Cadastre-se grátis

Tipos de ações: como investir em ativos ordinários e preferenciais?

Ações ordinárias (ON) são aquelas que conferem direito a voto e participação nas decisões da companhia. Na Bolsa, são as com o final 3, como: VALE3, RENT3, WEGE3. Já as preferenciais (PN) são as que têm preferência no recebimento de proventos, mas não dão direito ao voto. Exemplos: ITUB4, GGBR4, PETR4. É importante destacar que tanto as ON quanto as PN recebem os dividendos e juros sob capital próprio, mas as PN recebem primeiro.

Quando falamos sobre os investimentos feitos na Bolsa de Valores, a primeira coisa que vem à cabeça são as ações de empresas. Elas são negociadas entre os investidores em busca de ganhos com sua valorização ou até mesmo com sua desvalorização.

Devido ao seu alto potencial de retorno, as ações são investimentos cada vez mais buscados no mercado. Mas você sabia que não existe apenas uma categoria de ação e sim vários tipos de ações?

Para entender isso melhor, e ainda descobrir como investir em ações, continue lendo este artigo. 

O que são ações?

Antes de saber quais são os tipos de ações existentes, precisamos dar um passo atrás e explicar o que são ações. Então vamos lá: ações representam uma fração do valor de uma empresa ou sociedade anônima.

Você pode estar pensando: por que uma empresa decide disponibilizar uma fração do seu valor para outras pessoas? A resposta é bem simples: para arrecadar dinheiro para si mesma e, assim, valorizar e expandir seu negócio.

Muitas empresas decidem se tornar companhias de capital aberto e, então, ofertam suas ações na Bolsa de Valores.

É claro que essa oferta não é tão simples de fazer. Para disponibilizar suas ações na Bolsa, uma empresa passa por um processo rigoroso de abertura de capital, chamado também pela sigla em inglês IPO (Initial Public Offering).

Feito o IPO e a transações das ações da empresa para os primeiros investidores, qualquer pessoa devidamente registrada na Bolsa de Valores pode negociar esses ativos. Com isso, é possível fazer parte do grupo de acionistas da companhia.

Comprar ações pode trazer ótimos retornos para quem sabe investir com inteligência e estratégia.

E para a empresa que disponibiliza as ações também é vantajoso. Ela consegue arrecadar dinheiro para ser aplicado em novos projetos e ainda tem a chance de elevar seu valor de mercado.

É claro que nem toda ação que acaba de ser lançada no mercado, por meio de um IPO, é interessante de comprar. Para tomar essa decisão, antes é preciso estudar todos os prós e contras em relação à empresa que está lançando as ações, para entender se esse realmente será um bom negócio.

Por envolver muitas variáveis e exigir um olhar apurado sobre os dados, fazer essa análise pode não ser uma tarefa simples para quem está começando a investir. Então, conte com a nossa equipe de especialistas para aprender a dominar este mercado do jeito certo, sem ter que abrir mão 100% da segurança.

Quais são os tipos de ações?

Quem já entende um pouco sobre ações, ou já investe nesse mercado, sabe que existem dois tipos de ações mais conhecidos: ações ordinárias e preferenciais.

A principal diferença entre elas é que as ações ordinárias (ON) dão direito a voto nas assembleias da empresa e as ações preferenciais (PN) dão direito a receber primeiro os lucros distribuídos aos acionistas.

É claro que não é só isso. Existem outras informações importantes, além de outros tipos de ações que não são tão conhecidos. Entenda melhor a seguir:

1. Ações Ordinárias

Como falamos, entre os tipos de ações que existem, esta é uma ação que garante a quem a possui o direito a voto e à participação nas decisões da companhia.

Vale lembrar que a diferença que essa participação faz na administração da empresa depende da quantidade de ações ordinárias que um investidor possui.

Ou seja, quanto mais ações ordinárias, mais poder de voto um investidor tem. 

Dessa forma, os grandes acionistas conseguem influenciar mais os rumos do negócio do que os pequenos investidores. Lembrando que elas também dão direito ao recebimento de dividendos, isto é, não são somente as preferenciais.

2. Ações Preferenciais (PN)

As ações preferenciais, como você viu, dão preferência – daí o nome – no recebimento de valores como distribuição de lucros.

Ou seja, um acionista preferencial receberá dividendos e outras compensações, como Juros sobre Capital Próprio, primeiro do que quem possui ações ordinárias da mesma empresa.

Tem interesse em viver de dividendos? Confira quais são as ações com maior potencial para alcançar esse objetivo. 

3. Ações nominativas

Até 1990, podiam existir ações que não eram nominativas, ou seja, não eram vinculadas ao nome e CPF do investidor. A partir dessa data, todas as ações passaram a ser nominativas, com o intuito de oferecer mais segurança e transparência a quem investe.

Além de ficar tudo registrado na Bolsa de Valores do Brasil, a B3, a identificação também é realizada no Livro de Registro de Ações Nominativas da empresa.

