O pior parece ter passado, mas isso não quer dizer que já está tudo bem. A epidemia do coronavírus segue avançando rapidamente, ainda que bastante contida à China. Mesmo assim, os investidores já parecem ter se acalmado do pânico gerado na semana passada e os mercados mostraram maior estabilidade nesta semana.

Por enquanto, só se fala disso, mas não podemos deixar de acompanhar os esforços do Banco Central em fortalecer a economia com o novo corte de juros básicos. Nos Estados Unidos, os dados de emprego mostram uma economia ainda aquecida, enquanto as primárias democratas geram confusão e fortalecem ainda mais o caminho de Trump para a reeleição.

E claro, a temporada de balanços corporativos segue a todo vapor! Bradesco e Lojas Renner mostraram bons números em 2019. A IRB esteve no olho do furacão depois de aposta contrária de uma gestora, enquanto Mitre Realty e Locaweb deram seus primeiros passos na Bolsa ao abrirem seu capital. Finalmente, a Centauro anunciou a compra da Nike Brasil e colocou fogo no mercado de itens esportivos.

Os destaques da semana:

  • Política e Economia: Corte na Selic.
  • Corporativo: IRB, IPOs e temporada de balanços.
  • Em destaque: Nike agora é da Centauro.
  • Torocast: Por onde começar e coronavírus.
  • No exterior: Coronavírus, eleições e payroll. 


Tá bom já.

Como já era amplamente esperado, o Banco Central decidiu mais uma vez reduzir a Selic, taxa de juros que baliza todo o sistema financeiro. O nível atual de 4,25% a.a. é a nova mínima histórica e, ao que tudo indica, encerra o ciclo de cortes iniciado no ano passado.

O movimento baixista reflete os esforços em baratear o custo do dinheiro e do crédito, de forma impulsionar o consumo, o investimento e a economia como um todo. Também reflete a queda de 1,1% da produção industrial em 2019 divulgada nesta semana. 

Posteriormente à reunião do Copom, vimos também os dados de inflação voltando a desacelerar. O IPCA somou 0,21% em janeiro e 4,19% nos últimos 12 meses. O valor ainda está acima da meta de 4,00% para este ano, mas deve continuar recuando conforme a disparada dos preços da carne no fim de 2019 se dissipe.

Outro bom sinal de que os preços estão bem controlados é de que a alta do dólar também não tem impactado muito no IPCA. Contudo, esse cenário denota que a economia brasileira ainda precisa de mais tração. Seguiremos de olho para ver se todo esse movimento de baixa na Selic vai enfim surtir efeito nos dados econômicos.

2020-no-Azul

Correio deselegante.

A semana começou com um movimento muito forte na IRB (IRBR3). Logo na abertura de segunda feira (3) o papel demorou para sair de leilão e abriu registrando cerca de 15% de queda.

O motivo foi a carta de uma gestora de recursos, a carioca Squadra, acompanhada de um profundo relatório de mais de 150 páginas. No material, a gestora explica aos seus cotistas e ao mercado o racional por trás de uma posição vendida (em que os fundos geridos ganham com a queda no valor das ações) na Companhia que vem se arrastando desde maio de 2018 (e dando prejuízo desde então).

A Squadra questiona a diferença entre o real valor da Companhia e os preços atuais, em função, principalmente, de disparidade entre o lucro contábil reportado pela Empresa e o lucro normalizado (de acordo com a gestora). A gestora argumenta que seus cálculos representariam melhor a realidade. 

A carta repercutiu no mercado financeiro, gerando inúmeras discussões sobre práticas contábeis e sobre a IRB. As ações da Empresa passaram por uma semana volátil, chegaram a recuperar quase toda a queda da abertura de segunda-feira e depois voltaram a ceder mais forte. Na tarde de sexta-feira (07) o papel registrava queda de mais de 10% na semana.

Dupla estreante.

Nesta semana tivemos os primeiros IPOs de 2020. A Mitre Realty (MTRE3), que teve sua ação precificada a R$19,30, começou a negociar na quarta-feira (5) com preço de abertura de R$21,02, alta de quase 9% em relação ao preço da oferta e começando com o pé direito os IPOs no ano.

A segunda estreante foi a Locaweb (LWSA3), na quinta-feira (6). Com a oferta precificada a R$17,25, as ações abriram na quinta por R$19,80, quase 15% de alta.

Temporada de Balanços!

E continua a temporada de resultados referentes ao 4º trimestre de 2019. Nesta semana tivemos divulgações bem aguardadas pelo mercado.

O banco Bradesco (BBDC4) fechou 2019 com lucro líquido 20% superior ao de 2018, totalizando R$25,9 bilhões. Além disso, um guidance otimista foi muito bem recebido pelo mercado.

