Seja para alugar ou revender, investir em imóveis continua sendo uma opção que muitas pessoas buscam para ter boa rentabilidade e segurança na hora de aplicar seu dinheiro.

Porém, o valor de um imóvel costuma ser alto, o que afasta a maioria das pessoas desse tipo de investimento. Além disso, esse processo é extremamente demorado e envolve um alto nível de burocracia e, consequentemente, de papelada.

A boa notícia é que investir nesse setor pode ser mais barato, prático e fácil: através dos FIIs ou Fundos de Investimento Imobiliário.

Oferecendo uma série de vantagens, os Fundos Imobiliários vêm ganhando cada vez mais popularidade no mercado brasileiro. Mas se você não ainda não sabe do que se trata nem como investir em FII, sem problemas. Confira nosso artigo e entenda tudo sobre esse tipo de investimento.

Saiba o que são Fundos Imobiliários — FIIs

Um Fundo de Investimento Imobiliário, também conhecido pela sigla FII, nada mais é que um grupo de pessoas que têm um objetivo em comum: investir em ativos imobiliários.

O dinheiro que todos investiram no fundo, em forma de cotas, é administrado por um gestor, que é o responsável por encontrar e realizar os investimentos mais interessantes e garantir uma boa rentabilidade para o fundo.

Normalmente, os ativos adquiridos são os próprios empreendimentos imobiliários em si, como prédios e edifícios comerciais.

Entretanto, um FII também pode ter outros investimentos ligados a imóveis. Isto é, alguns fundos investem também em títulos imobiliários (Letras de Crédito Imobiliário ou Certificados de Recebíveis Imobiliários) ou até mesmo cotas de outros FIIs.

Mas essa não é a única forma de investir em um título imobiliário. Esse tipo de investimento de renda fixa está disponível para todo tipo de investidor, basta encontrar algum com uma boa rentabilidade e investir. Quer buscar um título que cabe seus planos? 

Invista nos melhores investimentos da Renda Fixa com um clique. Veja agora


Tipos de fundos imobiliários

Existem diversos tipos de fundos imobiliários no mercado — cada um com estruturas, estratégias e carteiras de ativos diferentes. Porém, é possível classificar os FIIS em duas grandes modalidades:

Fundos de tijolo

São fundos focados majoritariamente em empreendimentos físicos. A política desses fundos é investir na aquisição, construção ou aluguéis de imóveis comerciais, como:

  • Shopping Centers.
  • Hospitais.
  • Faculdades.
  • Prédios comerciais.
  • Agências bancárias.
  • Centros de distribuição.
  • Galpões e armazéns.

O objetivo de um fundo de tijolo é encontrar pessoas ou empresas interessadas em utilizar os imóveis adquiridos. Em troca, o fundo recebe uma renda mensal de aluguel para ser distribuída a seus cotistas.

Fundos de papel

Um fundo de papel tem como estratégia investir em títulos financeiros vinculados ao mercado imobiliário, como LCI, CRI, títulos de recebíveis imobiliários, cotas de outros fundos imobiliários, entre outros.

O lucro do fundo vem dos juros e dividendos pagos por esses título, ou da venda deles. Dessa forma, o fundo continua investindo no setor imobiliário e garantindo uma boa rentabilidade, mas sem se expor ao mesmo risco dos fundos de tijolo.

Quer conferir quais são os melhores títulos do momento? Veja em nosso comparador os investimentos que estão entregando os melhores resultados, tanto do setor imobiliário quanto de todos os outros do mercado financeiro. 

Invista nos melhores investimentos da Renda Fixa com um clique. Veja agora

Entenda como os Fundos Imobiliários funcionam no mercado

Para iniciar um FII, a instituição financeira responsável por ele precisa apresentar um documento ao mercado contendo a política de investimentos e as diretrizes gerais do futuro fundo.

A partir disso, é realizada a oferta primária do FII: as cotas do fundo, de número limitado e definitivo, são emitidas e lançadas no mercado pela primeira vez. Quem tem interesse, pode comprar a quantidade de cotas desejadas e se juntar aos primeiros cotistas do fundo.

Com o capital arrecadado, o gestor do fundo começa a adquirir os ativos imobiliários, de acordo com a política de investimentos proposta.

Após a abertura, o fundo passa a ser identificado por um código (também chamado de ticker), e pode ter suas cotas negociadas na Bolsa de Valores, da mesma forma que acontece com as ações de uma empresa.

Aprenda a investir em Fundos Imobiliários

Para começar a investir em Fundos Imobiliários na Bolsa, será preciso seguir os passos seguintes:

Escolher uma boa corretora de valores

Será pela corretora que as pessoas interessadas em investir vão comprar e vender suas cotas de FIIs. Por isso, escolher uma boa empresa é importante para conseguir investir com agilidade, eficiência e segurança.

Abrir conta na corretora de valores

Para abrir a conta em uma corretora de valores é preciso realizar um cadastro com informações pessoais, dados bancários e apresentar documentos como CPF e RG. Mas não se assuste, na maioria das corretoras é possível fazer esse processo de forma totalmente online.

