Há muitas oportunidades na Bolsa de Valores. Parte delas, no entanto, passam despercebidas por muitos investidores. São ativos sem muita exposição, mas que têm um grande potencial de crescimento. É o caso das Small Caps, ações com menor capitalização na Bolsa, que podem apresentar boas perspectivas, em alguns casos melhores que as chamadas Blue Chips.

De acordo com dados da B3, quem investiu em ações da Petrobras (PETR4), em abril de 2013, alcançou uma rentabilidade de 17%. Já quem buscou ações da Alpargatas (ALPA4), no mesmo período, viu os preços subirem 30%.

Claro que as análises não devem ser tão simplistas e, como você já sabe, não há garantia de que essa rentabilidade passada vá se repetir no futuro. Antes de sair comprando ações Small Caps sem planejamento, é preciso saber o que significa essa palavra e quais cuidados precisam ser tomados. Confira no nosso artigo:

  • O que é Small Caps.
  • As ações Small Caps da Bolsa brasileira.
  • Como investir nesse tipo de ação.
  • O que é Índice SMLL.

Saiba o que é Small Caps

Small Caps são ações de empresas com pequena capitalização. Ou seja, têm menor valor de mercado, entre US$300 milhões e US$2 bilhões. A negociação desses papéis, portanto, é menor do que as companhias de maior valor, como Petrobras, Vale, Itaú Unibanco e tantas outras que movimentam bilhões de reais por dia.

As Small Caps, por outro lado, podem ficar tempos sem serem negociadas.

O fato desses ativos ficarem muitas vezes esquecidos abre oportunidades, mas também indica riscos. Vamos começar pelas oportunidades: se as perspectivas para aquela empresa são positivas, é possível fazer uma operação bastante lucrativa.

Há, inclusive, quem se especialize em investir em Small Caps, atingindo lucros significativos. Isso é possível, mas é preciso conhecer bem esse mercado e analisar com atenção as perspectivas. Do contrário, seus investimentos podem acabar te deixando na mão.

Invista nas melhores oportunidades da Bolsa com um clique. Veja agora

Conheça as ações Small Caps da Bolsa

Que tal conhecer melhor uma Small Cap conferindo as companhias que fazem parte desse grupo? Separamos dados sobre 4 empresas como exemplo. Veja só:

Alpargatas (ALPA4)

Detentora de marcas como Havaianas e Osklen, a Alpargatas é líder no setor calçadista na América Latina. Em 2017, a receita líquida consolidada somou R$3,72 bilhões, redução de 8% em relação aos resultados de 2016.

Confira a cotação da ALPA4 na Bolsa nos últimos 5 anos:

  • Cotação no final de abril de 2013: R$12,05.
  • Cotação no final de abril de 2018: R$15,61.
  • Variação entre abril de 2013 e abril de 2018: 30%.
Lojas Marisa (AMAR3)

A empresa é a maior rede de moda feminina e lingerie do Brasil. Possui 388 lojas em operação no país, Além do varejo, atua, ainda, com produtos e serviços financeiros. Em 2017, a receita líquida consolidada somou R$2,78 bilhões, alta de 0,4% em relação aos resultados de 2016.

Confira a cotação da AMAR3 na Bolsa nos últimos 5 anos:

  • Cotação no final de abril de 2013: R$27,45.
  • Cotação no final de abril de 2018: R$5,89.
  • Variação entre abril de 2013 e abril de 2018: -79%.
Minerva (BEEF3)

A Minerva S.A. está entre os líderes da América Latina no mercado de produção e comercialização de carne bovina e derivados. Tem atuação, também, no processamento de carne bovina, suína e de aves. Em 2017, a receita líquida consolidada somou R$12,10 bilhões, alta de 25,4% em relação aos resultados de 2016.

Confira a cotação da BEEF3 nos últimos 5 anos:

  • Cotação no final de abril de 2013: R$11,29.
  • Cotação no final de abril de 2018: R$8,20.
  • Variação entre abril de 2013 e abril de 2018: -27%.
Copasa (CSMG3)

A Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) é uma empresa de economia mista que presta serviços de saneamento. Atualmente, é concessionária para prestação de serviços de água em 636 municípios e de esgotamento sanitário em 302 municípios. Em 2017, a receita líquida consolidada somou R$4,32 bilhões, alta de 7,20% em relação aos resultados de 2016.

Confira a cotação da CSMG3 nos últimos 5 anos:

  • Cotação no final de abril de 2013: R$47,64.
  • Cotação no final de abril de 2018: R$50,40.
  • Variação entre abril de 2013 e abril de 2018: 5,79%.

Essas 4 companhias e outras 70 empresas compõem o Índice Small Cap (SMLL), uma carteira teórica elaborada pela Bolsa para avaliar o desempenho desse mercado. Conheça mais sobre esse índice no próximo bloco.

Entenda sobre o Índice Small Cap (SMLL)

O Índice Small Cap (SMLL) é uma carteira teórica de ativos composta por empresas que fazem parte desse segmento. Funciona como um mecanismo de avaliação do desempenho, assim como ocorre com o Índice Bovespa (Ibovespa), que é o principal indicador de performance da Bolsa brasileira.