A grande rede de varejo Lojas Renner (LREN3) também apresentou bons números, com crescimento de receitas e de lucro líquido em relação à 2018. Os dados referentes ao 4T19, particularmente, dão indícios de uma recuperação econômica no País, ainda que lenta. Mesmo com a Bolsa em queda, as ações da Companhia reagiram bem ao resultado e ao avanço no processo de transformação digital.

Também divulgaram resultados ao longo da semana: Sanepar (SAPR11), Klabin (KLBN11), Banco ABC (ABCB4) e Banco Pan (BPAN4).

Que comecem os jogos.

O carnaval está chegando, as academias estão mais cheias do que nunca, todo mundo tá correndo atrás do prejuízo causado pelas festas de fim de ano e os produtos esportivos seguem em alta. Não só eles, mas também as ações negociadas na Bolsa que atendem esse público, mais especificamente estamos falando da Centauro (CNTO3). 

A verdade é que não foi bem o movimento fitness que fez com que as ações da Centauro subissem mais de 20% na semana, mas sim a estratégia da Empresa em comprar nada mais nada menos do que a Nike do Brasil. Isso mesmo, agora a Varejista vai ser dona da maior marca do segmento esportivo em terras tupiniquins e, além de se tornar a distribuidora exclusiva, a Centauro ainda vai operar as lojas físicas e o comércio eletrônico da Nike no País. 

Há quem diga que isso pode prejudicar os concorrentes e a quem diga que isso pode beneficiar o comércio dos produtos da Nike no Brasil. Pelo sim ou pelo não, o que sabemos é que as ações do Magazine Luiza (MGLU3) caíram mais de 5% desde a divulgação dessa transação. Mas o que a Magazine Luiza tem a ver com isso? 

Pra quem não lembra, há alguns meses Magalu e Centauro entraram numa disputa pela compra da Netshoes e quem levou o pódio foi a empresa da dona Luiza, pelo menos naquela vez. Porém, como todo brasileiro que não desiste nunca, a Centauro continuou com seu projeto de expansão. E vale lembrar que grande parte dos produtos da Netshoes são da Nike. A pergunta que fica no ar: e aí Magalu? Quem ganhou?

Por onde começar e o medo do coronavírus.

No Torocast desta semana, o episódio #22 traz as dicas de Stéfany Oliveira e Silmara Dias para quem está começando a investir e não sabe por onde começar. Já no episódio #23, Daniel Herrera e Paloma Brum discutem os impactos do coronavírus no mundo dos investimentos e o que podemos esperar daqui pra frente.

Antes prevenir, do que remediar!

Nesta semana, vimos os mercados corrigindo parte das quedas influenciadas pelo Coronavírus. Após a volta do Ano Novo Lunar chinês na segunda-feira (03), as bolsas asiáticas recuperaram a precificação negativa com notícias de que o Banco Central da China tentou segurar o movimento de queda desenfreada com a injeção de US$21 bilhões na economia, além de outras medidas de contenção do vírus. Tais medidas, somadas às notícias de uma possível vacina e de novos tratamentos para o vírus, deram um alívio na percepção de danos para a economia global. 

A situação, que ainda não pode ser considerada resolvida, preocupa investidores, que, por cautela (leia-se, medo), tendem a aumentar a corrida por ativos de menor risco. 

Na nossa visão, o vírus não será algo tão alarmante no médio/longo prazo, visto toda a movimentação das autoridades globais para reduzir o estrago feito até agora. Ficamos de olho na avaliação de dados econômicos chineses, no andamento do acordo com os EUA e na divulgação dos relatórios da OMS sobre o assunto. 

A democracia em Iowa.

Assim que se acalmarem os temores com o coronavírus, a eleição americana tomará o foco no cenário mundial. 

Tivemos o início das eleições primárias nos EUA. No estado de Iowa, o democrata Pete Buttigieg lidera com a maioria dos votos, seguido por Bernie Sanders. O estado, que tinha o processo do voto em papel, havia decidido computar esta eleição eletronicamente. Não deu certo, abrindo precedente para uma confusão e pedidos de revisão da apuração dos resultados. 

Buttigieg desponta como a carta que não está tão fora assim do baralho e já começa a ganhar holofotes para a próxima etapa das primárias em New Hempshire. Sanders, por sua vez, achou um “escândalo” o ocorrido no partido democrático em Iowa e já mira na próxima fase. Já Joe Biden, líder nas pesquisas nacionais entre os democratas, ficou em quarto lugar e disse que “esperava um resultado melhor”. 

Payroll nos EUA.

Os dados de emprego americanos vieram muito acima do esperado nesta sexta-feira (07). Os ganhos salariais também avançaram, reforçando o bom caminho da economia norte-americana.

Foram criadas 225 mil novas vagas de emprego, antes os 160 mil esperadas. A taxa de desemprego subiu para 3,6%, pouco acima dos 3,5% de expectativa. Os fortes dados americanos ainda  diferem do fraco resultado visto no cenário europeu, com destaque para Alemanha e França.