Bitcoin é seguro? Entenda os riscos dessa moeda

Quando o assunto é criptomoedas, um dos pontos que mais chama a atenção de investidores e curiosos tem a ver com a segurança. Faz todo o sentido, pois é comum desconfiar de um mercado que surgiu do nada e não possui qualquer tipo de regulação.

Mas, afinal, podemos dizer que essas moedas virtuais são seguras? Para responder essa pergunta, é importante entender previamente o sentido de segurança. A questão do risco de investir em Bitcoin hoje pode ser destrinchada em três pontos distintos:

  • O sistema do Bitcoin é seguro?
  • O mercado de Bitcoin é seguro?
  • O Bitcoin como investimento é seguro?

Pode parecer que uma resposta atenda às três perguntas de uma vez, mas neste artigo você verá que cada uma merece sua devida atenção. Então, vamos lá?

O sistema do Bitcoin é seguro?

Bitcoin é seguro?

Não é novidade que o mundo caminha rapidamente para a imersão digital. Assim, notícias em relação a ataques de hackers, falhas de sistemas e cibercrimes se tornam mais e mais frequentes.

Visto isso, é natural que a ideia de uma moeda que exista apenas virtualmente, sem qualquer regulação, desperte algumas preocupações. Para entender o primeiro ponto em relação à segurança do Bitcoin, é preciso entender um pouco da tecnologia que possibilita sua existência: o Blockchain.

É possível que você já tenha escutado falar desse termo, certo? Este sistema funciona como uma rede (ou cadeia) de registros que surgiu para possibilitar transações descentralizadas e autônomas.

Isto é, Blockchain é uma cadeia de blocos de informações que registra todas as transações que ocorrem pelo mundo de forma criptografada. Assim, as compras e vendas de Bitcoins, por exemplo, não dependem de apenas um servidor, e sim de um sistema que é aberto a todos os usuários. Mas como isso garante que o Bitcoin é seguro?

As informações armazenadas nos blocos são automaticamente protegidas por um código exclusivo. Essa “assinatura”, também conhecida por hash ou proof of work, garante que o sistema seja interligado, uma vez que cada bloco leva sua própria assinatura e a do bloco anterior.

Essa ligação criptografada torna o sistema extremamente seguro, sem abrir mão da sua transparência. É praticamente impossível violar o Blockchain: para acessar as informações de um bloco, seria necessário decifrar sua própria hash e a hash do bloco anterior, que, por sua vez, precisaria da hash antecedente, e assim seguiria sem fim.

Além disso, para infiltrar nesse sistema, seria necessário um computador com uma potência superior à de todos os computadores que estão ligados nesse sistema, isto é, uma capacidade inalcançável para os processadores existentes.

Então, a resposta para a pergunta se o sistema do Bitcoin é seguro é sim. O Blockchain é tão seguro que a sua tecnologia vem sendo estudada para outros diversos usos.

Entretanto, por mais que seu sistema seja a prova de invasões, não podemos afirmar o mesmo de seu mercado. Que tal entender isso um pouco mais?

O mercado de Bitcoin é seguro?

Mercado de Bitcoin é seguro?

Que sua tecnologia é praticamente inviolável, você já deve ter entendido. Mas quando tiramos um pouco o zoom e analisamos o seu mercado, infelizmente ele não é tão livre de perigos assim.

As vulnerabilidades do mercado de criptomoedas começam a surgir quando há a interação com o seu usuário. Quando você compra um Bitcoin, essas moedas ficam automaticamente armazenadas virtualmente em uma espécie de carteira.

Há diversas formas de guardar suas moedas, isto é, diferentes tipos de carteiras Bitcoin. É possível ter carteiras para desktop, completamente online ou até de papel. É neste ponto que a segurança desse mercado começa a ser preocupante.

