Cadastre-se grátis

IGP-M: o que é, como funciona e qual é o índice acumulado?

Iniciantes em investimento, muitas vezes, se deparam com termos específicos do mercado financeiro. Então, é bastante comum ter algumas dúvidas. Um dos nomes mais comentados desse universo é o índice IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado).

Você provavelmente já deve ter ouvido falar dele nos noticiários ou, então, se mora de aluguel, na hora de reajustar o valor.

É fundamental entender o que é IGP-M e IGP-M acumulado. Afinal, eles podem ser determinantes no seu dia a dia e também na hora de investir seu dinheiro.

O que é IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado)?

O índice IGP-M foi criado no final dos anos 1940 para medir o movimento dos preços de forma geral. Por isso, ele tem o objetivo de ser mais abrangente que outros índices do mercado.

Isso acontece porque seu cálculo é baseado em diversos indicadores, como:

  • IPA-M — Índice de Preços do Atacado – Mercado.
  • IPC-M — Índice de Preços do Consumidor – Mercado.
  • INCC-M — Índice Nacional de Custo da Construção – Mercado.

Sendo assim, podemos dizer que o IGP-M envolve uma série de fatores para ser calculado. Essa diversidade ajuda a perceber que ele é muito relevante. Na prática, acaba funcionando como um indicador macroeconômico. Isto é, é possível ter uma noção do estado atual da economia brasileira e da inflação por meio dele.

Outra de suas funções — talvez a mais importante delas — é ser um indexador de contratos (aluguel, tarifas públicas, seguros, etc.). Dessa forma, ele influencia diretamente suas finanças, porque está relacionado a gastos do dia a dia, como:

  • Educação: Mensalidade de escolas e universidades.
  • Imóveis: Aluguéis de imóveis comerciais e residenciais.
  • Energia: Tarifa de energia elétrica.
  • Seguros: Algumas modalidades de seguro.
  • Saúde: Determinados planos de saúde.

Por fim, esse indicador também causa uma interferência significativa em seus investimentos, porque ele se associa a várias aplicações.

Enfim, tanto para as pessoas que investem quanto para aquelas que não têm esse hábito, é essencial entender o que é IGP-M, já que a importância desse índice pode ser notada em vários setores econômicos.

O IGP-M é popularmente chamado de “inflação do aluguel”. Esse apelido foi dado porque o reajuste anual dos contratos de aluguel geralmente tem o IGPM como base.

Desse modo, ele é usado como parâmetro na hora de alterar o valor mensal que você paga ao proprietário do imóvel.

Portanto, pessoas que sabem como acompanhá-lo e compreendem sua importância acabam levando vantagem em relação a quem não sabe do que se trata. A seguir, você vai ver como esse acompanhamento pode ser feito e como esses dados podem te ajudar a investir mais e melhor.

Qual é o valor do IGP-M hoje?

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) subiu 0,89% em maio, avançando em relação aos 0,31% de abril. No ano, acumula alta de 0,28% e queda de 0,34% nos últimos 12 meses. Em maio de 2023, o índice havia registrado -1,84% no mês e queda de 4,47% em 12 meses.

Gráfico: IGP-M acumulado

Confira a variação do IGP-M nos últimos anos:

IGP-M acumulado no mês e no ano

Mensalmente, o índice é calculado e divulgado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e, mais precisamente, pelo Instituto Brasileiro de Economia (IBRE). Quem quiser acompanhar esses valores bem de perto, pode conferir a tabela IGP-M mensal ou este gráfico quem compara os dados anuais entre IPCA e IGP-M:

O IGP-M acumulado é calculado com base no mesmo raciocínio de juros compostos. Para ficar mais fácil de entender: se em janeiro de 2021 o índice foi de 2,58% e de 2,53% em fevereiro, basta multiplicar cada taxa da seguinte forma, 1,0258 x 1,0253 = 1,05175274, que nos dá o IGP-M acumulado no ano até aquele momento de aproximadamente 5,17%. Se em março ele chegou a 2,94%, o acumulado anual até aquele mês é de 8,26% e assim por diante.

