A taxa de juros do Federal Reserve (Fed), o Banco Central dos Estados Unidos, é um dos valores de referência mais importantes na economia internacional, tanto para o futuro da economia americana quanto para ancorar as expectativas e ações de outros BCs pelo mundo. 

A taxa de juros definida pelo Fed nos EUA, hoje, está na faixa entre 2,25% e 2,5% ao ano

Neste artigo, vamos falar sobre como é escolhido o valor da taxa de juros da maior economia do mundo, para o que ela serve e seus impactos em outras nações, especialmente o Brasil. Vamos lá?

Carteira gratuita com melhores BDRs segundo expertsQuer diversificar sua carteira com empresas estrangeiras? Veja quais são os melhores BDRs para investir hoje

O que é e para o que serve a taxa de juros do Fed?

Em todas economias capitalistas, a função da taxa de juros é regular a quantidade de dinheiro em circulação, isto é, alterando o "custo" de se tomar crédito para cima ou para baixo. Logo, é o principal mecanismo dos Bancos Centrais para domar a inflação ou fazer a economia aquecer novamente.

Portanto, a taxa de juros nos EUA tem as mesmas funções: ser um instrumento de política monetária no combate à inflação elevada ou um artifício para injetar mais dinheiro na atividade econômica.

A cada cerca de 45 dias, o Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês), que faz parte do Fed, se reúne para definir a política monetária para a economia americana e a taxa de juros. 


Com essa política, o intuito da autoridade monetária é fazer ajustes no acesso ao crédito, seja aumentando ou reduzindo a quantidade de moeda em circulação, o que tem impacto direto na inflação, uma vez que fica mais caro para que empresas e famílias tomem empréstimos. 

Além de alterar o valor dos juros, o Fed também pode atuar na regulação da oferta de dinheiro comprando ou vendendo títulos públicos, outra importante atuação de política monetária.

Dessa forma pode criar estratégias em conjunto, ou seja, por um lado, altera a taxa e, por outro, negocia títulos. Isso é importante do ponto de vista de evitar mudanças muito drásticas no valor da taxa de uma única vez.

Para o que serve a taxa de juros americanos?

Como dissemos, assim como a nossa taxa Selic, é o principal instrumento de política monetária para regular desequilíbrios entre oferta e demanda de moeda.

Em resumo, a taxa de juros nos EUA tem as seguintes funções:

💵 Combate à inflação: em momentos em que o nível de preços está em ascensão de forma preocupante, a autoridade monetária age elevando os juros. 

💵 Aquecer a economia: quando o governo precisa agir para reaquecer a economia no curto prazo, diminui os juros. Foi o que aconteceu recentemente no pós-crises de 2001, 2008 e durante a pandemia de Covid-19.


Lembrando que, para os economistas, os efeitos das alterações nos juros não são imediatos, isto é, no dia seguinte. Estudos mostram que demora cerca de 9 meses para avaliar se a mudança nos juros surtiu o efeito desejado pela autoridade monetária.

Títulos públicos americanos

Além das funções que citamos anteriormente, as taxas de juros são usadas também na definição da remuneração dos títulos públicos do governo dos EUA, que funcionam como os títulos do Tesouro Direto aqui no Brasil. Ou seja, quando o investidor faz um empréstimo ao governo por meio da compra de um título.

Os títulos do governo americano (US Bonds) são considerados os mais seguros do mundo e, por isso, representam também  uma medida de aversão ou apetite ao risco dos investidores.

A taxa de juros que esses títulos vão remunerar os compradores depende da taxa definida pelo FOMC. Essa taxa também varia de acordo com as expectativas econômicas, ou seja, se os agentes esperam que a economia vai melhorar ou piorar no futuro.

Se os investidores estão mais temorosos com o futuro econômico, os títulos passam a ser mais procurados. Caso estejam mais otimistas, eles aceitam tomar mais risco, tornando os títulos menos demandados.

Nos noticiários econômicos, você provavelmente ouvirá falar no rendimento dos títulos de curto e longo prazos. Eles se referem aos títulos com vencimentos em 2, 3, 5, 10 e 30 anos. O mais relevante como porto seguro aos investidores é o títulos de 10 anos.

Descubra como diversificar sua carteira com recomendações de especialistas.Veja como diversificar sua carteira para atingir grandes objetivos Acesse o seu  plano de investimentos personalizado
Qual é a taxa de juros nos EUA hoje?

Como você deve imaginar, o valor dos juros não é imutável. Nas reuniões do FOMC, os especialistas fazem uma leitura do cenário econômico atual e das perspectivas futuras para decidir se precisam regular a oferta de moeda ou manter a política como está.