Como qualquer outro arquivo que você armazena em seu computador, a carteira Bitcoin está exposta a ataques virtuais de pessoas mal-intencionadas. Normalmente, esses ataques ocorrem por meio de malware que se infiltra no seu computador por meio de um download ou de um aplicativo.

Não há nada de novo nesse tipo de ataque. Uma vez que ele está devidamente instalado, esse vírus começa a ter acesso a informações relevantes, como o endereço e a senha de sua carteira, por exemplo, e assim, conseguem roubar seu saldo.

As exchanges, que são como as plataformas de compra de moedas são chamadas, estão sob constante tentativas de ataques virtuais. Foram vários os casos em que usuários dessas empresas foram deixados de carteira vazia devido a uma invasão geral. Veja alguns casos abaixo:

  1. Em março de 2014, foram roubados US$473 milhões da exchange MtGox. Foi o maior roubo de criptomoedas já registrado.
  2. Em janeiro de 2015, US$5,1 milhões foram roubados da exchange Bitstamp. Na época, o valor era referente a 19 mil Bitcoins.
  3. Em agosto de 2016, a Bitfinex teve US$66 milhões roubados de suas carteiras. Foram cerca de 120 mil moedas furtadas.
  4. Em julho de 2017, cerca de US$32 milhões foram roubados das carteiras da Paraty Multisig Wallet. Neste ataque, a moeda alvo foi a Ethereum.
  5. Em dezembro de 2017, aproximadamente US$62 milhões foram roubados da grande NiceHash.
  6. Também em dezembro de 2017, a empresa mãe da exchange sul-coreana YouBit declarou falência após ter 17% de suas criptomoedas roubadas.

Além desses elaborados ataques virtuais, o mercado de Bitcoin registra também outro tipo de fraude: os esquemas de pirâmides.

Investir em Bitcoin é seguro?

Já conhecidos no mercado, esses esquemas também chamados de esquema de Ponzi ou fraude multinível, enganam pessoas que buscam retornos rápidos a todo custo. Com uma promessa de multiplicar seu dinheiro em um curto período de tempo, as vítimas acabam entrando na falcatrua e comprando criptomoedas falsas.

Para “impulsionar” seus ganhos, o usuário é incentivado a compartilhar e trazer mais e mais pessoas para o esquema. Por esse motivo, é fundamental que você conheça bem a exchange por onde está investindo e sempre ter uma pulga atrás da orelha com promessas espetaculares.

O caso mais conhecido desse tipo de esquema no mercado de criptomoedas foi o da BitConnect. A plataforma prometia ao investidor um retorno de 1% por dia para quem comprasse a moeda BCC, valor que só era sustentável com a entrada de um grande volume de pessoas no esquema.

Esse ponto nos leva ao próximo questionamento: como investimento, o Bitcoin é seguro? Antes de sair colocando seu dinheiro em qualquer moeda, é preciso se planejar e informar.

O Bitcoin como investimento é seguro?


Investir em Bitcoins?

Antes de responder essa pergunta, é preciso entender o sentido da palavra risco nesse universo. É provável que já tenha escutado que tal investimento é arriscado ou que o outro quase não tem risco, não é mesmo? Mas o que isso significa?

Podemos separar todos os investimentos disponíveis no mercado em dois grandes grupos: Renda Fixa e Renda Variável. Entenda:

  1. Os Investimentos de Renda Fixa são todos os títulos que dimensionam o retorno sobre o capital investido no momento da compra. Eles podem ser completamente prefixados e mostrar o valor final em Reais ou podem ser pós-fixados e depender de outra taxa para render, como a Selic, o IPCA ou o CDI.
  2. Já os investimentos de Renda Variável, por sua vez, não garantem o ganho de capital, podendo até perder dinheiro no final da operação. Entretanto, normalmente, apresentam um potencial de ganho maior do que os títulos de Renda Fixa.