Seguindo o exemplo acima, também podemos dizer que, entre fevereiro e março, houve uma alta de +0,41% no índice. Uma outra convenção é medir o acúmulo que ocorreu nos últimos 12 meses. Isso auxilia a compreender uma variação entre o final de um ano e o começo de outro, por exemplo.

As variadas formas de mensurar o indicador são muito úteis, pois permitem acompanhar o crescimento dos preços e os investimentos atrelados ao IGP-M.

Como dissemos, as alterações que ocorrem com o Índice Geral de Preços do Mercado também ajudam a ter noção sobre a variação em setores específicos da economia, como o aluguel de imóveis e a energia elétrica. Que tal aprender agora como se dá a relação desse índice com os seus investimentos?

Tabela do IGP-M acumulado em 2024 e nos últimos 12 meses

Tabela IGPM acumulado – 2024
Mês/AnoÍndice do mês (%)Índice acumulado no ano (%)IGP-M acumulado nos últimos 12 meses (%)
Jan/20240,070,07-3,22
Fev/2024-0,52-45-3,76
Mar/2024-0,47-0,91-4,26
Abr/20240,31-0,60-3,04
Mai/20240,890,28-0,34
Jun/2024
Jul/2024
Ago/2024
Set/2024
Out/2024
Nov/2024
Dez/2024
Fonte: IBRE/FGV

Tabela do IGP-M acumulado em 2023 e nos últimos 12 meses

Confira, na tabela a seguir, os números atualizados da variação do IGP-M em 2023 e nos últimos 12 meses:

Tabela IGPM acumulado – 2023
Mês/AnoÍndice do mês (%)Índice acumulado no ano (%)IGP-M acumulado nos últimos 12 meses (%)
Dez/20230,74-3,18-3,18
Nov/20230,59-3,89-3,46
Out/20230,50-4,46-4,57
Set/20230,37-4,93-5,97
Ago/2023-0,14-5,28-7,20
Jul/2023-0,72-5,15-7,72
Jun/2023-1,93-4,46-6,86
Mai/2023-1,84-2,58-4,47
Abr/2023-0,95-0,75-2,17
Mar/20230,050,170,17
Fev/2023-0,060,151,86
Jan/20230,210,213,79
Fonte: IBRE/FGV

Confira, na tabela a seguir, a variação do índice em 2022:

Tabela IGPM acumulado – 2022
Mês/AnoÍndice do mês (%)Índice acumulado no ano (%)
Dez/20220,455,45
Nov/2022-0,564,98
Out/2022-0,976,52
Set/2022-0,956,61
Ago/2022-0,707,63
Jul/20220,218,39
Jun/20220,598,16
Mai/20220,527,54
Abr/20221,416,98
Mar/20221,745,49
Fev/20221,833,68
Jan/20221,821,82
Fonte: IBRE

Veja a seguir os valores do IGPM registrados no ano de 2021:

Tabela IGPM acumulado – 2021
Mês/AnoÍndice do mês (%)Índice acumulado no ano (%)
Dez/20210,8717,78
Nov/20210,0216,77
Out/20210,6416,74
Set/2021-0,6416
Ago/20210,6616,75
Jul/20210,7815,98
Jun/20210,615,08
Mai/20214,114,39
Abr/20211,519,89
Mar/20212,948,26
Fev/20212,535,17
Jan/20212,582,58
Fonte: IBRE

Veja a seguir os valores do IGPM registrados no ano de 2020:

Tabela IGPM acumulado – 2020
Mês/AnoÍndice do mês (%)Índice acumulado no ano (%)
Jan/20200,480,48
Fev/2020-0,040,44
Mar/20201,241,69
Abr/20200,802,50
Mai/20200,282,79
Jun/20201,564,39
Jul/20202,236,71
Ago/20202,749,64
Set/20204,3414,40
Out/20203,2318,10
Nov/20203,2821,97
Dez/20200,9623,14
Fonte: IBRE