A diferença entre o Índice SMLL e o  Ibovespa é que, no primeiro, participam as companhias mais representativas entre as que têm ativos com menor capitalização. Compõem o índice empresas listadas na Bolsa que não façam parte das Brazilian Depositary Receipts (BDRs). Também deixam de participar do índice SMLL companhias em recuperação judicial ou extrajudicial, regime especial de administração temporária, intervenção ou que sejam negociadas em qualquer outra situação especial de listagem.

Compare o desempenho do SMLL com o Ibovespa

A criação do SMLL, em 2005, possibilitou o acompanhamento mais criterioso do desempenho das Small Caps na Bolsa de Valores do Brasil. Graças ao índice, é possível, também, comparar a evolução na cotação das ações de menor capitalização com outros segmentos do mercado.

O principal indicador do mercado de ações brasileiro, o Índice Bovespa pode ser uma boa base de comparação.

Confira a seguir uma tabela com as taxas médias de crescimento do SMLL e do Ibovespa com suas variações desde 2006:

Ano Variação SMLL Variação Ibovespa
2006 47,2% 32,9%
2007 20,8% 43,7%
2008 -53,2% -41,2%
2009 137,5% 82,7%
2010 22,7% 1,0%
2011 -16,6% -18,1%
2012 28,7% 7,4%
2013 -15,2% -15,5%
2014 -17,0% -2,9%
2015 -22,4% -13,3%
2016 31,8% 38,9%
2017 49,4% 26,9%

Variação Ibovespa 2006-2017: 5,6%; variação SMLL 2006-2017: 9,0%. Fonte: BM&F Bovespa — Estatísticas históricas.

É importante ter muita atenção na hora de interpretar esses dados. Vamos ao primeiro aspecto: qual desses mercados é o mais interessante para investir? Se você observar apenas a variação média entre 2006 e 2017 — 5,6% para o Ibovespa e 9,0% para o SMLL — pode considerar que as Small Caps são sempre mais vantajosas.

Realmente, elas tiveram um bom desempenho, mas é preciso considerar também que as Small Caps sofrem uma oscilação maior. Essas oscilações fazem parte do Mercado de Ações e, quando se fala nelas, muitas pessoas lembram apenas dos riscos. No entanto, é preciso ter em mente que essas variações podem criar excelentes oportunidades de ganho.

Invista nas melhores oportunidades da Bolsa com um clique. Veja agora

Aprenda a investir em Small Caps

Agora que você conhece as oportunidades e também os riscos desse tipo de ação, veja o passo a passo para investir em Small Caps:

  • Escolha uma boa corretora — a corretora de valores faz a ponte entre você e seus investimentos. Ela deve oferecer serviços que te ajudem a investir de forma prática e segura.
  • Abra sua conta na corretora — esse procedimento é bem simples e, muitas vezes, pode ser realizado diretamente no site.
  • Envie dinheiro para a conta — outra etapa que não tem segredo, basta fazer uma transferência de valores via DOC ou TED.
  • Escolha as melhores ações Small Caps — agora que você já tem acesso às opções do mercado, precisa avaliar os ativos mais interessantes para o seu perfil;
  • Faça a aplicação — decisão tomada após uma boa análise, é hora de investir.

Embora você tenha visto que esse processo é simples, não deixe de sempre acompanhar o mercado e de se informar mais sobre os ativos em que pretende investir.

Veja as ações mais negociadas da Bolsa hoje. Acesse grátis

Riscos em investir em Small Caps

Uma ação é considerada um mico - expressão utilizada no mercado - quando há grandes chances de que não haja investidor interessado em comprar esse ativo. Ou seja, a pessoa adquire o papel, mas depois não tem como vendê-lo. Esse é um dos riscos associados às negociações das Small Caps. Conheça os cuidados que você precisa ter ao investir nessas ações.

  • Baixa liquidez: é a dificuldade em liquidar a posição, ou seja, de não conseguir vender as ações.
  • Análise comprometida: dependendo do tempo de operação da ação na Bolsa de Valores, não existem dados suficientes para fazer uma boa avaliação sobre seu potencial.
  • Grandes oscilações: a variação na cotação das Small Caps é, muitas vezes, mais intensa, e isso pode acontecer, inclusive, pela dificuldade em precificar adequadamente o ativo.
  • Incertezas de crescimento: as empresas com menor valor de mercado podem estar enfrentando momentos de dificuldades, como recuperação judicial, ou estarem com suas operações comprometidas de alguma maneira — só uma análise mais aprofundada pode indicar se o investimento vale a pena ou não.

Agora que você já sabe o que é Small Caps, pode avaliar melhor se vale a pena incluí-las na sua carteira de investimentos. Mas lembre-se: para fazer bons investimentos é preciso identificar seu perfil de investidor, analisar os ativos que deseja investir e ter uma boa estratégia. Isso traz maior segurança para aplicar em investimentos que têm maiores riscos, mas que podem oferecer ganhos mais interessantes.

Outra ótima dica é diversificar suas aplicações. Uma carteira diversificada é um dos principais mecanismos para impulsionar a rentabilidade dos seus ativos e também suavizar os riscos.

Já está pensando em criar sua carteira Small Caps? Continue navegando no nosso blog e saiba onde investir 100 mil reais, montando uma carteira vencedora.

Invista nas melhores oportunidades da Bolsa com um clique. Veja agora