Visto esses conceitos, é possível adivinhar em qual grupo o Bitcoin se enquadra, não é mesmo? Sim, as criptomoedas podem ser consideradas investimentos de Renda Variável. Para ajudar na explicação, assista ao vídeo abaixo: 

Assim como investir em ações, fundos imobiliários e contratos futuros, quem investe em Bitcoins não tem a rentabilidade garantida no momento da compra. Por isso, fala-se que o investidor assume o risco do investimento.

Mas podemos ir ainda mais fundo: investir em Bitcoin é tão seguro quanto investir em ações e outros ativos do mercado tradicional? A resposta é não, sem ainda considerar o risco de roubo apresentado anteriormente.

Por que o Bitcoin é menos seguro que ações?

Bitcoin não é seguro?

Como esse tipo investimento não é regulamentado por nenhuma instituição financeira ou não possui qualquer lastro com outro ativo, os Bitcoins e as outras criptomoedas estão expostos fortemente à especulação financeira - muito mais que qualquer outro ativo tradicional que conhecemos.

Por não possuir um mecanismo de defesa como o mercado tradicional, a cotação do Bitcoin pode ter seu valor desvalorizado em milhares de dólares em poucas horas. Esses movimentos bruscos, que inclusive já foram registrados algumas vezes, podem pegar de surpresa até o mais informado dos investidores.

Nossa Bolsa de Valores, por exemplo, conta com um mecanismo chamado Circuit Breaker, que protege os ativos da volatilidade excessiva. Caso o mercado desvalorize 10% em relação ao fechamento do dia anterior, as negociações são interrompidas para que ocorra o rebalanceamento de ordens de compra e venda.

Por mais que esteja sujeito às fortes desvalorizações, o potencial de ganho das criptomoedas continua atraindo milhares de investidores. Por isso, é importante saber como deixar o investimento em Bitcoins um pouco mais seguro.

Como investir em Bitcoins de forma segura?

Investir de forma segura


As três dicas que serão passadas aqui valem tanto para os investidores fãs de criptomoedas quanto para aqueles que têm total aversão ao risco. É fundamental ter conhecimento delas antes de investir em Bitcoins ou em qualquer modalidade.

1. Conheça seu perfil

Se investir está nos seus planos, se conhecer é o primeiro passo para isso. Antes de sair colocando seu dinheiro em um investimento, é preciso olhar para si mesmo e definir que tipo de investidor você é.

Quanto risco você está disposto a assumir? Quanta atenção você pode dar para seus investimentos? Quanto você tem para investir? Essas são algumas das perguntas que você deve se fazer antes de aplicar seu dinheiro.

2. Estabeleça seu objetivo

O segundo ponto é entender o motivo de você estar investindo seu dinheiro. Quando entender este porquê, saberá o prazo que precisará resgatá-lo, a rentabilidade interessante a ser alcançada e o quanto está disposto a aplicar.

É provável que o dinheiro destinado à sua aposentadoria, por exemplo, deva ser investido em uma modalidade diferente daquele que você vai precisar no fim do ano, entendeu?

3. Nunca se esqueça da diversificação

Esta é a principal dica para deixar o investimento em Bitcoins um pouco mais seguro. A diversificação de carteira deve ser um hábito para todo investidor, desde o investidor mais conservador, isto é, aquele que não sai da Renda Fixa, até o mais arrojado, o qual segue de perto o lançamento de novas criptomoedas.

Diversificar carteira significa alocar seu dinheiro em diferentes opções. Imagine que você tenha investido todo seu capital em uma ação de uma empresa ou em uma criptomoeda e, no dia seguinte, o valor desse ativo tenha despencado. A divisão de carteira te protege exatamente deste cenário, entende?

Se você se convenceu de que Bitcoin é seguro suficiente para o seu perfil, não deixe de levar em conta os cuidados repassados neste conteúdo. Como esse mercado ainda é novo e tem muito para evoluir, é preciso ter atenção redobrada.

Descubra se vale a pena investir em criptomoedas
Veja o perfil de investidores no mercado Bitcoin