Confira também os dados do IGP-M no ano de 2019:

Tabela IGPM acumulado – 2019
Mês/AnoÍndice do mês (%)Índice acumulado no ano (%)
Jan/20190,010,01
Fev/20190,880,89
Mar/20191,262,16
Abr/20190,923,10
Mai/20190,453,56
Jun/20190,804,38
Jul/20190,404,79
Ago/2019-0,674,10
Set/2019-0,014,09
Out/20190,684,79
Nov/20190,35,11
Dez/20192,097,3
Fonte: IBRE

Verifique abaixo os dados do IGP-M para o ano de 2018:

Tabela IGPM acumulado – 2018
Mês/AnoÍndice do mês (%)Índice acumulado no ano (%)
Jan/20180,760,76
Fev/20180,070,83
Mar/20180,641,47
Abr/20180,572,05
Mai/20181,383,46
Jun/20181,875,39
Jul/20180,515,93
Ago/20180,706,67
Set/20181,528,29
Out/20180,899,26
Nov/2018-0,498,71
Dez/2018-1,087,55
Fonte: IBRE

Seu investimento ligado ao IGP-M

Antes de tudo, precisamos deixar claro que não há como investir no índice IGP-M, porque ele é um indicador econômico e não uma aplicação financeira.

Em resumo: os investimentos que rendem de acordo com o IGP-M seguem a variação dessa taxa em sua rentabilidade. Muitas vezes, a aplicação renderá segundo as mudanças do índice mais um percentual fixo, definido no momento da compra do título. Boa parte dos títulos de renda fixa funcionam assim.

Aplicações que seguem esse padrão são chamadas de híbridas e podem ser consideradas boas escolhas em termos de rentabilidade. Embora não seja possível garantir quão rentável uma aplicação será, é bastante provável que ela renda acima da inflação, o que não acontece sempre com o rendimento da Poupança.

Por mais irrelevante que isso possa parecer, um rendimento acima da inflação é uma garantia de que seu dinheiro não perderá poder de compra com o tempo.

Veja só: se você aplicou R$200,00 na caderneta de Poupança durante um tempo e esse montante rendeu R$100,00, isso não quer dizer que o valor real desses R$300,00 foram mantidos. Ou seja, devido à variação da inflação, essa quantia provavelmente não serve para comprar a mesma quantidade de itens no supermercado que poderiam ser comprados com R$300,00 tempos atrás.

Quando um investimento rende acima ou no mesmo nível da inflação, você mantém o poder de compra em suas economias. Por conta desse fator, os títulos que se associam ao IGP-M, muitas vezes, se mostram como opções vantajosas para quem investe, especialmente para os investimentos de longo prazo.

Levando isso em consideração, separamos algumas opções de investimento que têm seus rendimentos ligados a este indicador. Confira, logo abaixo, as particularidades de cada uma delas:

Letra de Crédito Imobiliário

A LCI é uma maneira de investir no mercado imobiliário. Em sua modalidade híbrida, ela rende de acordo com uma taxa prefixada somada a algum índice que, geralmente, é o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). Apesar disso, algumas instituições financeiras comercializam esse título vinculado ao IGP-M.

O título chama atenção por ser isento do Imposto de Renda e por ter a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). O FGC protege investimentos, de acordo com certos critérios, de uma eventual quebra ou falência da instituição que emitiu o título.

Letra de Crédito do Agronegócio

LCA é uma aplicação bastante parecida com a LCI. Ela também é isenta do IR e protegida pelo FGC. A diferença entre elas está no setor no qual os montantes são aplicados: em vez do segmento imobiliário, a LCA está ligada ao agronegócio.

Na prática, para quem investe, pouca coisa muda. Ela também pode ser um título híbrido: juros prefixados somados a um índice, que pode ser o IPCA ou o IGP-M.