Portanto, daquela época em diante, todas as ações compradas por uma pessoa estão em seu nome. Além da segurança, essa mudança também buscou evitar fraudes e sonegação de impostos.

4. Ações escriturais

Nos EUA, as ações escriturais são chamadas de book shares. Esse tipo de ação pode ser autorizada pelo estatuto da empresa e mantido em contas de depósito, em nome do investidor que a possui sem a necessidade de emissão de certificado, na instituição que escolher (desde que seja autorizada a fazer isso pela CVM).

Por não possuir um documento físico, ao negociar uma ação escritural também não há movimentação de documentos. Dessa forma, o crédito e/ou o débito dos valores relativos à negociação são feitos diretamente na conta de quem comprou ou vendeu.

5. Units (ações com o final 11)

O certificado de depósito de ações (Unit) é uma espécie de “pacote” composto por ativos diferentes. Ou seja, uma única Unit pode conter diferentes tipos de ações, como ações ON e PN na sua composição. 

6. Ações Blue Chip

Um dos tipos de ações mais buscados por investidores na Bolsa de valores são as Blue Chips. Essa classificação não é oficial, mas é bastante usada para caracterizar ações com grande negociação na Bolsa e, consequentemente, maior valor de mercado.

Por serem muito valorizadas por quem investe, essas ações têm alta liquidez, isto é, são mais fáceis de vender, pois não é tão difícil encontrar alguém com interesse em comprá-las.

Algumas das Blue Chips da nossa Bolsa são: ações da Petrobras, da Vale e da Ambev.

7. Mid Caps

Se as Blue Chips estão no pódio entre as mais concorridas do mercado, podemos entender que as mid caps são tipos de ações intermediárias. Isso significa que algumas podem oferecer maior liquidez, mas outras nem tanto.

Por oferecem muitas vezes potencial de valorização maior até que as Blue Chips, elas chamam a atenção de alguns investidores. No entanto, é preciso ir com cuidado, pois nem todas as Mid Caps oferecem essa oportunidade.

8. Small caps

No terceiro degrau da escada, atrás das Mid Caps e das Blue Chips, vamos encontrar as ações chamadas de Small Caps. Elas são ações de empresas com menor capitalização. No entanto, isso nem sempre significa algo ruim, já que por serem mais baratas, esse tipo de ação podem gerar uma rentabilidade maior.

Porém, assim como falamos sobre as Mid Caps, nem sempre comprar uma ação muito barata é sinônimo de bons resultados.

É muito importante fazer uma análise sobre a ação antes de comprá-la, pois existe o risco de não conseguir vendê-las depois ao mesmo custo que comprou ou mais caro.

Percebeu uma atitude essencial que fizemos questão de ressaltar várias vezes? Saber se um dos tipos de ações vale a pena, não é apenas sobre o preço e qual classe ela pertence. O mais importante é acompanhar o mercado e fazer análises para saber quais são as melhores ações para comprar hoje.  

Por isso, além de saber os tipos de ações, é necessário que você entenda o funcionamento da Bolsa de Valores. Dessa forma, será possível adotar estratégias, usar técnicas e dominar seus investimentos. 

Como escolher entre ações ordinárias e preferenciais?

Essa é uma dúvida constante na hora de investir e saber quais tipos de ações escolher. Como são as mais populares, as ações ON e PN costumam ficar entre as que causam dúvidas.

Veja no quadro abaixo as principais diferenças entre elas e saiba qual momento uma pode se tornar mais interessante do que a outra:

Ações Preferenciais (PN)Ações Ordinárias (ON)
Dão preferência para receber a distribuição de lucros, como dividendos, juros sobre capital próprio e até mesmo compensações, em caso de falência da empresa, por exemplo.Dão direito a voto nas assembleias da empresa. Com isso, dependendo do número de ações adquiridas, o acionista pode votar e influenciar o rumo dos negócios da companhia.
De acordo com o artigo 17 da Lei Federal nº 6404/76, pelo menos 25% do lucro líquido das empresas deve ser distribuído aos acionistas PN por intermédio de dividendos. Esse fator faz com que muitos investidores se interessem pelas ações preferenciaisAo contrário das ações PN, as ações ON têm algo chamado tag along. Esse mecanismo protege os investidores minoritários que possuem esse tipo de ação caso aconteça uma mudança no controle da empresa.
O tag along faz com que quem assume o controle da companhia seja obrigado a assegurar aos acionistas ON o preço mínimo de 80% do valor pago por ação, ou lote de ações, caso a empresa seja vendida.
Dessa forma, devido ao tag along, as ações ON costumam ser muito buscadas quando ocorre a mudança de controle de uma empresa.
As ações preferenciais costumam ter maior liquidez, portanto, tendem a ser mais negociadas na Bolsa de Valores. Assim, fica mais fácil encontrar pessoas interessadas a negociá-las.Caso a empresa do seu interesse esteja listada no chamado Novo Mercado, ela só terá ações ordinárias.

