investe e em cada instituição financeira.

Tributação do investimento em Tesouro Direto

Os títulos Tesouro Direto estão sujeitos à mesma tributação dos investimentos de renda fixa. Dessa forma, incidem sobre os rendimentos do título tanto o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) quanto o Imposto de Renda (IR). Veja só como cada um funciona nesta modalidade.

Como o IOF é cobrado no Tesouro Direto?

O IOF só é cobrado nos investimentos com prazo inferior a 30 dias. A tributação é regressiva, com as alíquotas diminuindo de acordo o tempo que o título for mantido.

A taxa começa em 96% para um dia de investimento até 3% para aplicações que durem 29 dias.

Ou seja, quanto maior o tempo de aplicação, menor será a cobrança sobre os rendimentos obtidos. O objetivo dessa tributação do IOF fazer com que o comprador não venda seu título com menos de 1 mês, desestimulando o investimento em curtíssimo prazo. 

Como o Imposto de Renda é cobrado no Tesouro Direto?

O Imposto de Renda também incide sobre os rendimentos obtidos com o Tesouro Direto de forma regressiva. Isto é, quanto maior o tempo de investimento, menor o valor cobrado.

As alíquotas são aplicadas da seguinte forma:

  • Investimentos até 180 dias: 22,5%.
  • Investimentos entre 181 e 360 dias: 20%.
  • Investimentos entre 361 a 720 dias: 17,5%.
  • Investimentos acima de 720 dias: 15%.

Essa lógica também tem o objetivo de incentivar o investimento em longo prazo — estimulando os compradores a manterem suas aplicações por mais tempo e em títulos com vencimento mais longo.

A cobrança do IR ocorrerá na venda do título, no pagamento de juros semestrais ou em seu vencimento.

No primeiro caso, o imposto é cobrado sobre lucro obtido com a venda. Nos outros dois, a tributação é feita sobre os juros pagos a quem investe. Vale lembrar que, para investimentos com menos de um mês, a alíquota do Imposto de Renda só é aplicada após ser descontado o pagamento do IOF.

Saiba como investir no Tesouro Direto

Independentemente das taxas cobradas e do título escolhido, é muito importante entender como funciona, na prática, o investimento em títulos do Tesouro Direto. Assista ao vídeo abaixo e veja como é simples investir no Tesouro:

Agora, confira como investir no Tesouro Direto no passo a passo completo abaixo:

1. Abra conta em uma corretora

Para adquirir um título do Tesouro, basta ter uma conta aberta em uma corretora de valores. Escolha uma instituição financeira da sua preferência para intermediar seus investimentos no Tesouro Direto.

Lembre-se que essa escolha deve ser feita com cuidado, considerando diferentes fatores. Afinal, será por meio dela que você comprará, venderá seus títulos, receberá de volta tudo que eles renderem e pedirá ajuda caso tenha alguma dúvida.

Invista nos melhores investimentos da Renda Fixa com um clique. Veja agora

2. Cadastre-se no Tesouro Direto

Após a abertura da conta, sua corretora solicitará seu acesso ao programa do Tesouro Direto. Com o login liberado, você já vai poder investir.

3. Enviar os valores para sua conta

Antes de investir no Tesouro, você precisa enviar seu dinheiro para sua conta na corretora. Várias corretoras oferecem formas simplificadas de depósito, como TED, DOC e transferência bancária direto da sua conta no banco.

4. Escolha o título da sua preferência

Existe uma variedade de títulos diferentes à disposição no Tesouro Direto, com juros, prazos, e condições de pagamento diferentes.

Antes de investir no Tesouro Direto, é interessante que você conheça as características de cada título, para escolher o que mais se encaixa na sua estratégia de investimento. Quer ver quais são as opções certas para esse momento? 

Conheça os melhores investimentos do mercado. Simule e compare

Conheça os títulos do Tesouro Direto

Para te ajudar na tarefa de escolher o título que mais se adequa aos seus interesses, vamos te explicar que o rendimento dos títulos do Tesouro estão divididos em 3 grupos:

Títulos Prefixados

Títulos com a taxa de juros já determinada, em que você já sabe exatamente quanto ganhará no momento do resgate, são chamados de Títulos prefixados.

Para quem quer mais segurança e rentabilidade garantida, é recomendado que o investimento seja feito para períodos com tendência de baixa na taxa de juros da economia (Selic).

Principais títulos: Tesouro Prefixado (LTN) e Tesouro Prefixado com Juros Semestrais (NTN-F).

Tesouro Selic

Nesse caso, os títulos são pós-fixados. O seu rendimento é indexado e acompanha a taxa básica de juros da economia (Selic).

Esse investimento é bom para quem quer aplicar com liquidez e quem quer aproveitar uma possível alta da Selic.

Principal título: Tesouro Selic (LFT).

Tesouro IPCA

Título indexado à inflação. Sua rentabilidade é composta por uma taxa predefinida mais a variação do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Bom para quem quer obter uma boa rentabilidade e quer proteger seu dinheiro da inflação no longo prazo.

Principais títulos: Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (NTN-B) e Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal).

Como você viu, apesar dos seus custos, investir no Tesouro Direto continua sendo um das opções mais baratas e acessíveis de investimento no Brasil.

Mas para manter uma boa estratégia, é preciso também diversificar a carteira com outros investimentos em renda fixa. Diversificar sua carteira além dos títulos do Tesouro Direto pode ser uma excelente ideia para conseguir boas rentabilidades e se proteger dos riscos do mercado.

Monte grátis sua carteira de investimentos. Teste grátis