A boa notícia é que você não precisa se prender a estes investimentos. Na Toro, você tem à mão uma diversidade de bons investimentos. Você pode escolher aqueles que mais se encaixam ao seu perfil e objetivos.

E o melhor: tudo isso com poucos cliques e muita segurança. Aproveite essa oportunidade e faça simulações de investimento gratuitas agora mesmo.

Investir na Renda Fixa ficou muito mais fácil. Anteriormente, era preciso pesquisar sobre o emissor, entender sua rentabilidade e verificar a sua carência. Entretanto, a Toro Investimentos transformou essa experiência e, de forma simples, você tem acesso a ótimas oportunidades do mercado. Quer saber como?

Entenda o cálculo do IGP-M

Como você já sabe, a entidade responsável pelo cálculo IGP-M é o IBRE, que integra a Fundação Getúlio Vargas. Vale ressaltar que o levantamento de dados se inicia no dia 21 do mês anterior e vai até o dia 20 do mês de referência.

Ou seja, o IGP-M de abril de 2023 foi calculado a partir de 21 de março e encerrado no dia 20 de abril. Além disso, a FGV divulga variações prévias a cada 10 dias, para que a população em geral possa acompanhar a alta ou a baixa nos preços.

Como já falamos, o cálculo IGP-M é composto por 3 outros indicadores econômicos: IPA-M, IPC-M e INCC-M.

Preços de todo o país são coletados para compor esses índices e realizar os cálculos. Os campos da economia considerados nas pesquisas são: construção civil, indústria, agricultura, serviços relacionados à moradia e comércio varejista.

Cada um deles é utilizado para medir diferentes aspectos da economia nacional e originam uma média ponderada que é o Índice Geral de Preços do Mercado. Entenda mais sobre esses indicadores:

  • IPA-M (Índice de Preços por Atacado): representa, ao todo, 60% do IGP-M. Seu propósito é monitorar os movimentos do comércio atacadista. Também serve para entender e acompanhar as variações que acontecem no varejo.
  • IPC-M (Índice de Preços ao Consumidor): seu peso é de 30% para o IGP-M. Sua ideia é bastante parecida com a do IPCA (índice oficial da inflação no Brasil), porque mede o consumo em diversas áreas: habitação, saúde, vestuário, transporte, etc.
  • INCC-M (Índice Nacional de Custo da Construção): esse indicador tem um peso de 10% no IGP-M e sua coleta ocorre em 7 capitais do Brasil. Como o próprio nome já diz, avalia o custo envolvido na construção de moradias, como por exemplo materiais e mão de obra especializada.

Como calcular a correção/reajuste do aluguel pelo IGP-M?

Para calcular o reajuste do aluguel usando o IGP-M, esse processo ocorre anualmente no aniversário ou renovação do contrato de locação. É simples: você multiplica o valor atual do aluguel pelo percentual acumulado do IGP-M nos últimos 12 meses.

O Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) é frequentemente utilizado como referência para o reajuste de aluguéis. Para calcular a correção/reajuste do aluguel pelo IGP-M, siga esses passos:

  1. Defina a Data Base: verifique no contrato de locação a data base estabelecida para o reajuste anual. Geralmente, isso é feito um ano após a assinatura do contrato ou no aniversário do aluguel.
  2. Obtenha os Valores do IGP-M: consiga os valores mensais do IGP-M referentes ao período de 12 meses anteriores à data base. Esses valores podem ser encontrados em fontes confiáveis, como o site da FGV ou nas tabelas acima. 
  3. Calcule a Variação Percentual: some os valores mensais do IGP-M dos últimos 12 meses e divida pela soma dos valores dos 12 meses anteriores a isso. Isso lhe dará a variação percentual.
  4. Aplicação ao Valor do Aluguel: multiplique o valor atual do aluguel pela variação percentual calculada. Adicione o resultado ao valor do aluguel atual.

É importante seguir as regras e regulamentações locais para o reajuste de aluguéis e garantir que o contrato de locação esteja em conformidade. Recomenda-se consultar um especialista em direito imobiliário ou um profissional financeiro ao fazer o cálculo.