Atualmente, o Fed mantém a taxa de juros na faixa entre 2,25% e 2,5% ao ano

Gráfico: histórico da taxa de juros nos EUA

Confira, no gráfico a seguir, a variação da taxa de juros nos EUA desde 1990. Perceba as relações entre as crises econômicas mais recentes (2001, 2008 e 2020) com a redução da taxa de juros por lá.

Com um Assessor Exclusivo, sua rentabilidade pode aumentar em até 3% a.a. Clique aqui e saiba mais

 

Também é possível verificar os momentos em que o Fed optou por elevar os juros após essas crises. Isso por que, quando as empresas e famílias tomam mais crédito, mais dinheiro passa a girar na economia, pressionando o índice de preços ao consumidor. Em outras palavras, causando inflação.

Após a crise de 2008, o Fed fez importantes ajustes no modo como conduz a política monetária, especialmente reduzindo a meta da taxa para próximo de zero nos fundos federais.

Desde 2008 também, o FOMC não adota um valor único para os juros, que variam sempre entre um intervalo inferior e superior.

Por outro lado, entre 2008 e 2014, ampliou a compra e detenção de títulos de longo prazo para pressionar as taxas ainda mais para aquecer a atividade econômica, criar empregos e melhorar as condições financeiras.

Em 2015, 2019, 2020 e 2022 também fez importantes atuações nas compras de títulos e alterações na taxa de juros para melhor garantir o bom funcionamento dos mercados. Em 2022, inclusive, com a inflação recorde, o Fed fez o maior ajuste nos juros desde 1994

Como a taxa de juros nos EUA afeta o Brasil?

Por sua relevância no cenário geopolítico e econômico internacional, os juros americanos também tem bastante influência sobre outros mercados, como na União Europeia, Ásia e mercados emergentes, no qual se inclui o Brasil.

Por aqui, podemos ver os seguintes efeitos:

💵 Aceleração ou desaceleração econômica: a elevação dos juros americanos aponta para um esfriamento da economia internacional, uma vez que freia a atividade econômica. Assim, sendo, pode haver menor demanda por bens e serviços brasileiros.

💵 Contenção da inflação: uma vez que a atividade econômica perde força, a elevação dos índices de inflação pode ser menor, já que há menos consumo.

💵 Migração dos investidores estrangeiros: quando EUA sobem os juros, é de se esperar que os investidores internacionais diminuam ou finalizem sua exposição ao mercado brasileiro, transferindo os recursos para a América do Norte, considerada uma exposição mais segura.

💵 Impactos no câmbio: essa entrada ou saída de recursos internacionais do Brasil terá impacto direto na cotação do dólar. 
💵 Queda na Bolsa: a retirada de recursos pelo investidor estrangeiro também pode levar à menor atratividade das ações de empresas brasileiras.


Lembrando ainda que esses impactos podem ser amenizados também pelo valor da taxa de juros no Brasil. Ou seja, os investidores podem aceitar correr mais risco por aqui se a remuneração da Selic valer a pena.

 Artigo especial • Conjuntura Econômica: como e onde investir este mês?

Por que a taxa de juros nos EUA é mais baixa que no Brasil?

Não é novidade que, por vez ou outra, o Brasil se destaca como uma das nações com o maiores juro real do mundo, isto é, quando olhamos a taxa de juros descontando a inflação. Mas por que a Selic é maior que a taxa de juros americana?

Para entender isso, precisamos recorrer a conceitos que os economistas chamam de sensibilidade à taxa de juros e elasticidade da curva de oferta de moeda.

Para fugir do jargão econômico, em termos mais simples, isso diz respeito ao quanto uma economia é sensível às alterações de política monetária.

Nos EUA e em nações desenvolvidas, a economia é mais sensível às mudanças nos juros.  

Isso quer dizer que pequenas alterações nos juros para cima já causam significativa restrição do investimento pelas empresas e tomada de crédito pelas famílias.

No Brasil e demais emergentes, a sensibilidade às mudanças na política monetária são menos sensíveis e, por isso, a taxa de juros sofre mudanças mais bruscas para alcançar o mesmo objetivo.

Claro que outros fatores além desses podem entrar no processo de definição da magnitude da mudança dos juros, tais como: risco-país, equilíbrio fiscal, expectativas de inflação entre outros.

Por falar na Selic, veja no gráfico a seguir a variação da meta dos juros brasileiros desde 2011 e compare com a visualização que apresentamos antes nos EUA:

Aprenda tudo sobre a Renda Fixa com um expert Baixe e-book gratuito agora mesmo