Economizar não é um hábito nem uma tarefa fácil para os brasileiros. Um levantamento da CNI mostrou que apenas 32% dos brasileiros economizou dinheiro durante o ano de 2020.

O baixo valor se deve a questões culturais (como baixa disseminação de educação financeira) quanto sociais (parcela da população com recursos indisponíveis para economizar). E a situação não é diferente quando observamos a reserva de emergência, embora os números comecem a mudar.

No início da pandemia (abril de 2020) 44% dos brasileiros diziam ter uma reserva para eventualidades. Já em junho de 2021, o número saltou para 57%, apontou pesquisa.

Logo, os números mostram que, apesar de o conhecimento financeiro ainda ser incipiente no Brasil, as pessoas estão buscando mais informação e formas de se proteger financeiramente. No artigo de hoje, vamos abordar justamente uma dessas formas: a reserva de emergência. Você vai aprender o que é, como montar e onde investir dinheiro para construir a sua. Vamos lá?


Nova call to actionAproveite o jeito mais fácil de investir agora mesmo Faça seu cadastro grátis na Toro

O que é reserva de emergência?

Diante de um cenário de incertezas e imprevistos, é sempre relevante contar com um valor em dinheiro imediatamente disponível que lhe auxilie a passar por tais momentos. É para isso o que serve a reserva de emergência.

A reserva de emergência é um valor equivalente a determinado número de meses do seu custo de vida guardado em uma aplicação segura, conservadora e de fácil retirada para momentos de necessidade ou imprevistos diversos.

Possuir uma reserva de emergência é o primeiro passo na sua trajetória de investimentos como veremos no decorrer do artigo. Para entender um pouco mais sobre essa reserva, assista a um vídeo especial com o sócio-diretor da Toro, André Barbosa:

 

Quer ter atendimento exclusivo com Assessores certificados? Acesse aqui e fale com o time de profissionais da Toro

A importância da reserva de emergência em um planejamento financeiro

A reserva de emergência é importante no planejamento financeiro, pois é o ponto de partida para se tornar um investidor de sucesso no longo prazo. Em outras palavras, é fundamental que, ao organizar as próprias finanças, estabelecer uma reserva de emergência antes de iniciar em outros tipos de investimentos.

Isso se faz importante uma vez que, com a reserva bem construída, você não precisa mexer nos seus investimentos em caso de necessidade, prejudicando a busca pela rentabilidade, especialmente no longo prazo.

Portanto, com uma boa reserva de emergência, você pode pensar e desenvolver sua carteira de investimentos em Renda Fixa e Variável de modo mais seguro, controlado e com mais resiliência em momentos de volatilidade, isto é, com mais tranquilidade em momentos difíceis e sem decisões tomadas meramente pela emoção.

Quando a reserva de emergência será necessária?

A reserva de emergência é um valor que todas as pessoas economicamente ativas, independentemente do nível de renda e idade, devem ter. O que vai mudar, como veremos a seguir, é o tamanho desta reserva.

O objetivo de construir a reserva de emergência é criar uma espécie de seguro pessoal para estar "coberto" em caso de situações e necessidades imprevistas que vão demandar recursos financeiros que estejam imediatamente disponíveis, tais como:

  • Períodos de desemprego.
  • Gastos com saúde não cobertos pelos planos de saúde.
  • Atendimentos veterinários de urgência para seu pet.
  • Manutenção ou reparos inadiáveis na casa e no carro.
  • Mudança de cidade, estado ou país.
  • Viagens não planejadas e/ou por necessidade (motivos familiares, por exemplo).
  • Estouro do cartão de crédito por descontrole financeiro.
  • Despesas com burocracias, documentos ou autorizações imprevistas.
  • Evitar pegar empréstimos com altas taxas de juros e criar dívidas.

Ou seja, a reserva de emergência não é o dinheiro que você usará quando quiser, mas sim quando precisar

A reserva de emergência também não será o meio pelo qual você quitará dívidas, uma vez que isso deve estar contemplado no seu planejamento financeiro como um todo. Caso precise de ajuda para montar o seu planejamento, conte com a ajuda de um Assessor profissional nesse processo:

Quer ter atendimento exclusivo com Assessores certificados? Acesse aqui e fale com o time de profissionais da Toro

Quanto guardar na reserva de emergência?

Agora que você já compreendeu quando utilizar, vamos aprender como fazer reserva de emergência na prática.

Inicialmente, entenda que não esse é um recurso financeiro que você precisa levantar da noite para o dia. Você pode construi-la juntando aos poucos, mês a mês e com um regime de economia bem definido.

O primeiro passo é organizar as suas finanças, quitar as dívidas e ter pleno controle do seu planejamento financeiro pessoal. Uma vez que você sabe o quanto ganha e quanto gasta, fica mais fácil saber como economizar para montar a reserva de emergência.

Além disso, não há uma regra fixa que se aplique a todas as pessoas e a todos os níveis de renda. Como descobriremos na sequência, alguns fatores vão influenciar o tamanho da sua reserva de emergência e, ademais, nada impede que você também aumente o volume de recursos guardados para se sentir mais seguro.

Mas, afinal, qual valor devo ter guardado na reserva de emergência?

Cálculo da reserva de emergência

Para realizar o cálculo do tamanho da sua reserva de emergência ideal, basta considerar o total das suas despesas essenciais fixas e multiplicar por um número X de meses de acordo com as suas características.

Os especialistas recomendam que a reserva de emergência seja composta por valores correspondentes a entre 6 e 18 meses do seu custo de vida atual, considerando as despesas básicas.