Qual a diferença entre IGP-M, IGP-10 e IGP-DI?

Você talvez já tenha visto por aí algumas outras siglas muito parecidas com o IGP-M. O IGP-DI e o IGP-10 são indicadores bem parecidos com o Índice Geral de Preços do Mercado. A principal diferença entre eles, na verdade, é o período de coleta de dados. Veja só:

  • Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10): as informações são coletadas entre os dias 11 do mês anterior ao dia 10 do mês atual. Ou seja, o IGP-10 de março, por exemplo, está vinculado aos dados analisados entre o dia 11 de fevereiro e 10 de março.
  • Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI): nesse caso, a pesquisa é feita entre o primeiro dia e o último dia do mês. Assim sendo, o IGP-DI de junho é medido do dia 1º ao dia 30 daquele mês.
  • Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M): este aqui, como você talvez já saiba, é analisado pegando o período entre o dia 21 do mês passado e o dia 20 do mês atual. Isto é, o IGP-M de maio é definido pelos valores coletados entre o dia 21 de abril e 20 de maio.

Entender o que é IGP-M e IGP-M acumulado é relevante por muitos motivos. Ao compreender esses itens, você se torna capaz de analisar por quais razões seu dinheiro parece valer “menos”. Além disso, também é possível estimar correções em custos da sua rotina, como o valor do seu aluguel e a conta de energia elétrica.

Acompanhar esse e outros índices econômicos também é útil na hora de fazer projeções para seus investimentos. Afinal, boas alternativas de títulos estão atreladas a indicadores desse tipo. Compreendê-los mais a fundo ajuda a tomar decisões estratégicas e planejar seus próximos passos para investir.

O Índice Geral de Preços do Mercado concentra dados que interferem no seu bolso. Por isso, construa uma carteira variada e conte com a ajuda de especialistas no assunto.

Agora você já sabe o que é IGP-M e como ele é calculado. Mas se ainda ficou alguma dúvida, sem problemas. No próximo bloco, você encontrará respostas rápidas e práticas para as dúvidas mais frequentes sobre esse índice.

Dúvidas frequentes sobre IGP-M

Quer saber mais sobre o Índice Geral de Preços do Mercado e como ele afeta seu bolso? Confira as respostas para as principais dúvidas sobre o IGPM:

IGPM e IPCA são iguais?

Embora guardem algumas semelhanças, IPCA e IGP-M não são iguais. A principal diferença entre eles é quem e como é feito o cálculo. O IPCA é calculado por uma instituição do estado, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O IGP-M, por sua vez, independe do governo federal pois é calculado pelo IBRE e a FGV. De qualquer forma, acompanhar o IPCA também é muito importante para quem deseja investir.

Qual é a diferença do IGP-M para IGP-DI e IGP-10?

A questão se resume ao período de referência utilizado para calcular os indicadores. O IGP-M abrange do dia 21 do mês anterior até o dia 20 do mês de referência. No IGP-10, a análise vai do dia 11 do mês anterior ao dia 10 do mês seguinte. O IGP-DI, por sua vez, é uma coleta que vai do primeiro ao último dia do mês de referência.

Quem e como é feito o cálculo do IGPM?

A FGV, por meio do IBRE, é a responsável pelo cálculo IGP-M. O IBRE é a unidade da Fundação criada com o objetivo de pesquisar, analisar e divulgar estatísticas macroeconômicas e pesquisas econômicas aplicadas.

Quais setores são incluídos no cálculo do IGPM?

Diferentes setores são considerados para calcular o IGP-M. Por exemplo:

-Comércio atacadista.
-Consumo em geral (alimentação, aluguel, saúde, transporte, vestuário, etc.).
-Construção civil.

Qual é a periodicidade do índice IGPM?

Ele é calculado mensalmente e tem projeções divulgadas a cada 10 dias.

Deixe um comentário

Gostou do artigo? Deixe um comentário sobre o que achou do conteúdo!