Transferir dinheiro para a conta

Para realizar qualquer operação no mercado, quem investe precisa antes enviar seu dinheiro para a conta na corretora. Várias delas oferecem formas simplificadas de depósito — como TED, DOC e transferência bancária.

Escolher o Fundo Imobiliário

O mercado oferece uma grande diversidade de FIIs para se investir, mas para escolher o fundo certo é preciso estudar bem cada um deles. Antes de tudo, você precisa analisar os ativos, números e histórico de rentabilidade do fundo, verificar a solidez dos seus fundamentos e checar se administração dele é realmente boa.

Se ficar com dúvidas nessa etapa, você pode pedir ajuda para a equipe da sua corretora. Contar com especialistas em investimentos nessas horas pode te ajudar a encontrar com mais facilidade o fundo que mais se adequa aos seus objetivos.

Investir

Depois de escolhido o fundo, basta enviar uma ordem de compra através da corretora para adquirir o número de cotas desejadas — assim como acontece quando compramos uma ação.

Para isso, é preciso digitar o código do fundo, a quantidade de cotas e o valor que você deseja pagar. A oferta segue para o mercado e se houver um participante do fundo disposto a vender suas cotas por aquele valor, o negócio é fechado.

Investindo em ações

Sabia que investir em ações é ainda mais fácil do que esse processo? A Toro criou uma maneira nova de investidores explorarem a Bolsa de Valores. Através da nossa plataforma, você tem acesso a ótimas oportunidades, se forma simples, prática e extremamente acessível. Quer conferir?

Invista nas melhores oportunidades da Bolsa com um clique. Veja agora


A rentabilidade dos Fundos Imobiliários — FIIs

Muitas pessoas não sabem quanto rende o Fundo Imobiliário. Saiba que isso ocorre de duas formas: por meio da valorização das cotas e pela distribuição dos seus rendimentos. Entenda melhor sobre cada uma a seguir:

Valorização das cotas

O preço unitário da cota de um fundo pode se valorizar com o tempo — seja pelo aumento do patrimônio do fundo ou pela variação natural do mercado. Com isso, as pessoas que investiram lá no início podem lucrar vendendo suas cotas por um preço superior ao comprado.

Distribuição dos lucros do fundo

Por se tratar de um investimento imobiliário, todo FII tem uma renda mensal, advinda principalmente do aluguel de seus imóveis. Depois de apurado o lucro líquido que o fundo teve, os FIIs são obrigados a distribuir pelo menos 95% desse rendimento a seus cotistas, de forma proporcional à quantidade de cotas de cada um.

O valor é repassado para a corretora onde a cota foi comprada, que vai depositar a quantia diretamente na conta do investidor.

Riscos de investir em FII

Como todo investimento, um fundo imobiliário também possui uma série de riscos. Os 4 riscos mais comuns são:

1- Risco de mercado

Por serem negociados na Bolsa, os Fundos Imobiliários estão constantemente sujeitos ao risco de desvalorização do mercado. Fatores como a situação geral da economia, mudanças na demanda por imóveis e variações na taxa de juros podem derrubar o preço das cotas de um FII e prejudicar o investimento.

2- Risco de liquidez

Mesmo com os Fundos Imobiliários crescendo cada vez mais no país, a quantidade de participantes nesse mercado ainda é pequena, afetando a liquidez do investimento. Isso pode tirar a liberdade de quem investe de entrar e sair de um fundo quando quiser. Afinal, ainda é muito comum encontrar fundos que ficam vários dias sem nenhuma negociação na Bolsa.

3 - Risco de vacância

Não é garantido que todos os imóveis do fundo serão alugados. Ou seja, caso haja dificuldade para encontrar locatários, a receita dos aluguéis será comprometida, afetando também o rendimento pago aos cotistas.

4 - Risco de inadimplência

Também existe a possibilidade do locatário não pagar suas obrigações com o locador, isto é, deixar de pagar o aluguel. Além da receita com aluguéis diminuir, a inadimplência pode gerar um custo jurídico extra ao fundo.

A possibilidade de investir com segurança e rentabilidade é um grande atrativo dos Fundos Imobiliários. Mas assim como todos os outros tipos de investimentos, os FIIs também possuem uma série de riscos e particularidades para serem levadas em conta.

O principal ponto nisso tudo é saber se Fundos Imobiliários se encaixam dentro do seu perfil.

Não saber avaliar se esse tipo de papel é interessante para a sua carteira pode atrapalhar o sucesso dos seus investimentos.

Por isso, evite entrar em um fundo sem entender do que se trata e de como está o panorama da economia no momento. Não se esqueça também de contar, sempre que possível, com a ajuda de profissionais do mercado para realizar bons investimentos.

Quer saber quais são os investimentos que combinam com seu perfil e com os seus planos? É bem mais simples do que você imagina. 

Monte grátis sua carteira de investimentos. Teste grátis