Exemplo: se suas despesas fixas (contas da casa, supermercado, alimentação, transporte, saúde, entre outras) somam R$2,5 mil por mês, a reserva de emergência deverá ser de, ao menos, R$15 mil.



Por que uma diferença tão grande entre o número de meses recomendados? Isso varia de acordo com alguns fatores na vida de cada pessoa que vão determinar o quão estável são sua renda e suas despesas. Por exemplo, os servidores públicos possuem estabilidade no cargo maior do que em outras áreas, como no comércio ou na construção civil. Desse modo, sua renda é mais previsível e por mais tempo.

Por isso, quanto maior for a instabilidade da sua renda e demais fatores da sua vida como um todo, maior deve ser a reserva de emergência. Assim sendo, considere os seguintes fatores para determinar o número de meses da sua reserva de emergência:

  • Estabilidade no emprego.
  • Nível de empregabilidade da sua área de atuação.
  • Número de filhos, dependentes e animais de estimação.
  • Possibilidade de ter gastos imprevistos por desgaste em casa e carro próprios.
  • O quão bem você e seus familiares cuidam da saúde.
  • Dívidas e parcelamentos já assumidos.
  • Se você tem ou não tendência a se descontrolar financeiramente.

Digamos que você perca o emprego e fique desempregado por 6 meses, o que aconteceu com muitas pessoas durante a pandemia em 2020, por exemplo. Com a reserva de emergência, você teria os recursos necessários para passar por esse período sem atrasar nenhuma conta até se recolocar no mercado de trabalho.

Portanto, o cálculo da reserva deve considerar também o tempo entre a utilizar até estar apto a reconstrui-la novamente. Nesse meio tempo, você não passará por dificuldades financeiras, pois estará resguardado por uma reserva bem feita e aplicada no local correto.

Onde investir a reserva de emergência?

Por fim, uma vez que você definiu de quanto deve ser a sua reserva de emergência, é importante saber onde investi-la.

Inicialmente, é importante que o dinheiro da reserva de emergência esteja aplicado em um local diferente do dinheiro da sua conta-corrente, aquela que você usa para pagar as contas e despesas do dia a dia. Além disso, esse é um tipo de investimento que não visa os ganhos extraordinários.

A reserva de emergência deve priorizar a liquidez e não a rentabilidade como critério de onde investir. 

Como você aprendeu ao longo do artigo, o intuito da reserva de emergência é estar disponível para resgate imediato em situações de necessidade. Desse modo, o ideal é que esse dinheiro esteja em aplicações de elevada liquidez (facilidade de saque) e conservadoras. Resumindo, você deve priorizar 4 aspectos para investir a reserva de emergência:

Fatores essenciais para escolher um investimento para sua reserva de emergência:

1. Liquidez: facilidade de sacar o dinheiro a qualquer momento.

2. Baixo custo: não apresentar altos custos administrativos e de Imposto de Renda.

3. Segurança: ter cobertura do FGC ou oferecer mecanismos de segurança.

4. Baixa volatilidade: não ter grandes oscilações nesta parte do seu patrimônio.



Logo, não é recomendável investir a reserva de emergência em ativos como Fundos Imobiliários, ações, Fundos Multimercados, investimentos no exterior e similares.

Portanto, o investidor não deve se preocupar com a rentabilidade da aplicação, tendo em vista que esse não é o objetivo principal. Assim sendo, os investimentos conservadores e com liquidez diária são os mais indicados para guardar a sua reserva de emergência. Conheça algumas opções a seguir. 

Melhores investimentos para a reserva de emergência

Dado que o dinheiro da reserva de emergência deve estar aplicado em um investimento de liquidez diária, há, no mercado, algumas alternativas para que você invista de forma segura e que tenha seu dinheiro sempre à disposição, tais como: 

1. Tesouro Selic

Título público emitido pelo governo que remunera os investidores de acordo com a taxa Selic do momento. Possui liquidez diária e, em valores acima de R$10 mil, estão isentos de taxa de custódia cobrada pela B3.

2. Fundos de Renda Fixa conservadores

São Fundos de Investimentos que investem em ativos que seguem a taxa DI – ou "taxa do CDI" – ou outros ativos de Renda Fixa com liquidez D+0 ou D+1, ou seja, em que o prazo de resgate é no mesmo dia ou no dia seguinte. Na Toro, você investe em Fundos e ainda recebe cashback. Acesse o link abaixo para saber mais:

Fundos de Investimento com dinheiro de volta? Veja agora aqui na Toro

3. CDBs de liquidez diária

Títulos de Renda Fixa emitidos por bancos que também seguem a taxa do CDI como referência. É possível encontrar títulos com liquidez diária e rendimento próximo ou acima dos 100% do CDI. Veja abaixo como funciona esse investimento e utilize o nosso simulador de CDB para descobrir as melhores oportunidades.

_esquema-rendimento-cdbQual o melhor CDB para investir agora? Descubra grátis e invista com poucos  cliques

4. Contas digitais ou carteiras remuneradas

Por último, há ainda a alternativa das carteiras digitais e contas-corrente remuneradas. Esse tipo de investimento normalmente funciona remunerando o valor que você tem em conta a uma determinada proporção da taxa DI, como, por exemplo, 100% do CDI.

Antes de fechar essa página, confira no vídeo a seguir como você pode começar a investir nesses e em outras aplicações com facilidade na Toro Investimentos:

Aproveite o jeito mais fácil de investir agora mesmo Faça seu cadastro grátis na Toro