Viu como existem várias características a serem levadas em consideração? Se você ainda tiver dúvidas sobre qual tipo de ação é mais interessante para você no momento, vale a pena pedir ajuda a um Assessor de Investimentos.

E não se sinta triste por não saber tomar essa decisão por conta própria agora. O primeiro passo você já deu em buscar aprender mais sobre os investimentos e como começar a investir.

A partir de agora é manter essa atitude positiva e estar sempre disponível para aprender cada vez mais. Mas lembre-se: procure aprender com pessoas que entendem mesmo o mercado e são certificadas para atuar nessa área.

Quais são as principais classes de ações?

Talvez você já tenha reparado que algumas ações têm um código formado por letras e um número, certo? É basicamente isso mesmo. Para facilitar sua negociação na Bolsa de Valores, as ações têm um código formado por: 4 letras e 1 número.

Por exemplo, as ações preferenciais costumam usar o número 4 no final do seu código e as ordinárias, o número 3. Veja só algumas ações PN:

E algumas ON:

Além desses tipos de ações, há a possibilidade de as empresas personalizarem algumas classes de ações. Um motivo para isso é quando a empresa decide oferecer diferentes direitos de voto para os acionistas, então é criada uma classe de ação para diferenciá-los.

Outros critérios para a criação de novas classes são: distribuição de dividendos e restrição quanto à posse de ações.

Com essas mudanças as ações de classes diferentes passam a ter outros números no seu código, como 5 ou 6, por exemplo.

Assim, o código 5 costuma ser utilizado para indicar as ações preferenciais da classe A, por exemplo a USIM5 (Usiminas PNA). E o código 6, para as ações preferenciais da classe B, como a ação da Eletrobras (ELET6 PNB).

Quer saber quais dessas ações podem subir ou cair em breve? Na plataforma da Toro, você pode explorar o mercado e ver quais ações estão mais interessantes para investir no momento e quais são as mais negociadas hoje.

Unificação dos tipos de ações: tendências da Bolsa brasileira

Quem acompanha o mercado percebeu uma transformação interessante: a redução da divisão em dois tipos de ações – preferencial e ordinária. Na prática, isso representa o aumento na possibilidade de unificar as ações em um tipo só, em apenas ordinárias.

A proposta é tornar todo o processo de investir em ações ainda mais transparente e diminuir as diferenças entre acionistas minoritários e majoritários.

Há um esforço do mercado para que ocorra a unificação das ações das empresas listadas na Bolsa brasileira.

Um exemplo desse movimento foi a conversão das ações preferenciais da Vale (VALE5) para ordinárias (VALE3), no fim de 2017. A mudança foi vista com bons olhos, pois pode reduzir a interferência do Estado na mineradora, mesmo depois de ter sido privatizada há vários anos.

Nesse caso, a troca foi feita pela empresa como o intuito de dar continuidade ao processo de entrada no Novo Mercado da B3. A medida também foi tomada em 2018 pela companhia com o objetivo de migrar para o Novo Mercado.

O Novo Mercado é bastante exigente, com normas rígidas de governança e transparência.

E que, entre outras coisas, permite apenas ações ordinárias. Essas mudanças podem trazer vantagens tanto para a empresa que faz a unificação ou conversão de suas ações, quanto para os investidores interessados nesses tipos de ações.

Para a empresa, realizar uma reestruturação de ações como essa traz uma governança mais sólida e também mais independência, gerando mais valor tanto para a visão do mercado quanto para seus acionistas. Já para o investidor, a migração de ações PN para ON pode causar a valorização dos ativos, abrindo boas oportunidades de negócio.

Em um curso de Bolsa de Valores, você aprende todos as particularidades e detalhes desse ambiente. Com esse conhecimento, é capaz de investir de uma forma mais eficiente e de um jeito mais profissional. 

Como investir nos diferentes tipos de ações?

Você aprendeu quais são os tipos de ações existentes e agora quer colocar tudo isso em prática? Vamos te mostrar o passo a passo básico para investir em ações, independentemente do tipo:

O processo em si é bastante simples, concorda? No entanto, quando chega a hora de escolher a ação com boas perspectivas de valorização e decidir o momento certo de comprá-la, por exemplo, pode não ser tão fácil para quem está começando.

Mas não precisa se preocupar. Porque aqui na Toro nós facilitamos essa tarefa para você. Nossa equipe de especialistas do mercado está sempre de olho nas tendências para encontrar boas oportunidades na Bolsa de Valores.

Você pode acessar nossas oportunidades recomendadas por profissionais e investir com apenas um clique.

E o melhor: você não paga taxa de corretagem para investir. Faça seu cadastro gratuito e comece hoje mesmo a investir na Bolsa de Valores. 


Deixe um comentário

Gostou do artigo? Deixe um comentário sobre o que achou do conteúdo!